Apenas três estados estão com taxa de ocupação de UTI abaixo de 80%

Amazonas, Rio de Janeiro e Roraima são os últimos três estados brasileiros a conseguirem gerenciar a rotatividade de pacientes em leitos de UTI

Julyanne Jucá e Weslley Galzo, da CNN, em São Paulo
14 de março de 2021 às 10:15 | Atualizado 14 de março de 2021 às 10:19

 A taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) já ultrapassa 80% em 23 estados brasileiros e no Distrito Federal (DF), ao mesmo tempo em que 12 unidades federativas lidam com o colapso nos sistemas de internação por atingirem mais de 90% de ocupação -- taxa que inviabiliza a rotatividade de leitos entre pacientes.

De acordo com o levantamento feito pela CNN junto às secretarias de Saúde, apenas Amazonas (79,7%), Roraima (72%) e Rio de Janeiro (76,5%) ainda conseguem operar com níveis sustentáveis de internados. Nos estados da região Norte a tendência é de queda e estagnação, na última atualização dos dados do Amazonas registravam 83,3% de ocupação e Roraima manteve o percentual, já o Rio de Janeiro tinha 75,5% até a última sexta-feira (12).

Os estados e municípios geram os dados a partir de critérios diferentes, como a situação da rede pública e privada, a ocupação de UTI adulta, pediátrica e de Covid-19, assim como a taxa total que reúne todas as informações.

O infectologista Jamal Suleiman, do Instituto Emílio Ribas, disse em entrevista à CNN que não há prognóstico de melhora da situação imediatamente. “Eu não consigo ver uma perspectiva a médio ou curto prazo em que a gente possa respirar de maneira mais tranquila. Eu gostaria de dizer exatamente o contrário, mas tudo leva a crer que a gente ainda vai patinar nisso”, afirmou. 

Nesse cenário, o Sul volta a registrar os piores índices de internação do país. Os três estados que compõem a região estão com taxas de ocupação acima dos 95%. O Rio Grande do Sul (99,7%), que já atingiu 119% de ocupação e conseguiu reverter a situação, além de se aproximar do colapso no Sistema Único de Saúde (SUS) convive com a crise na rede privada (110%). Paraná (97%) e Santa Catarina (98,9%) também avançam rapidamente rumo ao agravamento dos indicadores.

“Essa variante (de Manaus) tem uma capacidade muito mais intensa de transmissibilidade e, obviamente, o número de pessoas acometidas é escandalosamente alto e esta demanda vai para as estruturas hospitalares que não vão dar conta. Não adianta eu abrir dez leitos hoje porque amanhã eu precisarei de vinte. É uma roda viva que não se encerra”, disse Jamal.

A região Centro-Oeste conseguiu controlar a situação na última semana, mas, ainda assim com níveis muito altos de internação. O Mato Grosso do Sul (86%) é o estado que mais se destaca, pois partiu de 105% de ocupação dos leitos públicos de UTI adulto para 86%. Goiás (97,7%) conseguiu controlar os seus indicadores, mas o Mato Grosso (99,07%) e, especialmente, o Distrito Federal (99,66%) registram pioras acentuadas em um curto espaço de tempo.

No Norte do país a situação também é grave, Acre (94,3%), Tocantins (92%), Rondônia (100%), Amapá (86,9%) e Pará (82,1%) estão em crise, em especial por não registrarem tendência de queda, mas sim estagnação e agravamento em muitos estados já comprometidos. Por outro lado, Roraima e Amazonas conseguiram frear o contágio em seus territórios.

No Nordeste, o colapso atinge 3 estados: Pernambuco (95%), Ceará (91,3%), Rio Grande do Norte (93,3%) e Piauí (90,4%).  Os três últimos, com crise ainda mais aguda por contabilizarem os dados com a somatória da ocupação nas redes privada, pública e contratualizada. Os demais estados da região estão acima de 80%, mas sem grandes oscilações. São eles: Paraíba (85%), Maranhão (82%), Bahia (88%) e Sergipe (84,1%), Alagoas (81%). 

Por fim, a região Sudeste apresenta índices de piora gradual. Mesmo com o Rio de Janeiro abaixo da taxa de 80%, todos os quatro estados que compõem a região registraram piora ou estagnação dos indicadores desde a última atualização. São Paulo (87,6%) -- que vive situação mais grave -- estagnou, Minas Gerais (83,7%) piorou 2% em 24 horas, Espírito Santo (84,67%) também estagnou e o Rio de Janeiro (76,5%) piorou em 1% a taxa no último período.

“Nós temos chamado a atenção há alguns meses sobre a possibilidade concreta para evoluirmos para a situação que estamos vivenciando agora. Nesse momento de intensa crise, outra solução que não sejam estas medidas que estão sendo tomadas, de bloqueio das cidades e da circulação das pessoas, a gente não tem”, falou o infectologista do Instituo Emílio Ribas.

Veja os estados com ocupação em leitos de UTI acima de 80%, além do Distrito Federal:

  • Pará - UTI adulto SUS: 82,17%  
  • Amapá - UTI adulto (público) 86,96% 
  • Rondônia - UTI adulto (público): 100%
  • Tocantins – UTI SUS: 92%  
  • Acre - Leitos UTI SUS: 94,3%
  • Piauí - Ocupação leitos de UTI (rede pública + privada): 89% 
  • Ceará - UTI  (público + contratualizados + privados): 91,93% 
  • Alagoas - Ocupação UTI (leitos públicos + contratualizados): 81% 
  • Sergipe - Ocupação UTI adulto público: 84,1% 
  • Rio Grande do Norte - Ocupação leitos de UTI para Covid-19 (públicos + privados): 93,33%  
  • Paraíba - Leitos de UTI do estado: 85% 
  • Maranhão - Ocupação UTI exclusivo Covid SUS: 82% 
  • Pernambuco - Leitos de UTI público: 95%
  • Bahia - Ocupação UTI adulto: 88% 
  • Mato Grosso - Ocupação Leitos UTI SUS: 99,07%
  • Goiás - Ocupação UTI Covid SUS:  97,70%
  • Mato Grosso do Sul - Ocupação Leitos públicos UTI adulto: 86% 
  • Distrito Federal - Ocupação de leitos públicos UTI adulto: 99,47%
  • Espírito Santo - Ocupação leitos UTI Covid SUS: 84,67%  
  • Minas Gerais - Ocupação UTI Covid SUS: 83,77% 
  • São Paulo - Ocupação Leitos UTI: Estado: 87,6% 
  • Rio Grande do Sul  - Leitos UTI SUS: 99.7% 
  • Santa Catarina - Ocupação leitos UTI SUS: 98,9% 
  • Paraná - Ocupação leitos UTI rede pública: 97% 

Veja os estados com ocupação em leitos de UTI abaixo de 80%:

  • Rio de Janeiro - Ocupação UTI: 76.5% 

  • Amazonas - Ocupação leitos UTI Covid-19 público: 79,7%

  • Roraima - Ocupação UTI adulto público: 72%