Em reunião com a Pfizer, Anvisa solicita novos dados sobre dose de reforço

No encontro realizado nesta quinta-feira (19), especialistas da Anvisa e da farmacêutica Pfizer discutiram dados científicos sobre necessidade de uma 3ª dose

Vacina da Pfizer é preparada para uso por profissional da Saúde no Distrito Federal
Vacina da Pfizer é preparada para uso por profissional da Saúde no Distrito Federal Foto: Tony Winston - 10.mai.2021/Ministério da Saúde

Lucas Rocha, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realizou, nesta quinta-feira (19), uma reunião com a farmacêutica Pfizer para discutir os dados científicos disponíveis até o momento sobre a necessidade de uma dose de reforço da vacina da Pfizer, especialmente para pacientes transplantados e imunossuprimidos.

A decisão sobre a recomendação da terceira dose ainda está em análise. Segundo a Anvisa, o objetivo é acompanhar todas as evidências científicas disponíveis das pesquisas diretas conduzidas pela Pfizer e de outras publicações que possam contribuir para a avaliação sobre necessidade de dose de reforço.

A reunião por videoconferência de especialistas da agência, solicitada pela farmacêutica Pfizer, contou com a presença do gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos, Gustavo Mendes. Na quarta-feira (18), a Anvisa recomendou uma dose de reforço da Coronavac para pacientes imunossuprimidos e idosos, especialmente, acima de 80 anos.

Para decidir sobre a recomendação, a Anvisa também avalia resultados de um estudo conduzido pelo Centro Médico Sourasky de Telaviv, em Israel, e divulgado neste mês que mostrou que pessoas imunodeprimidas com menos de 65 anos de idade e que receberam uma terceira dose da vacina da Pfizer desenvolveram 43% mais anticorpos que depois da segunda aplicação.

O estudo contou com a participação de 240 pacientes imunocomprometidos. Segundo a pesquisa, 25% dos pacientes transplantados tiveram uma resposta de anticorpos à vacina após a primeira e a segunda doses. Depois da terceira dose, a resposta foi de cerca de 50%.

Segundo a Anvisa, até o momento não há solicitação formal da Pfizer sobre a inclusão de doses de reforço na bula da vacina. No encontro, ficou decidido que a agência e a farmacêutica devem acompanhar de forma conjunta os dados levantados sobre uma possível dose de reforço.

No dia 12 de agosto, agência reguladora dos Estados Unidos, Food and Drug Administration (FDA), autorizou a aplicação da terceira dose em transplantados e imunossuprimidos.

Mais Recentes da CNN