Correspondente Médico: Por que ainda não existe uma vacina contra o HIV?

Vírus ataca sistema de defesa do organismo

Da CNN
27 de agosto de 2020 às 12:18

O FDA (Food and Drugs Administration), equivalente à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nos Estados Unidos, aprovou neste mês testes em humanos para o que pode vir a ser uma possível cura do HIV. A empresa responsável é a American Gene Technologies (AGT), que conduzirá seu estudo de fase 1 em centros clínicos na área de Baltimore, DC. 

Por muitos anos, os pesquisadores trabalharam para criar uma vacina contra o HIV que desencadeasse a imunidade natural. Infelizmente, esse esforço ainda não foi bem-sucedido. A pesquisa desenvolvida pelos americanos pode mudar este status na busca pela cura da doença. 

Na edição desta quinta-feira (27) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou o que é a doença e porque é difícil encontrar a cura para o HIV, causador da Aids. "Este é um vírus extremamente desafiador e estamos falando de um tema que vem preocupando a humanidade há bastante tempo", iniciou. 

"Portanto, ele sendo um vírus que acaba atacando os mecanismos de defesa natural do organismo, é muito desafiador a criação de um tratamento definitivo. Assim como também é desafiador a criação de medicamentos que sejam necessários para o controle da carga viral e para o próprio sistema imunológico do paciente", acrescenta.

Veja também:

Pesquisa brasileira indica novo caminho na busca da cura da Aids

Remédio contra Aids pode ser mais promissor que cloroquina contra COVID-19

Correspondente Médico: Por que ainda não existe uma vacina contra o HIV?
Foto: Reprodução/CNN (27.ago.2020)

Ao entrar no corpo humano, o HIV ataca as células "T", relacionadas ao sistema de defesa, comprometendo a imunidade do indivíduo. De acordo com o médico, o que a pesquisa americana traz de novidade seria o tratamento em uma dose única do medicamento, unindo a questão genética e fortalecendo as células T.

O AGT103-T é o nome dado à terapia genética americana que pretende eliminar o HIV. A sua função seria reparar os danos ao sistema imunológico e auxiliando as respostas naturais do corpo para controlar o vírus. "A grande vantagem deste processo é que, o indivíduo que tem uma vida muito boa, não vai precisar tomar remédio para sempre. Sendo assim, não precisará de remédio para controlar a doença crônica", completou o médico.

"É um caminho delicado e difícil, dependendo da característica do vírus e o que ele acomete do corpo da pessoa, a criação de uma vacina pode demandar anos", finaliza.

(Edição: André Rigue)