Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Gripe aviária ainda não é ameaça direta a humanos, mas especialistas fazem alerta

    Desde o fim de 2022, os cientistas detectaram esse vírus em mais de 100 espécies de aves selvagens como patos, gaivotas, gansos, falcões e corujas nos EUA

    Profissionais controlam surto da gripe aviária em Hunan, na China, em 2019
    Profissionais controlam surto da gripe aviária em Hunan, na China, em 2019 Foto: Thailand Medical News

    Jen Christensenda CNN

    A gripe aviária infectou um número recorde de aves e alguns mamíferos nos Estados Unidos, e os cientistas estão acompanhando de perto.

    O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse na última semana que o risco para os seres humanos permanece baixo, mas acrescentou: “não podemos presumir que isso continuará sendo o caso”.

    Tal como acontece com o coronavírus que causa a Covid-19, que se acredita ter começado em animais antes de se espalhar para os humanos, alguns vírus de animais podem sofrer mutações, pular espécies para deixar os humanos doentes e se espalhar rapidamente pelo mundo.

    Mas a gripe aviária altamente patogênica não é Covid-19. Os cientistas estão assegurando ao público que, com algumas raras exceções, o vírus não chegou aos humanos em uma escala grande o suficiente para desencadear um surto.

    Ele foi muito além das aves, e sua recente disseminação entre membros de uma espécie separada deixou alguns especialistas preocupados com a maneira como o vírus está mudando.

    O que é a gripe aviária?

    A gripe aviária é um vírus influenza do tipo A que se originou em aves. A versão que está causando problemas predominantemente nas Américas e na Europa é chamada de H5N1. Existem vários subtipos, e os vírus da gripe aviária H5N1 comumente em circulação agora são geneticamente diferentes das versões anteriores do vírus, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

    Desde o fim de 2022, os cientistas detectaram esse vírus em mais de 100 espécies de aves selvagens como patos, gaivotas, gansos, falcões e corujas nos EUA.

    Globalmente, essa cepa do vírus existe há muito mais tempo, disse Richard Webby, pesquisador de doenças infecciosas do St. Jude Children’s Research Hospital em Memphis, Tennessee, e diretor do Centro Colaborador da OMS para Estudos sobre a Ecologia da Influenza em Animais e Aves.

    “Vimos uma espécie de tataravô do vírus no final dos anos 1990 no sudeste da Ásia e temos acompanhado sua evolução e mudança desde então”, disse Webby.

    Na década de 2000, ele se espalhou para partes da Europa e da África e depois foi levado para o resto do mundo por meio de aves migratórias infectadas. Chegou às Américas mais recentemente, disse Webby.

    A primeira infecção com esta versão do vírus foi relatada em aves selvagens nos EUA em janeiro de 2022, de acordo com o CDC (Centro de Controle e Prevenção dos EUA, na sigla em inglês) –órgão que corresponde à Anvisa no Brasil. No mês seguinte, o Departamento de Agricultura dos EUA anunciou um surto entre perus em uma instalação comercial.

    Estudos mostraram que a gripe aviária pode se espalhar para pássaros canoros, mas aqueles que normalmente se reúnem em comedouros – como cardeais, pardais ou gaios-azuis – e aqueles que você pode ver na rua como pombos ou corvos normalmente não carregam vírus da gripe aviária que ser uma ameaça para os seres humanos, de acordo com o CDC.

    Patos e gansos podem transmitir o vírus sem parecer doentes. As aves domésticas nem sempre têm tanta sorte.

    A gripe aviária altamente patogênica carrega “taxas de mortalidade muito altas” entre galinhas e perus. A doença pode afetar vários órgãos internos, causando a morte em 90% a 100% das galinhas dentro de 48 horas após a infecção, de acordo com o CDC.

    Como pode se espalhar rapidamente, os agricultores geralmente precisam abater as aves não infectadas junto com as infectadas para evitar um surto mais amplo. É considerada uma das maiores ameaças conhecidas às aves domésticas.

    Até quarta-feira (15), 6.111 casos foram detectados em aves selvagens em todos os 50 estados, diz o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, na sigla em inglês). O vírus afetou mais de 58,3 milhões de aves em 47 estados, de acordo com o CDC.

    O grande volume de casos significa que o vírus tem mais chances de se espalhar para outras espécies, dizem os especialistas.

    Gripe aviária
    Surto de gripe aviária preocupa criadores de aves na Índia, mas não representa risco grave para humanos / Foto: Organização Mundial da Saúde (OMS)

    Mais animais ficando doentes

    A gripe aviária se espalha através de coisas como fezes e saliva. Também pode se espalhar através do contato com uma superfície contaminada.

