Pela 2ª vez, Câmara não consegue notificar Flordelis sobre processo de cassação

Deputada é suspeita de ter mandado matar o marido, o pastor Anderson do Carmo

Tainá Farfan, da CNN, em Brasília

Ouvir notícia

A Corregedoria da Câmara dos Deputados tentou pela segunda vez notificar a deputada Flordelis (PSD-RJ) sobre a abertura do processo de investigação para cassação do seu mandato, mas ela não foi encontrada. Apenas a deputada pode assinar o recebimento da notificação. A deputada é suspeita de mandar matar o marido, o pastor Anderson do Carmo. Ela foi indiciada pelo crime na semana passada. 

A tentativa foi feita por assessores da Corregedoria no apartamento funcional dela em Brasília, nesta quinta-feira (3). A primeira tentativa foi feita nesta quarta-feira (2), no gabinete da deputada, Câmara dos Deputados. 

Leia mais:
Polícia aponta contradições e ‘falso testemunho’ em depoimento de Flordelis
Corregedoria da Câmara não encontra Flordelis para notificação sobre processo

Flordelis na Câmara dos Deputados
Flordelis na Câmara dos Deputados
Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados (12.dez.2018)

De acordo com o corregedor da Câmara, deputado Paulo Bengtson (PTB-PA), a terceira e última tentativa será feita na próxima terça-feira (8). Se não for encontrada novamente, o processo será publicado no Diário Oficial e o prazo de cinco dias úteis para que Flordelis apresente sua defesa começa a ser contado. 

A Mesa Diretora da Câmara decidiu, em reunião na terça-feira (1), dar andamento à representação feita pelo deputado Leo Motta (PSL-MG) contra a deputada Flordelis. Nesse caso, o rito passa primeiro pela Corregedoria da Casa, depois pelo Conselho de Ética e, por fim, pelo plenário. 

“Montamos uma força tarefa na Corregedoria para analisar esse processo, que tem mais de 8 mil páginas a serem analisadas. Creio que no máximo em 15 dias após o recebimento da defesa, emitirei meu parecer” afirmou o corregedor. 

Depois de enviado o parecer da Corregedoria da Câmara para a Mesa Diretora, a Mesa decide se arquiva o caso ou se encaminha para o Conselho de Ética. Após apreciação do Conselho, segue para o plenário da Casa.

Motivada pelo caso Flordelis, a Mesa Diretora decidiu reativar o Conselho de Ética, que estava com as atividades suspensas por causa da pandemia de Covid-19. Para isso, a Mesa vai apresentar um projeto de resolução (PCR) no plenário para autorizar que as atividades sejam retomadas por meio do mesmo sistema de votações remotas utilizado para as sessões do plenário da Casa.

Mais Recentes da CNN