Cinco dicas para cumprir promessas e ter uma saúde melhor em 2022

Elaborar um plano de ação pode facilitar que as metas estabelecidas saiam do papel

Atividade física regular ajuda a reduzir os sintomas de depressão e ansiedade
Atividade física regular ajuda a reduzir os sintomas de depressão e ansiedade Prefeitura de Jundiaí

Lucas Rochada CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Cuidar mais da saúde é uma das principais promessas com a chegada de um novo ano. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda pelo menos 150 a 300 minutos de atividade aeróbica por semana para adultos, e uma média de 60 minutos por dia para crianças e adolescentes.

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), a atividade física regular ajuda a reduzir os sintomas de depressão e ansiedade, diminuir o declínio cognitivo e pode trazer melhorias para a memória e a saúde do cérebro.

Elaborar um plano de ação pode facilitar que as metas estabelecidas saiam do papel. Confira cinco passos para cumprir as promessas e ter um 2022 mais saudável.

1. Entenda as suas motivações

Antes de definir as metas para uma saúde melhor, tenha em mente os motivos pelos quais você quer chegar até lá e o porquê você começou.

De acordo com o psicólogo Renato Caminha, esse passo ajudará a enfrentar as dificuldades que possam surgir pelo caminho. Dessa forma, ficará mais fácil entender o que e quem pode te ajudar a conquistar seus objetivos.

“Existem aspectos positivos e negativos na elaboração de metas. Na vida, é bastante saudável que tenhamos projetos pois eles são motivadores. Mas eles dependem de uma série de fatores que acontecem na vida da gente, nós não controlamos os fatos e as pessoas acabam se frustrando”, diz o psicólogo.

2. Faça planos que possam ser executados

Assim como não dá para começar a construir uma casa pelo telhado, os objetivos de vida precisam partir de pontos executáveis. Para especialistas em saúde mental, o estabelecimento de metas mais palpáveis de serem concretizadas ajuda na busca pela mudança de hábito e pode contribuir para evitar frustrações.

“Às vezes, as pessoas têm metas extremamente elevadas e inatingíveis. Trabalhar isso envolve um processo que chamamos de autocompaixão, de entender do que se é capaz e aceitar os próprios limites”, afirma o psicólogo Renato Caminha.

A psicóloga Mayara Vieira recomenda que durante o estabelecimento das metas para o novo ano sejam criadas pequenas tarefas a serem cumpridas dentro do contexto de um objetivo maior.

“Antes de emagrecer vinte quilos, é preciso perder quinhentos gramas. Dividir os planos em pequenas metas te ajuda a observar seu progresso e se manter firme na jornada, além de construir, pouco a pouco, um hábito que há muito era desejado”, afirma Mayara.

Estabelecer um hábito é o primeiro passo para a incorporação de atividades físicas e de dietas na rotina, dizem especialistas / Getty Images

3. Comece devagar

Para o professor e preparador físico Marcio Atalla, um erro comum que as pessoas cometem ao tentar melhorar a saúde e qualidade de vida é partir de treinamentos pesados ou dietas restritivas. Segundo ele, a carga de atividade intensa pode levar ao cansaço excessivo e desmotivar a continuidade dos exercícios.

“O excesso de atividade física pode levar à dores musculares e nas articulações. Isso faz com que a pessoa não tenha uma regularidade e, com o tempo, volte para o padrão antigo. O risco mais grave é de ter uma lesão mais séria por que a pessoa está fora do condicionamento físico ou tem um excesso de peso”, afirma.

O desconforto e a sensação de fome são os principais fatores associados à dificuldade de adesão às dietas muito restritivas.

“Você pode diminuir 5% do volume do prato, isso é possível de ser repetido, com o tempo o corpo já se acostumou com isso. Comer um pouco mais de fibra, por exemplo, todo café da manhã vai ter uma fruta. Comece mais preocupado em criar um novo hábito, é um processo”, diz Atalla.

4. Crie hábitos

Marcio Atalla explica que o primeiro passo para a mudança de hábitos alimentares e de atividade física é a criação de hábitos. Ele recomenda que o momento para o exercício seja acrescentado à lista de tarefas do dia por escrito ou na agenda no formato digital.

“A criação do hábito passa pela repetição da tarefa. Minha dica é: não importa se nesse começo a sua mudança na alimentação ou na atividade física vai ser ótima, o importante é que se faça uma mudança possível de ser repetida nos próximos 90 dias pelo menos 70 vezes, ou seja, cinco vezes por semana”, destaca.

Segundo o preparador físico, a incorporação de atividades mais próximas do cotidiano pode ser um bom começo para a criação do hábito do movimento, como a realização de caminhadas diárias de 15 minutos ou subir dez andares de escadas.

“A pessoa que decidiu andar 10 minutos por dia, depois de duas semanas fazendo isso, além de estar cansando menos, nesses minutos, ela vai percorrer uma distância maior por que o corpo se adapta e se condiciona. Naturalmente, ela já vai estar fazendo mais do que no começo e vai aumentar esse tempo de exercício”, diz.

5. Respeite os limites do próprio corpo

Cansaço extremo, dores no corpo, dificuldades para dormir e queda na imunidade são alguns sinais que o corpo apresenta de que as atividades físicas podem estar acima do limite. “Respeitar os limites do próprio organismo é essencial para obter bons resultados no condicionamento físico. A velha e boa progressão, ir do simples ao complexo aos poucos, é o melhor caminho”, diz Atalla.

O psicólogo Renato Caminha alerta que parte da busca por atividades físicas e dietas nutricionais está associada à busca por padrões de beleza. Segundo ele, ter como motivação exclusiva atender a esse modelo de corpo interpretado socialmente como o ideal pode ser nocivo para a saúde mental.

“A sociedade está sempre nos ditando regras de como estar, o que fazer ou modelos de corpo e de condutas. Ainda estamos engatinhando para revisar essas crenças sociais que incluem padrões de beleza. Muitas vezes, estamos nos colocando na posição de atender esses padrões sociais como ser fitness, ser bem sucedido ou viajar mais”, diz.

Mais Recentes da CNN