    O vírus infectou muitos mamíferos nos EUA, principalmente no oeste e no centro-oeste, como parte do último surto.

    No Alasca, foram relatados casos entre ursos e raposas, de acordo com o USDA. O vírus também foi encontrado em um lince na Califórnia, um gambá no Colorado, um guaxinim em Washington, gambás em Illinois e Iowa, um leão da montanha e um urso pardo em Nebraska, focas no Maine e até mesmo um golfinho na Flórida.

    No total, 17 espécies diferentes de animais foram infectadas em 20 estados.

    Os cientistas dizem que todos esses mamíferos doentes provavelmente pegaram o vírus quando comeram ou interagiram com aves infectadas.

    Mas em um desenvolvimento preocupante no outono passado, o vírus parecia se espalhar entre mamíferos – talvez pela primeira vez – em uma fazenda de visons na Espanha, de acordo com um estudo publicado na revista Eurosurveillance.

    O vison ficou com o nariz sangrando, desenvolveu tremores, perdeu o apetite e parecia deprimido, disseram os cientistas, e teve que ser morto para manter a ameaça sob controle.

    O vírus não se espalhou para os humanos que trabalhavam na fazenda dos visons, mas o que preocupava os cientistas eram as múltiplas mutações encontradas no vírus que o tornavam distinto das sequências encontradas nas aves. Uma mutação tornou melhor a replicação em mamíferos, embora não esteja claro se a mutação estava no vírus antes de chegar à fazenda.

    “Mas é quando começa a se espalhar de um mamífero para o próximo mamífero para o próximo mamífero, é nesses ambientes onde pensamos que é mais provável que ele pegue essas mudanças que nos permitem trocar de hospedeiro, e é por isso que nos preocupamos ”, disse Webby.

    Um punhado de casos humanos

    Houve menos de 10 casos conhecidos de gripe aviária em humanos desde dezembro de 2021, e nenhum veio da transmissão de humano para humano, diz o CDC.

    O caso mais recente nos EUA foi em uma pessoa no Colorado que ficou doente depois de abater aves infectadas em abril. A pessoa relatou estar cansada por alguns dias. Eles foram isolados e tratados com um antiviral, de acordo com o CDC.

    A agência disse na época que a ameaça à saúde pública continuava baixa, mas instou as pessoas que tiveram qualquer tipo de exposição a pássaros a tomarem precauções.

    “As pessoas que normalmente ficam doentes são aqueles que têm interações muito intensas com a vida selvagem, viva ou morta”, disse o Dr. W. Ian Lipkin, diretor do Centro de Infecção e Imunidade e professor de epidemiologia da Columbia University Mailman School of Public Health. “Eu não diria que há outra pandemia sobre nós, porque não é. Não estavam lá.

    “O que precisamos fazer agora é observar de perto como isso se espalha. Precisamos contê-lo em fazendas e na vida selvagem da melhor maneira possível”, acrescentou.

    Como se manter seguro

    Embora a ameaça para as pessoas seja baixa, o CDC sugere evitar o contato direto com aves selvagens.

    Webby diz que se você precisar manusear um pássaro morto, como removê-lo de um comedouro, use luvas e máscara. Sempre lave as mãos depois de tocar em pássaros ou comedouros.

    É seguro comer aves e ovos que são manuseados e cozidos adequadamente, disse o CDC. A gripe aviária não é uma doença transmitida por alimentos, e a indústria avícola é monitorada de perto e tem rígidos padrões de saúde que incluem monitoramento e controle da gripe aviária.

    Sempre cozinhe aves e ovos a 75 graus Celsius, uma temperatura que mata bactérias e vírus, incluindo o da gripe aviária.

    No caso altamente improvável de alguém ficar doente, o CDC recomenda o tratamento imediato. A maioria das infecções por gripe aviária pode ser tratada com os medicamentos antivirais atualmente disponíveis, diz a agência.

    O governo dos EUA também tem um estoque de vacinas, inclusive contra o vírus da gripe aviária, que poderia ser usado se a gripe se espalhar facilmente de pessoa para pessoa, diz o CDC.

    “As chances não são zero de você pegar, e qualquer coisa que você possa fazer para reduzir ainda mais esse risco é uma coisa boa”, disse Webby. “Mas você provavelmente realmente tem que trabalhar duro para ser infectado com esse vírus.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original