Contra coronavírus, aeroporto de Brasília terá sensor de temperatura do corpo

Outra medida é abrir 70 vagas de UTIs para pacientes e fazer contratação sem concurso público.

Viajante veste máscara protetora no Aeroporto Internacional de Brasília, após ser reportado caso de coronavírus na capital federal
Viajante veste máscara protetora no Aeroporto Internacional de Brasília, após ser reportado caso de coronavírus na capital federal Foto: Adriano Machado-11.03.2020/Reuters

Basília Rodrigues

Da CNN Brasil, em Brasília

Ouvir notícia

Sede de um dos casos mais graves de coronavírus no país, Brasília agora terá um sensor infravermelho no aeroporto para verificar a temperatura das pessoas nas filas e dentro dos aviões. O mesmo equipamento será utilizado na rodoviária interestadual.

O governador Ibaneis Rocha assinou decreto com uma série de medidas, a que a CNN Brasil teve acesso. De acordo com Ibaneis, o sistema “entra em operação desta sexta para sábado. São equipamentos ultra modernos comprados na Copa do Mundo que detectam a presença do vírus dentro dos aviões”. O dispositivo foi utilizado pelo Corpo de Bombeiros durante a Copa e estava guardado.

O pacote de medidas de prevenção ao coronavírus libera o governo de fazer processo seletivo para contratar quem vai atuar no combate à nova doença e também à dengue. Não será preciso fazer licitação para aquisição de bens, serviços e insumos de saúde.

Outra medida emergencial é abrir 70 leitos na UTI, na rede pública e privada, reservadamente para pacientes. Apesar de previsto na Constituição de forma ampla, o decreto estabelece também que toda pessoa doente ou com sintomas tem o “direito de receber tratamento gratuito”. O decreto cria ainda oito equipes com médico, enfermeiro e técnico para coleta de material residencial.

Há quatro dias, uma mulher de 52 anos que esteve na Suíça e Inglaterra está internada em um hospital público de Brasília. O quadro se agravou após complicações da internação. O marido dela também foi diagnosticado com a doença.

 

Mais Recentes da CNN