Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rosa Weber mantém quebra de sigilo de Filipe Martins pela CPI da Pandemia

    Senadores determinaram quebra de sigilo de assessor internacional da Presidência

    Leonardo Lellis, da CNN, em São Paulo

    Ouvir notícia

    A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, manteve a quebra de sigilo do assessor internacional da Presidência da República, Filipe Martins, pela Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia, do Senado Federal. A CPI quer saber qual foi a atuação do assessor na compra de imunizantes pelo governo federal.

    Ao Supremo, a defesa de Martins argumentou que o assessor não é investigado e não foi ouvido previamente como testemunha, que a medida é inadequada, por não ter relação com as investigações da CPI, e desproporcional por ferir seu direito à intimidade. Ainda, argumenta que a quebra de sigilo configura tentativa de devassa e que a medida não poderia ter sido determinada pela CPI.

    A ministra afirmou, em sua decisão, que a quebra de sigilo é uma prerrogativa constitucional de comissões parlamentares de inquérito, que o requerimento apresentou as justificativas necessárias e que a medida é proporcional para que sejam esclarecidos os fatos em investigação.

    “Os indícios apontados contra o impetrante – que teria concorrido diretamente para o atraso na aquisição de imunizantes pelo Estado brasileiro e, por via de consequência, influenciado no agravamento da situação pandêmica hoje vivenciada no país – sugerem a presença de causa provável, o que legitima a flexibilização do direito à intimidade do suspeito, com a execução das medidas invasivas ora contestadas. Não há, por óbvio, como saber, de antemão, se e quais indícios demonstrarão, ao fim das investigações, conexões efetivamente importantes e, por isso, todos devem ser objeto de análise”, escreveu a ministra.

    A ministra do STF Rosa Weber
    A ministra do STF Rosa Weber
    Foto: Nelson Jr. – 09.set.2020 / SCO – STF

     

    Mais Recentes da CNN