Moraes não aceita recurso de Bolsonaro e mantém depoimento

Ministro do Supremo determinou que presidente prestasse depoimento à Polícia Federal nesta sexta-feira (28); Bolsonaro, no entanto, não compareceu

Gabriel Hirabahasida CNN

Ouvir notícia

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, não reconheceu, nesta sexta-feira (28), o agravo apresentado pela Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve o depoimento do presidente Jair Bolsonaro (PL) à Polícia Federal (PF).

Mais cedo, o advogado-geral da União, Bruno Bianco, entrou com um agravo regimental no STF e alegou o direito de ausência do presidente em um depoimento marcado para esta sexta na superintendência da PF em Brasília.

Na decisão, Moraes diz que a AGU protocolou a petição defendendo a ausência de Bolsonaro sabendo que não estava de acordo com os termos da lei.

“A Advocacia-Geral da União – AGU protocolou a petição nº 3671/2022, nesta data, às 13h:49 – 11 minutos antes do horário agendado para o interrogatório – e recebida no Gabinete às 14h:08, sabendo tratar-se de RECURSO MANIFESTAMENTE INTEMPESTIVO POR PRECLUSÃO TEMPORAL E LÓGICA”, diz trecho da decisão obtida pela CNN.

O depoimento desta sexta ocorreria por conta de uma decisão de Moraes, que é relator do inquérito que apura um suposto vazamento de documentos sigilosos. Bolsonaro era esperado na PF às 14h, mas não compareceu.

Na decisão, Moraes aponta que ainda, em dezembro, ao conceder mais 45 dias ao presidente para marcar o depoimento, ele havia dito expressamente que aceitaria depor.

“No ponto, convém rememorar – diferentemente do que, estranhamente alegado pela AGU no presente agravo – que, ao formular o pedido de dilação do prazo para a sua oitiva, o Presidente concordou expressamente com seu depoimento pessoal e restou acentuado que: “o Senhor Presidente da República, em homenagem aos princípios da cooperação e boa-fé processuais, atenderá ao contido no Ofício nº 536307/2021-SR/PF/DF.””

Aliados de Bolsonaro já haviam relatado à CNN que o presidente se recusava a ser ouvido pela delegada responsável pelo caso, Denisse Ribeiro – que, além de conduzir a apuração sobre o suposto vazamento de documentos sigilosos, também cuida do inquérito das fake news, das milícias digitais e da live em que o presidente atacou a segurança das urnas eletrônicas.

*Diferentemente do que foi informado nesta reportagem anteriormente, o presidente do Supremo, Luiz Fux, não decide se o caso vai a plenário em caso de novo recurso. Como o ministro Alexandre de Moraes não reconheceu o pedido de Bolsonaro, não há possibilidade de o presidente Luiz Fux levar a decisão ao plenário.

Mais Recentes da CNN