Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Saiba quem é Ricardo Abrão, suplente de Chiquinho Brazão na Câmara

    Abrão já assumiu o mandato de deputado federal por duas vezes na atual legislatura, nas ausências de Daniela Carneiro e do próprio Brazão

    Ricardo Abrão foi presidente da escola de samba Beija-Flor entre 2017 e 2021
    Ricardo Abrão foi presidente da escola de samba Beija-Flor entre 2017 e 2021 Bruno Spada/Câmara dos Deputados

    Douglas Portoda CNN

    São Paulo

    Ricardo Abrão (União-RJ) é o suplente do deputado federal Chiquinho Brazão (sem partido-RJ), que teve a prisão preventiva mantida nesta quarta-feira (10) após votação no plenário da Câmara.

    Brazão está preso desde 24 de março, acusado de ser mandante da execução da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, em 2018.

    Apesar da detenção, o parlamentar ainda mantém o mandato. Entretanto, há uma ação na Câmara que pede a sua cassação. A medida foi apresentada pelo PSOL, partido do qual Marielle fazia parte e foi aceita pelo Conselho de Ética.

    Se o processo avançar, é estipulado prazo de 90 dias úteis a partir da instauração do procedimento no Conselho de Ética até a etapa de votação no plenário.

    Quem é Ricardo Abrão

    Ricardo Abrão é filho de Farid Abraão David, que foi prefeito de Nilópolis (RJ) por três mandatos e presidente da escola de samba Beija-Flor, da mesma cidade. Farid morreu em 2020 em decorrência da Covid-19.

    Ele também é sobrinho de Anísio Abraão David, apontado como um dos chefes do jogo do bicho no Rio de Janeiro e presidente de honra da Beija-Flor.

    Substituindo seu pai, Ricardo ocupou o cargo de presidente da escola de samba nilopolitana entre 2017 e 2021.

    Na política, foi deputado estadual por dois mandatos na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

    Na atual legislatura na Câmara dos Deputados, assumiu o mandato entre fevereiro e julho de 2023, na ausência de Daniela Carneiro (Republicanos-RJ), que era ministra do Turismo e na época estava no União Brasil.

    Posteriormente, retornou para a Câmara em outubro, na ausência do próprio Brazão, enquanto ele estava como secretário especial de Ação Comunitária da cidade do Rio de Janeiro.

    Brazão foi exonerado do cargo em fevereiro deste ano e voltou para seu mandato de deputado. Com isso, Abrão assumiu a pasta de Ação Comunitária e ficou como secretário até março.