Estudo encontra novas pistas sobre por que pessoas com 80 anos têm cérebros melhores

Os chamados “SuperAgers” apresentaram mais massa cinzenta em partes do cérebro relacionadas ao movimento do que outros idosos

Os SuperAgers também pontuaram mais nos testes de agilidade, equilíbrio e mobilidade
Os SuperAgers também pontuaram mais nos testes de agilidade, equilíbrio e mobilidade Getty Images

Sandee LaMotteda CNN

No maior estudo observacional até hoje sobre “SuperAgers” – pessoas na faixa dos 80 anos que têm cérebros tão aguçados quanto aqueles 30 anos mais jovens – pesquisadores na Espanha descobriram diferenças importantes no estilo de vida que podem contribuir para as mentes aguçadas desses adultos mais velhos.

Os SuperAgers na pesquisa tinham mais massa cinzenta em partes do cérebro relacionadas ao movimento e pontuaram mais nos testes de agilidade, equilíbrio e mobilidade do que outros idosos – embora os níveis de atividade física dos dois grupos fossem os mesmos.

“Embora os SuperAgers relatem níveis de atividade semelhantes aos dos idosos típicos, é possível que façam atividades fisicamente mais exigentes, como jardinagem ou subir escadas”, disse o autor sênior Bryan Strange, diretor do Laboratório de Neurociência Clínica da Universidade Técnica de Madri, em um comunicado.

“Desde níveis mais baixos de pressão arterial e obesidade até aumento do fluxo sanguíneo para o cérebro, há muitos benefícios diretos e indiretos de ser fisicamente ativo que podem contribuir para melhorar as habilidades cognitivas na velhice”, prosseguiu.

O estudo, publicado na quinta-feira (13) na revista The Lancet Healthy Longevity, acompanhou 64 SuperAgers e 55 idosos cognitivamente normais que faziam parte do Projeto Vallecas, um projeto de pesquisa de longo prazo sobre a doença de Alzheimer em Madri.

Em uma bateria de testes, os espanhóis SuperAgers obtiveram pontuações mais baixas do que os adultos mais velhos típicos em níveis de depressão e ansiedade, segundo o estudo. Problemas de saúde mental, como depressão, são fatores de risco conhecidos para o desenvolvimento de demência.

Os SuperAgers também disseram aos pesquisadores que foram mais ativos na meia-idade, ficaram felizes com a quantidade de sono que tiveram e foram independentes em sua vida diária. O sono ruim é um fator de risco chave para o declínio cognitivo.

“Este estudo acrescenta ao que já sabemos – o SuperAging não é apenas a capacidade de ter um bom desempenho em um teste cognitivo”, disse Angela Roberts, professora assistente de comunicação e ciência da computação na Western University em London, em Ontário, no Canadá. Ela não estava envolvida no estudo.

“Está associado a uma atrofia cerebral mais lenta e menos pronunciada em regiões críticas para a memória e a linguagem e, possivelmente, a declínios mais lentos relacionados à idade na caminhada e na mobilidade”, continuou Roberts, também investigadora principal do programa de pesquisa Northwestern SuperAging, um ensaio clínico liderado pelo Centro Mesulam de Neurologia Cognitiva e Alzheimer na Escola de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern em Chicago, nos Estados Unidos.

O estudo é uma boa notícia para pessoas na faixa dos 30 e 40 anos que podem querer melhorar sua saúde incorporando mais exercícios, redução do estresse e outros hábitos saudáveis, explicou o Dr. Jo Robertson, coordenador nacional de triagem e ensaios da Rede Australiana de Demência da Universidade de Melbourne, na Austrália.

“O ponto principal aqui para as pessoas na meia-idade é que elas precisam modificar entusiasticamente os fatores de estilo de vida conhecidos por terem um impacto – aumentando a aptidão física, reduzindo o risco cardiovascular, otimizando a saúde mental e recebendo cuidados adequados para quaisquer transtornos de humor – para melhorar sua saúde. saúde cerebral a longo prazo”, disse Robertson, que também não participou do estudo.

O que é um SuperAger?

