Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Adolescentes usam redes sociais para se diagnosticarem com TDAH, autismo e outros distúrbios

    Segundo especialista, tendência de autodiagnóstico adolescente tem aumentado desde 2021; Pais alarmados tentam mediar tempo e conteúdo de acesso dos filhos nas redes sociais

    Jason Lancaster/CNN

    Samantha Murphy Kellyda CNN

    Algumas pessoas navegam no TikTok e no Instagram em busca de receitas, memes e notícias mais leves. Erin Coleman diz que sua filha de 14 anos usa esses aplicativos para pesquisar vídeos sobre diagnósticos de saúde mental.

    Com o tempo, a adolescente começou a se identificar com os criadores, segundo sua mãe, e se convenceu de que tinha os mesmos diagnósticos, incluindo transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), depressão, autismo, misofobia (medo extremo de sujeira e germes) e agorafobia (medo de sair de casa).

    “Toda semana, ela apresentava outro diagnóstico”, disse Coleman. “Se ela vê um indício de si mesma em alguém, ela pensa que também tem”.

    Depois de passar por testes de saúde mental e condições médicas, sua filha foi diagnosticada não com a longa lista de condições sobre as quais ela havia especulado, mas com ansiedade severa. “Mesmo agora, ela nem sempre acha que [os especialistas] estão corretos”, disse Coleman.

    As plataformas de mídia social, incluindo TikTok e Instagram, estão sob crescente escrutínio nos últimos anos por seu potencial de levar usuários mais jovens a conteúdo prejudicial e exacerbar o que os especialistas chamam de crise nacional de saúde mental entre os adolescentes.

    Mas Coleman é um entre quase duas dúzias de pais que disseram à CNN que estão lidando com um problema diferente, mas relacionado: adolescentes usando as redes sociais para diagnosticar a si mesmos com problemas de saúde mental.

    Um número crescente de adolescentes está recorrendo a plataformas sociais como Instagram e TikTok em busca de orientação, recursos e apoio para sua saúde mental e para encontrar condições que eles acham que correspondem às suas – uma tendência que alarmou pais, terapeutas e conselheiros escolares.

    Alguns adolescentes começam a seguir criadores de conteúdo que discutem suas próprias condições de saúde mental, sintomas e tratamentos; outros encontraram postagens com listas de verificação de sintomas para ajudar a decidir se atendem aos critérios para um diagnóstico.

    Usar a internet para autodiagnóstico não é novidade. E pode haver alguns benefícios. Alguns pais disseram que a mídia social ajudou seus adolescentes a obter as informações de saúde mental de que precisavam e os ajudou a se sentirem menos sozinhos.

    O TikTok nos ajudou a descobrir algumas coisas ou nos colocou em uma busca inútil? Eu ainda não sei.

    Julie Harper, mãe de adolescente

    No entanto, muitos pais e especialistas expressaram preocupação sobre como o autodiagnóstico e a rotulagem incorreta podem exacerbar os comportamentos dos adolescentes, fazer com que se sintam isolados e ser contraproducente em obter a ajuda de que precisam.

    Na pior das hipóteses, os adolescentes podem se direcionar para receber medicamentos para uma condição que não possuem. E quando os adolescentes pesquisam esse conteúdo de saúde mental, os algoritmos podem continuar exibindo vídeos e postagens semelhantes. E, como Coleman, alguns pais e terapeutas descobriram que, uma vez que os adolescentes decidem que têm uma condição, pode ser difícil convencê-los do contrário.

    Um problema crescente

    Dr. Larry D. Mitnaul, psiquiatra infantil e adolescente em Wichita, Kansas, fundador e CEO da empresa de coaching de bem-estar Be Well Academy, disse que viu um número alarmante de adolescentes se autodiagnosticando em postagens nas redes sociais.

    “Os adolescentes estão entrando em nosso escritório com opiniões já muito fortes sobre seu próprio diagnóstico”, disse ele. “Quando falamos sobre como eles chegaram a essa conclusão, muitas vezes é por causa do que eles estão vendo e pesquisando online e certamente por meio da mídia social”.

    O Dr. Larry Mitnaul, psiquiatra infantil e adolescente e fundador da empresa de coaching de bem-estar Be Well Academy, disse que viu um número alarmante de adolescentes se autodiagnosticando a partir de postagens nas redes sociais / Patricia Mitnaul

    De acordo com Mitnaul, os autodiagnósticos mais populares que ele encontra entre os adolescentes são TDAH, transtorno do espectro autista e transtorno dissociativo de identidade, ou transtorno de personalidade múltipla. Ele disse que os adolescentes costumavam ir à sua clínica para discutir os sintomas, mas não tinham um diagnóstico ou rótulo específico em mente. Ele começou a notar uma mudança significativa em 2021.

