Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Misturar álcool com energético faz mal? Entenda os riscos

    Combinação comum em bares e baladas pode representar grande perigo para algumas pessoas

    Combinação entre bebidas alcoólicas e energético é comum em bares e baladas
    Combinação entre bebidas alcoólicas e energético é comum em bares e baladas Jonathan Borba/Unsplash

    Fernanda Pinottida CNN

    Ao sair para uma noitada, é comum ver drinks que misturam bebidas alcoólicas com energético no cardápio. Afinal, o álcool pode dar sono e aqueles que querem aguentar até mais tarde optam por algo que também dê energia.

    No entanto, ao consumir grandes quantidades de álcool e energético ao mesmo tempo, seu corpo pode ser colocado em risco. Tanto o álcool, como o energético não são bebidas muito saudáveis — principalmente sem moderação –, mas será que sua mistura pode ser ainda mais perigosa para a saúde?

    Para esclarecer os riscos de misturar bebidas alcoólicas e energético, a CNN conversou com médicos especialistas no assunto.

    O que acontece quando misturamos álcool e energético?

    O álcool, por si só, aumenta os riscos de arritmia cardíaca — condição na qual as batidas do coração perdem seu ritmo regular e ocorrem de forma desordenada.

    Os energéticos, por serem bebidas estimulantes feitas à base de cafeína ou taurina, costumam elevar a pressão arterial, o que também pode causar arritmia.

    Quando consumidos juntos, esse risco se torna ainda maior. “Obviamente, quanto maior a quantidade ingerida, maior o risco”, destaca Marcelo Franken, cardiologista do Hospital Israelita Albert Einstein. “O álcool e os energéticos, em um primeiro momento, geram uma sensação de euforia que estimula o aumento do consumo, o que gera mais euforia, levando a um círculo vicioso perigoso.”

    Todos correm esse risco ao ingerir bebidas alcoólicas com energético, alguns mais, outros menos. Helio Castello, do Centro Especializado em Cardiologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, explica: “O risco é muito maior para quem tem doenças pré-existentes, como cardiopatias, hipertensão arterial, doenças neurológicas ou psiquiátricas, arritmias cardíacas, síndromes convulsivas e intolerância à cafeína.”

    Franken ainda pontua que muitas pessoas podem ter predisposição a arritmias, mas desconhecem a condição, pois ela nunca foi diagnosticada. “Tudo depende da predisposição individual, da quantidade ingerida e da associação com outras substâncias”, acrescenta Castello.

    Quais os sinais de que a combinação fez mal?

    Caso tenha ingerido álcool com energético, é importante ficar atento a alguns sinais de que o corpo não está respondendo bem à mistura:

    • palpitações;
    • taquicardias (ou sensação de coração acelerado);
    • dores no peito;
    • falta de ar;
    • tremores;
    • tontura;
    • alterações de comportamento;
    • ansiedade;
    • insônia;
    • irritabilidade;
    • convulsões;
    • perda de consciência.

    Como evitar os riscos à saúde?

    Os cardiologistas afirmam que quaisquer substâncias devem ser consumidas isoladamente, ou seja, sem misturá-las, e com moderação.

    O segredo para evitar riscos à saúde durante o consumo de álcool está na hidratação, que pode “melhorar os efeitos destas drogas e diminuir seus sintomas quando ingeridos”, segundo Castello.

    Franken deu uma dica preciosa: “Sempre intercalar o consumo da bebida alcoólica com um copo de água.”

    Da “euforia” ao “blackout”: o que acontece quando bebemos álcool