Anvisa amplia lista de medicamentos com restrição à exportação

Agência incluiu azitromicina a lista que já contém hidroxicloroquina

André Spigariol Da CNN, em Brasília
13 de abril de 2020 às 18:21 | Atualizado 13 de abril de 2020 às 18:22
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) ampliou nesta segunda-feira, por tempo indeterminado, a lista de medicamentos que precisam de autorização do governo para exportação. Anvisa amplia lista de medicamentos com restrição à exportação uma resolução publicada em edição extra do Diário Oficial da União acrescentou outros 10 produtos à normativa que já havia restringido a venda da cloroquina e hidroxicloroquina ao exterior.

A partir de agora, a Anvisa também terá que autorizar a venda para o exterior do antibiótico azitromicina, que vem sendo utilizado em associação com a cloroquina no tratamento de pacientes graves da COVID-19. A ivermectina, substância que também vem sendo testada por pesquisadores como possível tratamento contra o novo coronavírus, também passa a ter suas exportações restritas pela Anvisa.

Além destes medicamentos, a agência decidiu se colocar na frente de vendas ao exterior de fentanil, midazolam, etossuximida, propofol, pancurônio, vancurônio, rocurônio e succinilcolina. Na França, o governo local autorizou o uso do propofol, anestésicos veterinário, em pacientes graves da COVID-19, devido à escassez de anestesias.