Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Defesa de Bolsonaro recorre ao STF contra decisão que o deixou inelegível

    Recurso ainda precisa ser aceito pelo TSE, antes de ser remetido ao Supremo; ex-presidente está inelegível por oito anos

    Ex-presidente Jair Bolsonaro
    Ex-presidente Jair Bolsonaro 07/07/2022REUTERS/Adriano Machado

    Lucas Mendesda CNN

    em Brasília

    A defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) recorreu na sexta-feira (6) ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o deixou inelegível por oito anos.

    O chamado recurso extraordinário foi apresentado à própria Corte eleitoral, que precisa aceitar esse documento, verificando se há requisitos para sua tramitação, antes de remetê-lo ao Supremo.

    Caso o recurso seja rejeitado no próprio TSE, é possível entrar com outro recurso direto ao STF.

    Assim que o recurso extraordinário chegar ao STF, os três integrantes da Corte que participam do TSE (Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia e Nunes Marques), ficam excluídos da distribuição do recurso.

    Na semana passada, a Corte eleitoral rejeitou, por unanimidade, o recurso apresentado pelos advogados de Bolsonaro contra a decisão que o deixou inelegível.

    Só depois dessa decisão é que fica possível acionar o Supremo. Para isso, a defesa questiona eventuais ofensas à Constituição no julgamento.

    “O veredicto final da Justiça Eleitoral não merece subsistir face a graves violações ao Texto Constitucional, perpetradas de forma direta pelo Col. TSE”, disse a defesa, no recurso, assinado pelos advogados Tarcísio Vieira de Carvalho, Eduardo Augusto Vieira, Ademar Aparecido e Marina Almeida Morais.

    Em junho, a Corte eleitoral entendeu que Bolsonaro praticou abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação ao fazer uma reunião com embaixadores no Palácio da Alvorada e disseminar ataques às urnas eletrônicas e ao sistema eleitoral brasileiro.

    O placar do julgamento terminou em 5 votos a 2 pela condenação, o que deixa o ex-presidente impedido de disputar eleições por oito anos.

    Recurso

    No recurso ao STF, a defesa argumentou que houve violações à Constituição durante o processo e julgamento do caso pelo TSE.

    Um dos pontos questionados é a inclusão no escopo da análise da chamada “minuta do golpe”. O documento, encontrado em janeiro na casa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres, previa um decreto de Estado de Defesa na sede do TSE.

    A medida, que seria inconstitucional, teria o objetivo de alterar o resultado das eleições de 2022.

    Conforme a defesa, a inclusão do documento foi feita depois que a fase de levantamento de provas e de informações já havia se encerrado. Há também contestação sobre a relação entre a minuta e o objeto da ação.

    Outro ponto em que a defesa argumenta ter havido ofensa à Constituição é quanto ao fato de o TSE ter rejeitado o recurso contra a condenação sem a completa resolução dos supostos vícios apontados na decisão.

    Veja também – TSE vai julgar ação de Bolsonaro contra Lula no dia 17