Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Vagabundo” e “picareta”: reunião do Cidadania é marcada por bate-boca e racha no partido

    Presidente da sigla, Roberto Freire acusa parte dos membros do partido de tentarem expulsá-lo e diz que tem "posição divergente de alguns que viraram lulo-petistas"

    Da CNN

    Uma reunião do partido Cidadania no sábado (19) foi marcada por momentos de bate-boca e discussão aos gritos entre membros da sigla, que é comandada por Roberto Freire há 31 anos.

    Ao fim da reunião, realizada de forma virtual, foi aprovada uma resolução de parte dos integrantes da sigla, para convocar o diretório nacional do Cidadania e reestruturar a executiva nacional do partido através de eleições. A proposta venceu por 13 votos a 11.

    Roberto Freire, presidente da sigla, chegou a dizer para Regis Cavalcante que ele pedisse sua destituição do cargo naquele momento e também mandou que ele calasse a boca e parasse de tentar conduzir a reunião.

    Freire defendeu que as eleições sobre para reestruturar a executiva nacional deveriam contar com todos os membros do partido e não apenas o diretório. Ele acusa parte dos integrantes da sigla de quererem derrubá-lo para apoiar o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

    “Para resolver [a crise] o partido tem que ser todo chamado, e não apenas uma facção que tomou conta do partido e que acha que manda no partido. Quer mandar até no que eu penso, porque a grande reclamação não é de que o partido não cumpre o que decide, é porque eu tenho uma posição divergente de alguns que viraram lulo-petistas e que são adesistas e que eu não posso continuar sendo um crítico do governo”, disse Freire em dado momento da reunião.

    O ex-deputado Daniel Coelho saiu em defesa do presidente Roberto Freire e começou a discutir com o também ex-deputado Regis Cavalcante. “Picareta e cínico”, disse Coelho. Ao que Cavalcante respondeu: “Picareta é você, seu cachorro”. E ambos passaram a trocar ofensas como “vagabundo” e “m**da”.

    “Vocês estão querendo dar um golpe em Roberto”, acusou Coelho.

    Em nota enviada pela assessoria de imprensa, o presidente do Cidadania disse que o “episódio totalmente estranho à história do partido, é a demonstração cabal de que a superação do impasse a que chegamos só se dará a partir de um Congresso Extraordinário, com a radicalização do processo democrático no Cidadania. Chamando todos os militantes a renovar o corpo dirigente e decidir os rumos do partido”.

    “A questão não é apoiar ou não o governo Lula, mas aderir de forma acrítica a valores que não são os nossos em nome de verbas e cargos. Nada disso condiz com nossa história como PCB, PPS e Cidadania. Nunca optamos pelo caminho mais fácil”, acrescentou Freire.

    Leia a nota assinada por Roberto Freire na íntegra:

    O lamentável embate interno que veio a público neste domingo (20), um episódio totalmente estranho à história do partido, é a demonstração cabal de que a superação do impasse a que chegamos só se dará a partir de um Congresso Extraordinário, com a radicalização do processo democrático no Cidadania. Chamando todos os militantes a renovar o corpo dirigente e decidir os rumos do partido. Em 2022, fui o nome de uma unidade agora impossível. Mas a ruptura fora apenas adiada numa tentativa de acomodação de nossas contradições internas. Era esperado que a impossibilidade de reeleição, fruto do estatuto que aprovamos no último Congresso, deflagrasse uma irremediável disputa interna. Mas a unidade não se dará com a imposição de uma maioria eventual, como se viu numa votação cujo resultado foi de 13 votos a 11. O prolongamento de tal impasse apenas aprofunda a nossa crise. Não tenho e nunca tive qualquer apego ao cargo – razão pela qual proponho o Congresso Extraordinário para mudar, democraticamente a partir da base, toda a direção. Tenho apego às nossas bandeiras e à existência do Cidadania como ator político influente no cenário nacional, apesar de nossa limitada dimensão. A questão não é apoiar ou não o governo Lula, mas aderir de forma acrítica a valores que não são os nossos em nome de verbas e cargos. Nada disso condiz com nossa história como PCB, PPS e Cidadania. Nunca optamos pelo caminho mais fácil. Faço um apelo aos colegas, muitos deles também dirigentes históricos, para que abram mão de suas posições, como eu estou abrindo, em nome de um sonho que teve início há 100 anos.

    Roberto Freire
    Presidente Nacional do Cidadania

     

    *Publicado por Fernanda Pinotti