    “Quando estou sentado com um adolescente, é um momento ou janela de sua vida em que ele está experimentando muitas emoções diferentes de alta intensidade, e isso pode ser chocante, enervante e afetar seu senso de identidade”, disse ele. “Mas isso não significa necessariamente que eles tenham um distúrbio de humor raro que tenha consequências, tratamento e intervenção bastante intensos”.

    Desenvolver um senso impreciso de quem eles são a partir de um diagnóstico não profissional pode ser prejudicial. “A rotulagem incorreta geralmente torna o mundo de um adolescente menor quando eles saem e procuram grupos de amigos ou a maneira como se identificam”, disse ele.

    Também pode colocar os pais em uma posição impossível, e encontrar ajuda nem sempre é fácil. Julie Harper disse que sua filha era extrovertida e amigável, mas isso mudou durante o lockdown da Covid-19 em 2020, quando ela tinha 16 anos. Sua filha foi diagnosticada com depressão e depois melhorou com a medicação, mas seu mau humor aumentou e novos sintomas surgiram depois que ela começou a passar mais horas no TikTok, de acordo com Harper.

    “Minha filha adolescente está obcecada em obter um diagnóstico de autismo”, disse ela. Mas eles não conseguiram fazer testes formais devido às longas listas de espera em Kentucky. “O TikTok nos ajudou a descobrir algumas coisas ou nos mandou em uma busca inútil? Ainda não sei”.

    O apelo dos diagnósticos de saúde mental online

    Alguns especialistas acreditam que os adolescentes podem se identificar demais com um rótulo ou diagnóstico específico, mesmo que não seja uma representação totalmente precisa de suas lutas, porque um diagnóstico pode ser usado como escudo ou justificativa de comportamento em situações sociais.

    “Com a crescente pressão que os jovens enfrentam para serem socialmente competitivos, os adolescentes com inseguranças mais significativas podem sentir que nunca estarão à altura”, disse Alexandra Hamlet, psicóloga clínica na cidade de Nova York que trabalha com adolescentes. “Um adolescente pode confiar em um diagnóstico para diminuir as expectativas dos outros sobre suas habilidades”.

    Os usuários de mídia social que postam sobre transtornos psiquiátricos também costumam ser vistos como confiáveis pelos adolescentes, seja porque eles também sofrem do transtorno discutido no vídeo ou porque se identificam como especialistas no assunto, dizem os especialistas.

    Adolescente estuda com notebook
    Número de adolescentes fazendo autodiagnóstico a partir de postagens que veem na internet tem alarmado pais e especialistas / Foto: Annie Sprat via Unsplash

    De acordo com Hamlet, as empresas de mídia social devem ajustar os algoritmos para detectar melhor quando os usuários estão consumindo muito conteúdo sobre um tópico específico. Um aviso de isenção de responsabilidade ou pop-up também pode lembrar os usuários de fazer uma pausa e refletir sobre seus hábitos de consumo, disse ela.

    Em nota, Liza Crenshaw, porta-voz da Meta, controladora do Instagram, disse que a empresa “não possui proteções específicas fora de nossos Padrões da Comunidade que obviamente proibiriam qualquer coisa que promova, encoraje ou glorifique coisas como distúrbios alimentares ou automutilação”.

    “Mas acho que o que vemos com mais frequência no Instagram são pessoas se reunindo para encontrar comunidade e apoio”, disse Crenshaw.

    A Meta criou uma série de programas, incluindo o Well-being Creator Collective, para ajudar a educar os criadores de bem-estar e saúde mental sobre como criar conteúdo positivo que visa inspirar os adolescentes e apoiar seu bem-estar.

    O Instagram também introduziu um punhado de ferramentas para reduzir a rolagem obsessiva, limitar a navegação noturna e direcionar ativamente os adolescentes para diferentes tópicos, se eles estiverem se debruçando sobre qualquer tipo de conteúdo por muito tempo.

    O TikTok disse à CNN que tomou medidas para permitir que os usuários definam intervalos de tempo de tela regulares e adicionem salvaguardas que atribuem uma “pontuação de maturidade” a vídeos detectados como potencialmente contendo temas adultos ou complexos.

    A plataforma também possui um recurso de controle que permite que os pais filtrem vídeos com palavras ou hashtags para ajudar a reduzir a probabilidade de o adolescente ver conteúdo que talvez não queira que ele veja.

