Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Moraes determina apreensão de celulares de empresários em decisão “profilática”

    De acordo com interlocutores, decisão tem como objetivo desarticular supostos grupos antidemocráticos antes do 7 de setembro e do primeiro turno das eleições

    Ministro Alexandre de Moraes durante sua posse como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)
    Ministro Alexandre de Moraes durante sua posse como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Antonio Augusto/Secom/TSE

    Basília Rodrigues

    A decisão que mirou empresários na manhã desta terça-feira (23) foi profilática, descreveram à CNN interlocutores do ministro do STF, Alexandre de Moraes. Na avaliação dessas fontes, a decisão combate a organização de atos antidemocráticos por meio de grupos virtuais, como o WhatsApp, pelos empresários, o que inclui o possível financiamento de ataques. Também serve como recado para outras pessoas e outros grupos.

    Nesta manhã, a Polícia Federal recolheu os aparelhos celulares dos empresários. O objetivo é ter a acesso a conteúdo das mensagens privadas e apurar se configuram ataques à ordem pública. A investigação é parte do inquérito das milícias digitais.

    A profilaxia, de acordo com a avaliação de interlocutores de Moares, estaria em desarticular os grupos, ao mirar empresários e suas conexões, antes do 7 de setembro e o primeiro turno das eleições, 2 de outubro.

    A ação ocorreu após o site Metrópoles divulgar prints de conversas em que os empresários manifestam apoio a um golpe, no caso de vitória de Lula à presidência da República.

    São alvos da ação da Polícia Federal os empresários Afrânio Barreira Filho, do grupo Coco Bambu; Ivan Wrobel, da construtora W3; José Isaac Peres, da Multiplan; José Koury, do Barra World Shopping; Luciano Hang, das lojas Havan; Luiz André Tissot, do grupo Sierra; Marco Aurélio Raymundo (Morongo); das lojas Mormaii e Meyer Joseph Nigri, da Tecnisa.

    Outro lado:

    Em nota, a defesa de Luiz André Tissot afirmou que o grupo Sierra e o empresário “não irão se manifestar sobre o tema”.

    Já a defesa de Ivan Wrobel, da construtora W3, disse que o empresário “tem um histórico de vida completamente ligado à liberdade”. “Colaboraremos com o que for preciso para demonstrar que as acusações contra ele não condizem com a realidade dos fatos”, acrescentou a defesa.

    A assessoria das lojas Havan confirmou a apreensão do celular de Luciano Hang. “Sigo tranquilo, pois estou ao lado da verdade e com a consciência limpa. […] Em minhas mensagens em um grupo fechado de WhatsApp está claro que eu nunca, em momento algum falei sobre golpe ou sobre STF”, afirmou Hang através de sua defesa.

    A defesa do empresário Afrânio Barreira Filho, confirmou a apreensão de dois celulares do dono do Coco Bambu pela Polícia Federal.

    Em posicionamento, Barreira Filho afirma que está “absolutamente tranquilo, pois minha única manifestação sobre o assunto foi um ‘emoji’ sinalizando a leitura da mensagem, sem estar endossando ou concordando com seu teor”. “Confio na justiça e vamos provar que sempre fui totalmente favorável à democracia”, acrescentou.

    “A operação de hoje é fruto de perseguição política e denúncias falsas, as quais não tem nenhum fundamento. Afrânio Barreira está absolutamente tranquilo e colaborando com a busca da verdade, a qual resultará rapidamente no arquivamento da investigação”, afirmou o advogado.

    A defesa de Marco Aurélio Raymundo, o Morongo, disse que ele “de fato foi contatado hoje pela Polícia Federal, ainda desconhece o inteiro teor do inquérito, mas se colocou e segue à disposição de todas autoridades para esclarecimentos”.

    Os advogados Alberto Zacharias Toron e Luiz Otávio Pacífico, que defendem Nigriinformaram, por meio de nota, que o empresário “mesmo sem ter tido acesso aos autos do inquérito, como era seu direito, concordou em ser ouvido nesta manhã para colaborar com as investigações”.

    Ainda de acordo com o comunicado, Nigri “respondeu a todas as perguntas formuladas pela autoridade e rechaçou qualquer envolvimento com associação criminosa ou práticas que visam à abdicação do Estado Democrático ou preconizam golpe de Estado. Ao contrário, reafirmou sua firme crença na democracia e seu respeito incondicional aos poderes constituídos da República”.

    A CNN tenta contato com a defesa dos outros empresários que são alvos da operação da PF.