Coronavac: Representantes de Anvisa e Butantan se reúnem para discutir suspensão

Evento adverso que interrompeu os testes da vacina chinesa foi a morte de um voluntário; Dimas Covas disse que caso não tem relação com o imunizante

Basília Rodriguesda CNN

Ouvir notícia

 

Representantes da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Instituto Butantan vão se reunir às 9h desta terça-feira (10) para falar da suspensão dos testes da Coronavac.

“Basta a gente ter as informações e avaliar os dados pra determinar a relação de causalidade e, se o risco/benefício se mantiver favorável, autorizaremos a retomada”, afirmou uma fonte da Anvisa à coluna.

Leia também:
Butantan diz que foi ‘surpreendido’ com interrupção de testes da Coronavac
Governo de SP diz que primeiras doses da Coronavac chegam no dia 20 de novembro
Após paralisação no Brasil, Sinovac se diz ‘confiante’ sobre segurança de vacina

CoronaVac será testada no Brasil a partir de 20/7 em seis estados
A Coronavac, vacina produzida por laboratório chinês e com parceria do Instituto Butantan
Foto: Reprodução/ GovernoSP

O evento adverso grave ao qual a Anvisa se referiu em nota para justificar a suspensão dos testes da vacina Coronavac foi a morte de um voluntário.

Em entrevista à TV Cultura, o diretor do Butantan, Dimas Covas, disse que houve uma morte entre os voluntários da pesquisa, mas, segundo ele, o caso não tem relação com a os testes da vacina. Ele pediu esclarecimentos à Anvisa sobre a ordem de interrupção.

Fontes da Anvisa informaram à CNN que ainda não há como saber se existe relação direta com o uso da vacina ou do placebo. Mas que após a ocorrência do óbito, os testes foram suspensos.

A divulgação incompleta, e cheia de ilações, fez com que o governo de São Paulo exigisse explicações detalhadas. O estado havia anunciado horas antes que a vacina Coronavac chegaria pronta no dia 20 de novembro.

Mais Recentes da CNN