    Ainda assim, a tendência do autodiagnóstico online chega em um momento perigoso para os adolescentes americanos, tanto online quanto offline. Em maio, o Cirurgião Geral dos EUA emitiu uma nota informando que o uso de mídia social apresenta “um profundo risco de danos” para crianças e pediu mais pesquisas sobre seu impacto na saúde mental dos jovens, bem como ações de formuladores de políticas e empresas de tecnologia.

    Criança no computador
    Pais podem colocar filtros para consteúdos pesquisados por filhos nas redes sociais / Getty Images

    Linden Taber, conselheira escolar em Chattanooga, Tennessee, disse que os alunos ainda estão sofrendo com os efeitos de uma pandemia global, e muitos terapeutas e psiquiatras têm listas de espera de meses – sem mencionar a inacessibilidade financeira de alguns desses serviços.

    “Vi um aumento no vocabulário psicológico entre os adolescentes… e acredito que este é um passo na direção certa porque, como sociedade, diminuímos a estigmatização”, disse ela. “Mas não aumentamos o acesso ao suporte. Isso nos deixa, especialmente os adolescentes, em um vácuo”.

    Ela argumenta que, quando um estudante faz um autodiagnóstico com base nas informações que viu na internet, muitas vezes pode parecer “como uma sentença… porque nem sempre há um profissional de saúde mental para orientá-los na complexidade do diagnóstico, dissipar mitos e equívocos ou oferecer esperança”.

    Conscientização sobre saúde mental

    Para alguns, no entanto, a mídia social teve um impacto positivo ao conectar as pessoas com informações sobre saúde mental ou ajudá-las a se sentirem menos sozinhas.

    Julie Fulcher, de Raleigh, Carolina do Norte, disse que começou a seguir os influenciadores do TDAH que foram capazes de explicar melhor comportamentos, impulsividades e como a condição está relacionada ao funcionamento executivo, para que ela possa ajudar sua filha a lidar com seu diagnóstico.

    Enquanto isso, Mary Spadaro Daikos, do interior do estado de Nova York, sente-se confusa sobre sua filha usar a mídia social por motivos relacionados ao seu diagnóstico de autismo. “Ela está fazendo muita autodescoberta agora em muitas áreas, e a mídia social é uma grande parte disso”, disse ela. “Eu sei que a mídia social tem uma má reputação, mas no caso dela, às vezes é difícil dizer se os prós superam os contras”.

    Muitos adultos parecem dar crédito à mídia social por ajudá-los a identificar lutas de saúde mental ao longo da vida. Amanda Clendenen, uma fotógrafa profissional de 35 anos de Austin, disse que procurou a orientação de um profissional depois de ver vídeos aparecerem em seu TikTok “For You Page” sobre o TDAH.

    Diferente dos adolescentes, adultos têm consciência do que leem online e buscam diagnóstico apropriado com especialistas em saúde mental / Unsplash/ John Schnobrich

    “De repente, tudo fez sentido [com] as coisas que eu pensava serem apenas peculiaridades estranhas sobre mim”, disse ela. “Eu levei tudo com um pouco de ceticismo, porque não sou um profissional e nem a maioria das pessoas no TikTok, mas também não queria descartar isso”.

    Desde então, ela foi formalmente diagnosticada com TDAH. Além da terapia, ela continua usando o TikTok como recurso e comunidade. “É bom encontrar outras pessoas que estão passando pela mesma coisa”.

    Laura Young, uma mãe de 43 anos que também foi recentemente diagnosticada com autismo, concorda, observando que encontrou um sistema de apoio nas mídias sociais. “TikTok e Instagram têm sido realmente o único lugar onde posso ouvir pessoas autistas reais de todo o mundo e ouvir suas experiências não filtradas diretamente”, disse Young.

    Mitnaul, da Be Well Academy, disse que os adultos, em contraste com os adolescentes, são capazes de ver postagens de mídia social sobre saúde mental de forma mais objetiva e criar curiosidade sobre algo com o qual lutaram como uma forma de cuidar melhor de si mesmos.

    “Os adolescentes são mais propensos a receber as informações e usá-las como um diagnóstico antes de consultar um profissional ou um adulto que possa ajudar a interpretar o que estão vendo”, disse ele.

    Coleman, cuja filha ficou obcecada em se diagnosticar online, disse que sua filha adolescente melhorou graças, em parte, ao cumprimento das limitações da mídia social, como restrições de tempo para o Instagram e controle dos pais. Coleman também baixou aplicativos para ajudar a monitorar as contas de sua filha.

    “Embora ela esteja muito melhor, ela ainda está muito empenhada em ler os diagnósticos. Ela gosta muito de escrever e todos os seus personagens têm um diagnóstico”, disse Coleman. “Esta é uma idade tão vulnerável e impressionável”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original