O cérebro da maioria das pessoas encolhe à medida que envelhecem. Nos SuperAgers, no entanto, estudos mostraram que o córtex, responsável pelo pensamento, tomada de decisão e memória, permanece muito mais espesso e encolhe mais lentamente do que em pessoas de 50 e 60 anos.

Para ser um SuperAger, um termo cunhado pelo programa Northwestern SuperAging, uma pessoa deve ter mais de 80 anos e passar por extensos testes cognitivos.

A aceitação no estudo ocorre se a memória da pessoa for tão boa ou melhor do que a de pessoas cognitivamente normais na faixa dos 50 e 60 anos – apenas 10% das pessoas que se inscrevem se qualificam.

“Os SuperAgers precisam ter uma excelente memória episódica – a capacidade de recordar eventos cotidianos e experiências pessoais passadas – mas os SuperAgers só precisam ter pelo menos um desempenho médio nos outros testes cognitivos”, cita à CNN a neurocientista cognitiva Emily Rogalski, professora de psiquiatria e ciências comportamentais na Escola Feinberg.

“É importante ressaltar que quando comparamos os SuperAgers com os medianos, eles têm níveis de QI semelhantes, então as diferenças que vemos não são apenas devido à inteligência”, prossegue Rogalski, que desenvolveu o projeto SuperAging.

Os SuperAgers compartilham características semelhantes, dizem os especialistas que os estudam. Eles tendem a ser positivos. Eles desafiam seu cérebro todos os dias, lendo ou aprendendo algo novo. Muitos continuam a trabalhar até os 80 anos.

SuperAgers também são super sociais, cercados por familiares e amigos, e muitas vezes podem ser encontrados como voluntários na comunidade. E como o estudo atual descobriu, eles também se mantêm fisicamente ativos.

Mais massa cinzenta em certas partes do cérebro

Todos os participantes da pesquisa espanhola passaram por varreduras cerebrais, exames de sangue e outras avaliações cognitivas e de estilo de vida quando entraram no estudo e foram reexaminados anualmente por quatro anos.

As varreduras cerebrais mostraram que os SuperAgers tinham maior volume de massa cinzenta do que os adultos mais velhos típicos em áreas do cérebro responsáveis ​​pelo funcionamento cognitivo, memória espacial e memória geral. Além disso, algumas das mudanças mais impressionantes no volume de massa cinzenta ocorreram em áreas do cérebro ligadas à atividade motora ou ao movimento, bem como à memória.

Curiosamente, o estudo descobriu que os SuperAgers tinham a mesma probabilidade de ter os mesmos níveis de genes APOE – incluindo APOE4, um risco de alerta para a doença de Alzheimer – como adultos normalmente idosos. No entanto, essa descoberta não é nova, dizem os especialistas.

“Os SuperAgers têm melhor desempenho em uma série de medidas – memória, condição física, velocidade e saúde mental – independentemente dos níveis de biomarcadores sanguíneos da doença de Alzheimer”, expôs Robertson, neuropsicólogo clínico sênior da Melbourne Health, na Austrália.

Pesquisas anteriores descobriram uma predisposição genética para a capacidade de manter a mente afiada até a velhice. O exame de cérebros dos SuperAgers encontrou células maiores e mais saudáveis ​​no córtex entorrinal – uma das primeiras áreas do cérebro afetadas pela doença de Alzheimer.

Os cérebros dos SuperAgers também tinham muito mais neurônios von Economo, um tipo raro de célula cerebral que permite a comunicação rápida em todo o cérebro. Até agora, o neurônio von Economo, semelhante a um saca-rolhas, só foi encontrado em humanos, grandes símios, elefantes, baleias, golfinhos e pássaros canoros.

“A história aqui não é simplesmente que [os SuperAgers] estão em menor risco de desenvolver demência”, declarou Roberts. Em vez disso, justificou que eles podem ter adicionado fatores de proteção – genéticos, estilo de vida ou até mesmo uma perspectiva emocional positiva – que ajudam a protegê-los diante desses fatores de risco.

“Esta é uma razão fundamental para estudar os SuperAgers – pois eles podem nos ajudar a descobrir mecanismos de proteção que agem sobre fatores de risco conhecidos de demência para diminuir ou minimizar o risco de declínio cognitivo relacionado à idade e alterações cerebrais”, finalizou.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original