Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Com 4 mulheres, eleições de 2022 terão recorde de candidatas à Presidência

    Disputa pelo comando do Palácio do Planalto também conta com duas chapas 100% femininas

    Simone Tebet (MDB), Vera Lúcia (PSTU), Soraya Thronicke (União Brasil) e Sofia Manzano (PCB), candidatas a presidente do Brasil
    Simone Tebet (MDB), Vera Lúcia (PSTU), Soraya Thronicke (União Brasil) e Sofia Manzano (PCB), candidatas a presidente do Brasil Arte CNN

    Gabriela Ghiraldellida CNN

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    As eleições de 2022 terão quatro mulheres na disputa pela Presidência, recorde de candidatas na história do Brasil desde a redemocratização. A última confirmação foi de Soraya Thronicke (União Brasil), nesta sexta-feira (5), se juntando a Simone Tebet (MDB), Sofia Manzano (PCB) e Vera Lúcia (PSTU).

    Caso os quatro nomes cheguem de fato à disputa nas urnas, as eleições deste ano irão superar o que era o maior número de mulheres presidenciáveis até então, verificado em 2014. Naquele ano, Dilma Rousseff (PT) foi reeleita presidente e disputava com outras duas mulheres: Marina Silva (à época no PSB) e Luciana Genro (PSOL).

    No total, 11 mulheres foram candidatas à Presidência desde a redemocratização:

    • Lívia Maria (1989)
    • Thereza Ruiz (1998)
    • Heloísa Helena (2006)
    • Ana Maria Rangel (2006)
    • Dilma Rousseff (2010 e 2014)
    • Marina Silva (2010, 2014 e 2018)
    • Luciana Genro (2014)
    • Vera Lúcia (2018 e 2022)
    • Simone Tebet (2022)
    • Sofia Manzano (2022)
    • Soraya Thronicke (2022)

    Chapas 100% femininas também batem recorde

    As eleições de 2022 também apresentam, pela primeira vez, duas chapas 100% femininas na história: a do PSTU, com a operária Vera Lúcia (PSTU), candidata à Presidência, e a vice indígena Kunã Yporã (Raquel Tremembé); e a do MDB-PSDB, com as senadoras Simone Tebet, emedebista, e Mara Gabrilli, tucana. Tebet e Gabrilli formam a primeira chapa 100% feminina de partidos com representatividade no Congresso.

    Até 2022, apenas uma chapa inteiramente feminina havia participado das eleições presidenciais. Foi em 2006, quando o PRP foi às urnas com a cientista política Ana Maria Rangel, candidata a presidente, e a advogada Delma Gama como candidata a vice.

    Fotos – todas as mulheres candidatas à Presidência do Brasil

    Cinco mulheres são candidatas a vice

    Além da senadora Mara Gabrilli e da indígena Kunã Yporã, outras três mulheres são candidatas a vice: Ana Paula Matos (PDT), vice-prefeita de Salvador e recém-confirmada na chapa de Ciro Gomes; Samara Martins (UP), que integra a chapa de Leonardo Péricles no partido Unidade Popular; e Pérola Neggra (Pros), que entra na disputa com o candidato a presidente Pablo Marçal (Pros).

    No caso do Pros, no entanto, uma disputa jurídica pelo comando do partido com uma ala a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ameaça a continuidade da chapa.

    História das eleições com candidaturas femininas no Brasil

    A participação de mulheres como candidatas à Presidência começou em 1989, com a advogada Lívia Maria. Ela ficou na 16ª posição. Thereza Ruiz, a segunda a disputar um pleito presidencial, foi candidata pelo PTN, em 1998. Ela ficou na 10ª colocação em uma disputa de 12 candidatos.

    Em 2006, a chapa formada por Ana Maria Rangel e Delma Gama, do PRP, receberam 0,13% dos votos válidos e terminaram o pleito na quinta colocação.

    A ex-senadora Heloísa Helena foi a primeira mulher a receber mais de 1% dos votos válidos, em 2006. Candidata pelo PSOL, Heloísa conquistou 6,85% dos votos e terminou as eleições na terceira posição.

    Já em 2010, foi a vez de Dilma ser eleita a primeira presidente mulher do país. No segundo turno, a petista recebeu 58,99% dos votos válidos e venceu o pleito contra José Serra (PSDB). Naquele ano, Marina Silva ficou na terceira colocação no primeiro turno.

    Em 2014, Dilma foi reeleita e Marina, novamente, ficou na terceira posição, com 21,32% e mais de 22 milhões de votos. A eleição ainda teve a participação de Luciana Genro (PSOL), que foi a quarta colocada (1,55%).

    Em 2018, Marina voltaria a ser candidata à Presidência. Pela Rede, a ex-ministra conquistou apenas 1% dos votos válidos. Além dela, Vera Lúcia, que deve disputar as eleições deste ano, também participou do pleito.

    Representatividade ainda é baixa

    Levantamento feito pela CNN mostra que nas últimas eleições gerais foram eleitas para a Câmara dos Deputados 77 mulheres, o que representa 15% dos indivíduos que conquistaram um cargo eletivo.

    Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2019, 51,8% da população são mulheres.

    Debate

    As emissoras CNN e SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal Terra e a rádio NovaBrasilFM formaram um pool para realizar o debate entre os candidatos à Presidência da República, que acontecerá no dia 24 de setembro.

    O debate será transmitido ao vivo pela CNN na TV e por nossas plataformas digitais.

    *Com informações de Daniel Reis e Marcelo Tuvuca, da CNN

     

    Mais Recentes da CNN