Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Saiba o que é o Siafi, sistema do governo que pode ter perdido mais de R$ 3,5 mi por invasões

    Sistema de informações sobre gastos públicos foi alvo de ataques de invasores investigados pela Polícia Federal (PF)

    Vista dos arcos do Palácio do Planalto, sede do poder Executivo, com detalhe da sombra de um homem em uma das pilastras
    Vista dos arcos do Palácio do Planalto, sede do poder Executivo, com detalhe da sombra de um homem em uma das pilastras Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 25.jun.2013

    Maria Clara Matos*da CNN

    São Paulo

    O Siafi, Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal, sofreu um ataque nos últimos dias – o governo federal estima que ele tenha causado desvios de R$ 3,5 milhões, além de 200 tentativas de pagamentos ilegais.

    A invasão foi noticiada pelo jornal Folha de S.Paulo e confirmada pela CNN na segunda-feira (22).

    O que é o Siafi

    O Siafi é um sistema de informações criado para que o governo consiga acompanhar os gastos públicos. Implantado em 1987, ele é o principal mecanismo para controlar e acompanhar a execução orçamentária, financeira e de patrimônio do governo federal.

    É onde estão registradas todas as saídas de dinheiro do governo, informando qual a aplicação e de qual servidor público veio.

    Ele também é utilizado para fornecer informações sobre autarquias, fundações e empresas públicas federais e das sociedades de economia mista que façam parte do Orçamento Fiscal e/ou no Orçamento da Seguridade Social da União.

    A gestão do Siafi é de responsabilidade do Tesouro Nacional, órgão que pertence ao Ministério da Fazenda.

    Com funciona

    Centralizado em Brasília, o Siafi é ligado aos órgãos do governo federal espalhados dentro e fora do Brasil pelo teleprocessamento.

    Dados são transmitidos a uma central onde são processados, permitindo que os computadores trabalhem a distância.

    O Siafi é dividido em subsistemas, que podem ser divididos em cinco grupos: Controle de Haveres e Obrigações, Administração do Sistema, Execução Orçamentária e Financeira, Organização de Tabelas e Recursos Complementares com Aplicação Específica.

    Além disso, a utilização do Siafi não se restringe ao governo federal. O sistema também pode ser usado pelo Legislativo e Judiciário.

    O que aconteceu

    O sistema foi invadido neste mês de abril. A Polícia Federal investiga a transferência ilegal de recursos da União, que até o momento o governo estima em R$ 3,5 milhões, além de 200 tentativas de pagamentos indevidos.

    Os invasores conseguiram entrar no sistema com dados de acesso de pessoas capazes de fazer operações financeiras dentro do sistema.

    Até o momento, pelo menos 16 senhas foram utilizadas de forma indevida.

    Há a possibilidade de que a entrada ilegal ao sistema tenha sido por meio do “phishing”, técnica utilizada para roubar informações por meio do envio de um link. O usuário clica sem saber que seus dados estão sendo roubados.

    Quem invadiu o Siafi?

    Segundo o ministro da Fazenda Fernando Haddad (PT), a rede não foi “hackeada”, mas acessada por dados de alguém já cadastrado no sistema.

    A investigação acontece sob sigilo, mas o ministro afirmou que um dos responsáveis pelo ataque já foi identificado.

    Quem foi alvo da invasão do Siafi?

    Além do governo federal, o Judiciário também sofreu com os ataques. Como apurou a analista da CNN Débora Bergamasco, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) foi um dos alvos.

    *Sob supervisão de Marcelo Freire