Guedes: offshore foi declarada e não houve movimentação de recursos

Ministro nomeou críticas de "barulho" e disse que país precisa focar no "problema real" da inflação

Anna Russida CNN

em Brasília

Ouvir notícia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou a investidores estrangeiros que sua empresa offshore nas Ilhas Virgens Britânicas, paraíso fiscal caribenho, é legal e declarada. A fala dele foi em evento virtual promovido pelo Itaú BBA, nesta sexta-feira (8).

“É tudo legalizado e declarado. Não houve movimentação de recursos. Eu gastei muito dinheiro para vir aqui. Vendi ativos pelo valor de investimento.[…] Qualquer dinheiro que está lá, é gerenciado de forma independente. Minha ação não tem influência nenhuma. Eu sai da companhia dias antes de vir para o cargo de ministro”, esclareceu.

Durante sua exposição aos investidores, Guedes ainda indicou que, quando se tratando do Brasil, os mesmos foquem nos fatos econômicos do país, uma vez que a política é “barulho”. Ele também reforçou a recuperação do crescimento econômico, baseada em recordes mensais da arrecadação federal.

“Nosso problema real é a inflação, porque crescimento está vindo. O crescimento é, não vou dizer certo, mas pode ser 4,3% ou um pouco menos”, afirmou.

Gasto com social

O ministro expressou sua confiança na viabilização da expansão do Bolsa Família no Auxílio Brasil em 2022. Na visão dele, o novo programa social será ainda mais necessário uma vez que a pressão sobre os preços de alimentos e energia aumenta continuamente.

“Teremos aumento responsável do programa social e continuaremos respeitando regras fiscais”, disse. Para isso, no entanto, o governo precisa de uma solução para o pagamento da conta em precatórios.
“Antes do fim do ano, as quatro maiores despesas públicas incontroladas estarão sob controle:

“Previdência, juros, pessoal e sentenças judiciais [precatórios]. […] O Congresso não falhou conosco no primeiro ano com as reformas. Não falhou no segundo ano, no enfrentamento da pandemia. Eu acredito que não falhará este ano”, completou.

Mais Recentes da CNN