Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PF adia depoimento do general Heleno sobre “Abin paralela”

    Ex-ministro de Bolsonaro era esperado para prestar esclarecimentos à PF na terça-feira (6); não há nova data até o momento

    Ex-ministro era esperado para depor na terça-feira (6)
    Ex-ministro era esperado para depor na terça-feira (6) 10/07/2019REUTERS/Adriano Machado

    Jussara SoaresLarissa Rodriguesda CNN Brasília

    A Polícia Federal (PF) adiou o depoimento do general Augusto Heleno sobre a “Abin Paralela”, que estava marcado para esta terça-feira (6). Ainda não há uma nova data para os esclarecimentos.

    O adiamento ocorreu a partir de um pedido da defesa do ex-ministro, que pediu para ter acessos ao autos que investiga um suposto esquema de monitoramento ilegal dentro da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

    Heleno era ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) na gestão Bolsonaro, na qual a Abin estava subordinada ao GSI. Na época, o órgão de inteligência era comandado pelo atual deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), que foi alvo de uma busca e apreensão na última quinta-feira (25).

    Em entrevista ao programa Roda Viva (TV Cultura), em março de 2020, o ex-ministro e advogado Gustavo Bebianno revelou que Augusto Heleno teria sido chamado para o esquema de espionagem, mas se mostrou preocupado com a ideia.

    Bebianno também disse ter aconselhado, junto ao general Carlos Alberto dos Santos Cruz, ex-ministro-chefe da Secretaria de Governo de Bolsonaro, que o presidente não aceitasse a sugestão de Carlos.

    “O general Heleno foi chamado, ficou preocupado com aquilo, mas o general Heleno não é de confrontos, e o assunto acabou ali, com o general Santos Cruz e comigo”, afirmou Bebianno. “É muito pior que o gabinete do ódio, aquilo também seria motivo para impeachment”, acrescentou.

    Entenda

    Chefe da Abin entre de julho de 2019 a março de 2022, Ramagem é alvo de investigação por suposto monitoramento ilegal de autoridades e adversários de Bolsonaro.

    Na segunda-feira (29), o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do ex-presidente, também foi alvo de busca e apreensão em sua casa em um condomínio na Barra da Tijuca e em seu gabinete.

    A PF também cumpriu mandado na casa da família Bolsonaro na Vila de Mambucaba em Angra dos Reis (RJ), onde o Carlos estava com o pai e os irmãos, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PL-RJ)

    Nesta nova etapa, a Polícia Federal busca avançar no núcleo político, identificando os principais destinatários e beneficiários das informações produzidas ilegalmente no âmbito da Abin, por meio de ações clandestinas.

    Segundo a PF, nessas ações eram utilizadas técnicas de investigação próprias das polícias judiciárias, sem, contudo, qualquer controle judicial ou do Ministério Público.

    Os investigados podem responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de invasão de dispositivo informático alheio, organização criminosa e interceptação de comunicações telefônicas, de informática ou telemática sem autorização judicial ou com objetivos não autorizados em lei.