Estresse social envelhece o sistema imunológico de maneira precoce, diz estudo

Envelhecimento imunológico, fenômeno conhecido como imunossenescência, pode levar ao câncer, doenças cardíacas e outras condições de saúde

Getty Images/Westend61

Sandee LaMotteda CNN

Ouvir notícia

Estresse social, como discriminação e problemas familiares, juntamente com problemas de trabalho e financeiros, podem contribuir para o envelhecimento prematuro do sistema imunológico, segundo um estudo recente. O que representa um golpe duplo, pois o sistema imunológico já se deteriora com a idade.

O envelhecimento imunológico, fenômeno conhecido como imunossenescência, pode levar ao câncer, doenças cardíacas e outras condições de saúde relacionadas à idade, além de reduzir a eficácia das vacinas, como a Covid-19, disse o principal autor Eric Klopack, pós-doutorando na Escola de Gerontologia Leonard Davis da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos.

“Pessoas com pontuações mais altas de estresse apresentavam perfis imunológicos aparentemente mais velhos, com porcentagens mais baixas de combatentes de doenças recentes e porcentagens mais altas de células T desgastadas”, disse Klopack.

As células T são alguns dos defensores mais importantes do corpo, desempenhando várias funções-chave. As células T “assassinas” podem eliminar diretamente células infectadas por vírus e cancerosas e ajudar a eliminar as chamadas “células zumbis”, células senescentes que não se dividem mais, mas se recusam a morrer.

As células senescentes são um problema porque liberam uma variedade de proteínas que afetam os tecidos ao seu redor. Tais células demonstraram contribuir para a inflamação crônica. À medida que mais e mais delas se acumulam no corpo, elas promovem condições de envelhecimento, como osteoporose, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e Alzheimer.

Além de descobrir que as pessoas que relataram níveis mais altos de estresse tinham mais células zumbis, Klopack e sua equipe descobriram que também tinham menos células T “ingênuas”, que são as células jovens necessárias para enfrentar novos invasores.

“Este artigo contribui para as descobertas de que o estresse psicológico, por um lado, e o bem-estar e os recursos, por outro, estão associados ao envelhecimento imunológico”, disse a psicóloga clínica Suzanne Segerstrom, que não esteve envolvida no estudo.

Suzanne, professora de psicologia do desenvolvimento, social e da saúde da Universidade de Kentucky em Lexington, estudou a conexão entre autorregulação, estresse e função imunológica.

“Em um de nossos estudos mais recentes… pessoas mais velhas com mais recursos psicológicos tinham células T ‘mais jovens'”, disse Suzanne.

Comportamentos de saúde ruins

O estudo de Klopack, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), analisou biomarcadores sanguíneos de 5.744 adultos com mais de 50 anos coletados como parte do Estudo de Saúde e Aposentadoria, um estudo nacional de longo prazo sobre estresse econômico, de saúde, conjugal e familiar em americanos mais velhos.

As pessoas no estudo foram questionadas sobre seus níveis de estresse social, que incluíam “eventos estressantes da vida, estresse crônico, discriminação cotidiana e ao longo da vida”, disse Klopack. Suas respostas foram então comparadas com os níveis de células T encontrados em exames de sangue.

“É a primeira vez que informações detalhadas sobre células imunes foram coletadas em uma grande pesquisa nacional”, disse Klopack. “Identificamos que adultos mais velhos com baixas proporções de células ingênuas e altas proporções de células T mais velhas têm um sistema imunológico mais envelhecido”.

O estudo apontou que a associação entre eventos estressantes da vida e menos células T ingênuas permaneceu forte mesmo após comparativos de educação, tabagismo, bebida, peso e raça ou etnia, disse Klopack.

No entanto, quando a má alimentação e a falta de exercício foram levadas em consideração, parte da conexão entre os níveis de estresse social e o envelhecimento do sistema imunológico desapareceu.

Essa descoberta indica que o quanto nosso sistema imunológico envelhece quando estamos estressados ​​está sob nosso controle, disse Klopack.

Como o estresse afeta o cérebro

À medida que os hormônios do estresse se espalham pelo organismo, os circuitos neurais no cérebro mudam, afetando nossa capacidade de pensar e de tomar decisões, dizem os especialistas. A ansiedade aumenta e o humor pode mudar. Todas essas alterações neurológicas afetam o corpo, incluindo nossos sistemas autônomo, metabólico e imunológico.

“Os estressores mais comuns são aqueles que operam cronicamente, muitas vezes em um nível baixo, e que nos levam a nos comportar de certas maneiras. Por exemplo, estar “estressado” pode nos deixar ansiosos ou deprimidos, perder o sono à noite, comer alimentos reconfortantes e ingerir mais calorias do que nosso corpo precisa, e fumar ou beber álcool em excesso”, escreveu o renomado neuroendocrinologista Bruce McEwen em uma revisão de 2017 sobre o impacto do estresse no cérebro.

McEwen, que fez a descoberta histórica de 1968 de que o hipocampo do cérebro pode ser alterado por hormônios do estresse como o cortisol, faleceu em 2020 após 54 anos pesquisando neuroendocrinologia na Universidade Rockefeller, em Nova York.

“Estar ‘estressado’ também pode nos levar a negligenciar ver amigos, ou tirar um tempo de nosso trabalho, ou reduzir nosso envolvimento em atividades físicas regulares, como nós, por exemplo, sentamos em um computador e tentamos sair do fardo de muito o que fazer”, escreveu McEwen.

O que fazer

Existem maneiras de parar o estresse no meio do caminho.

A respiração profunda impulsiona nosso sistema nervoso parassimpático, o oposto da resposta de “fuga ou luta”. Encher o peito com ar até a contagem de seis garantirá que você esteja respirando profundamente. Mover seu corpo como se estivesse em câmera lenta é outra maneira de desencadear esse reflexo calmante, dizem os especialistas.

Interrompa seu pensamento estressante e ansioso com terapia cognitivo-comportamental ou TCC, que foi demonstrada em ensaios clínicos randomizados para aliviar a depressão, ansiedade, pensamento obsessivo, distúrbios alimentares e do sono, abuso de substâncias, transtorno de estresse pós-traumático e muito mais.

Essa prática tende a se concentrar mais no presente do que no passado e normalmente é um tratamento de curto prazo, dizem os especialistas.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN