Correspondente Médico: Entenda como mudanças no local de trabalho afetam o sono

No quadro Correspondente Médico, Fernando Gomes deu dicas de como ter uma boa noite de sono organizando o ambiente de trabalho

Da CNN*

Em São Paulo

Na edição desta terça-feira (26) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes aborda o tema do sono, que tem sido uma preocupação de especialistas em tempos de pandemia.

Segundo o Instituto do Sono, mais de 55% da população brasileira teve uma piora no padrão de sono desde que a Covid-19 virou parte da nossa rotina. Quem migrou para o modelo de trabalho híbrido, que alterna os dias de atividades presenciais com home office, também teve a qualidade do sono piorada.

Por isso, o médico deu algumas dicas para as pessoas que trabalham um pouco em casa e um pouco presencialmente, para evitar problemas na hora de dormir.

Criar rotina

“Quando estabelecemos rotinas, favorecemos o próprio relógio biológico para que ele entre em sintonia com o nosso dia a dia, e isso facilita que a gente tenha um período de sono produtivo e reparador”, explica Fernando Gomes.

Limitar checagem de mensagens e e-mails

Essa é uma das mais difíceis, mas, segundo Gomes, evitar olhar o celular perto da hora de dormir ajuda a descansar e preparar a mente para uma noite tranquila de sono.

Definir lugar de trabalho

“Mesmo que se more numa casa pequena, é importante definir um local de trabalho”, recomenda o médico. Ele alerta que se dê preferência para locais bem iluminados e onde seja possível ficar sentado de forma adequada, de frente para o computador, nas posições corretas para não prejudicar a coluna e a lombar.

Fazer pausas

“A cada hora trabalhada, é importante parar alguns minutos. Isso faz com que a sua circulação sanguínea favoreça o aparelho cardiovascular, reduzindo estresse e melhorando sua performance”, aconselha Fernando Gomes.

Manter hidratação

“A gente esquece de tomar água, mas a hidratação é essencial para mantermos o aparelho cardiovascular funcionando bem e ter o sangue chegando de forma oxigenada dentro do cérebro e demais tecidos. Se esquecemos da hidratação, o rim padece e a nossa própria atividade pode ficar comprometida” diz.

Evitar excesso de café

Para os amantes de café, essa dica também é mais difícil, mas o médico recomenda atenção a esse ponto. “Cinco xícaras pequenas por dia, sendo a última por volta das 17h/18h, é o ideal”, afirma Gomes. “Não beber café mais tarde que isso, pois você continuará estimulado e pode atrapalhar o período de repouso.”

(*Com informações de Raphael Florêncio, da CNN, em São Paulo)