Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CPMI aciona STF para suspender arquivamento de ação contra Mauro Cid

    Justiça Federal no DF não viu crime no fato de o militar ter ficado em silêncio em depoimento

    Tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid em depoimento à CPMI do 8 de janeiro
    Tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid em depoimento à CPMI do 8 de janeiro Foto: Roque de Sá/Agência Senado

    Lucas Mendesda CNN

    em Brasília

    A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os atos de 8 de janeiro acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a suspensão do arquivamento de uma ação contra o tenente-coronel Mauro Cid por supostamente abusar do seu direito ao silêncio durante depoimento ao colegiado.

    O arquivamento da ação foi determinado no final de julho, pela Justiça Federal do Distrito Federal, acolhendo manifestação do Ministério Público Federal (MPF).

    Foi a própria CPMI que ajuizou a ação contra Cid. Os advogados do colegiado argumentaram que o ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) cometeu crime ao “calar a verdade como testemunha” no depoimento, feito em 11 de julho.

    Agora, ao acionar o STF, a CPMI disse que pretende “assegurar diretamente a autoridade” e a aplicação de decisão da ministra Cármen Lúcia.

    No final de junho, a magistrada autorizou o silêncio de Cid no depoimento à CPMI, para que ele não produzisse provas contra si. Cid se recusou a responder todas as perguntas, inclusive questões básicas, como informar a própria idade.

    Segundo a CPMI, “em exercício arbitrário das próprias razões, [Cid] ficou calado durante a reunião em questão, realizada em 11 de julho de 2023. Negou-se a responder toda e qualquer pergunta que lhe foi dirigida”.

    Segundo o pedido, a decisão da 10ª Vara Criminal da Justiça Federal no DF, de arquivar a ação contra Cid por suposto abuso do silêncio, “neutraliza os efeitos da decisão” de Cármen Lúcia e “exclui a jurisdição do Supremo Tribunal Federal sobre a matéria”.

    A CPMI pede de forma liminar (provisória) a suspensão desse arquivamento e, no mérito, a cassação da decisão da Justiça Federal no DF.

    Arquivamento

    Em 28 de julho, o juiz Antonio Claudio Macedo da Silva, da 10ª Vara Criminal da Justiça Federal no DF, decidiu arquivar a representação da CPMI contra Cid, por não ver crime na conduta apontada.

    Na decisão, o magistrado disse que a sessão do colegiado que ouviu Cid foi um “teatro político” no qual “forças políticas antagônicas, ao invés de apurar as causas e origens dos lamentáveis fatos ocorridos no dia 8 de janeiro do corrente ano, buscavam, em verdade, prolongar a polarização política que permeou as eleições presidenciais de 2022, a qual – a polarização – fez tanto mal à sociedade brasileira”.

    O juiz ainda citou suposto abuso de autoridade pelos integrantes da CPMI.

    “Em vários momentos, houve, ao sentir deste Magistrado, um verdadeiro abuso de autoridade por parte de membros da aludida CPMI, os quais ameaçavam abertamente o Ten. Cel. Mauro César Barbosa Cid de que iriam intimar sua esposa para depor na CPMI, mantendo-se o representado em um equilíbrio admirável para quem está preso há tanto tempo e sob intensa pressão psicológica”.

    A decisão acolheu pedido do MPF. O órgão defendeu o arquivamento da representação, argumentando não ser possível enquadrar a conduta de Cid em “abuso do direito ao silêncio” já que as perguntas dirigidas ao militar tinham relação com fatos pelos quais ele é investigado.

    “Apesar de ter sido compromissado formalmente como testemunha pelo Presidente da ‘CPMI – 8 DE JANEIRO’, Deputado Federal ARTHUR MAIA, verifica-se que as perguntas que lhe foram dirigidas diziam respeito a fatos pelos quais ele já é investigado criminalmente, enquanto autor ou partícipe, sendo legítima sua recusa em se manifestar sobre eles”, afirmou o procurador Caio Vaez Dias.

    Veja também: Soraya Thronicke exibe ameaças a advogado de hacker e pede proteção

    Os advogados da CPMI acionaram a Justiça Federal do Distrito Federal em 11 de julho contra o silêncio de Cid no depoimento ao colegiado. O entendimento é de que o militar cometeu crime ao “calar a verdade como testemunha”.

    O tenente-coronel prestou depoimento no Congresso com um habeas corpus que lhe garantia ficar em silêncio em perguntas que poderiam produzir provas contra ele.

    O militar, no entanto, fez uso do direito ao silêncio em todos os questionamentos e não respondeu a nenhuma pergunta feita pelos parlamentares por mais de sete horas, se recusando, inclusive, a responder perguntas básicas, como informar a própria idade.

    Na representação criminal, a CPMI disse que “de acordo com o artigo 4º, II, da Lei 1.579/52, constitui crime fazer afirmação falsa, ou negar ou calar a verdade como testemunha, perito, tradutor ou intérprete, perante a Comissão Parlamentar de Inquérito”.

    Ao justificar por que Cid deixou de responder até mesmo qual era sua idade, pergunta feita pela deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), a defesa afirmou que não havia nenhuma relação com investigação e o objetivo seria hostilizá-lo.

    “Sobre idade, não tinha nenhum objetivo real com a investigação e serviria para causar uma situação vexatória”, ressaltou.

    Mauro Cid foi chamado a depor após a Polícia Federal encontrar em seu celular mensagens com teor golpista. O militar e o coronel do exército Jean Lawand Júnior falavam sobre uma possível decretação de intervenção militar contra a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).