Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Câmara de SP vai esperar viagem de advogado de Cristófaro para decidir se cassa mandato do vereador

    Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Casa aprovou, por unanimidade, a legalidade do processo que pede pela cassação do parlamentar por acusação de racismo

    O vereador Camilo Cristófaro (Avante) durante audiência na Câmara de São Paulo
    O vereador Camilo Cristófaro (Avante) durante audiência na Câmara de São Paulo Richard Lourenço/Rede Câmara

    Douglas Portoda CNN*

    em São Paulo

    A sessão da Câmara Municipal de São Paulo que analisará o pedido de cassação do mandato do vereador Camilo Cristófaro (Avante), por acusação de racismo, foi marcada para o dia 19 de setembro.

    Segundo anúncio do presidente da Casa, Milton Leite (União Brasil), nesta quarta-feira (30), o advogado do parlamentar apresentou documentos informando que estará fora do país até o dia 13 do mesmo mês.

    Para respeitar o direito de ampla defesa, foi escolhida uma data posterior, segundo a Câmara.

    Vídeo: “É coisa de preto, né” diz vereador durante sessão na Câmara de SP

    “Determino que sejam intimados os advogados das partes, de imediato. E informo desde já que, caso na data marcada o advogado não apareça, constituirei um defensor dativo entre os procuradores desta Casa. Levaremos a termo a votação no dia 19 de setembro, às 15h30”, disse Leite.

    A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara aprovou, nesta quarta-feira, por unanimidade, a legalidade do processo que pede pela cassação de Cristófaro.

    Todos os nove integrantes aprovaram o parecer da Corregedoria e seguiram o voto do relator, o Professor Toninho Vespoli (PSOL). O grupo é responsável por analisar a constitucionalidade, legalidade e teor regimental dos processos.

    São necessários votos de 37 dos 55 vereadores para cassar o mandato de Cristófaro e seus direitos políticos pelos próximos oito anos.

    O caso

    Em 3 de maio de 2022, Cristófaro participou de forma remota de uma sessão da CPI dos Aplicativos. Em determinado momento, com o microfone aberto, o vereador afirmou: “Não lavaram a calçada… É coisa de preto, né?”.

    No mesmo dia, o parlamentar se desculpou. No dia seguinte, gravou e publicou um vídeo ao lado de funcionários negros dizendo que não era racista. Na ocasião, ele foi desfiliado do partido em que estava na época, o PSB.

    Processo na Justiça

    Um processo também foi aberto no Tribunal de Justiça de São Paulo e quatro testemunhas foram ouvidas, mas Cristófaro acabou sendo absolvido no âmbito criminal em julho deste ano.

    Ministério Público recorreu e o processo está em fase de recursos.

    Vídeo: Vereador Camilo Cristófaro pede desculpas após vazamento de áudio

    *Com informações de Anne Barbosa

    Correção

    Ao contrário do informado anteriormente no título de reportagem, quem está ausente em viagem ao exterior é o advogado de Camilo Cristófaro, e não o vereador. O erro foi corrigido.