Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pesquisa cria método para prever falhas de órgãos do corpo

    Cientistas da Escola de Medicina e Stanford acreditam que descoberta ajudará a prevenir futuros problemas de saúde

    Breno Esaki/Agência Saúde DF

    Marina Toledoda CNN

    em São Paulo

    Um estudo liderado por pesquisadores da Escola de Medicina de Stanford, nos Estados Unidos, mostrou que é possível descobrir qual órgão pode vir a falhar primeiro no corpo de cada ser humano. A pesquisa realizada com 5.678 pessoas foi publicada na Nature Research nesta quarta-feira (6)

    Um órgão pode ter uma idade mais avançada em uma pessoa em comparação com outras da mesma idade, o que pode significar um risco maior de doenças e, consequentemente, de morte associada a esse órgão. De acordo com o estudo, cerca de 1 em cada 5 adultos razoavelmente saudáveis ​​com 50 anos ou mais tem, pelo menos, um órgão envelhecendo em um ritmo acelerado.

    Apesar de assustador, isso pode ser descoberto por meio de um simples exame de sangue que diz quais órgãos, se houver algum, está envelhecendo rapidamente. Dessa forma, é possível realizar intervenções terapêuticas muito antes dos sintomas clínicos se manifestarem.

    “Podemos estimar a idade biológica de um órgão de uma pessoa aparentemente saudável”, afirmou o autor do estudo, Tony Wyss-Coray, professor de neurologia. “Isso, por sua vez, prevê o risco de uma pessoa ter doenças relacionadas a esse órgão.”

    “Diversos estudos chegaram a números únicos que representam a idade biológica dos indivíduos — a idade implícita num conjunto sofisticado de biomarcadores — em oposição à sua idade crônica, o número real de anos que se passaram desde seu nascimento”, disse Wyss-Coray, que também é o diretor da Iniciativa Phil e Penny Knight para Resiliência Cerebral.

    O novo estudo foi um passo além, chegando a números distintos para cada um dos 11 órgãos principais, sistemas de órgãos ou tecidos: coração, gordura, pulmão, sistema imunológico, rim, fígado, músculo, pâncreas, cérebro, vasculatura e intestino.

    “Quando comparamos a idade biológica de cada um desses órgãos para cada indivíduo com seus homólogos entre um grande grupo de pessoas sem doenças graves óbvias, descobrimos que 18,4% das pessoas com 50 anos ou mais tiveram pelo menos um órgão envelhecendo significativamente mais rapidamente do que o média”, disse Wyss-Coray.

    “E descobrimos que esses indivíduos correm maior risco de doença naquele órgão específico nos próximos 15 anos.”

    Apenas cerca de 1 em cada 60 pessoas no estudo tinha dois órgãos envelhecendo tão rapidamente. Mas Wyss-Coray alertou: “Eles tinham 6,5 vezes o risco de mortalidade de alguém sem qualquer órgão envelhecido.”

    Os pesquisadores avaliaram os níveis de proteínas no sangue das pessoas e determinaram os níveis que demonstram envelhecimento acelerado dos órgãos correspondentes e à suscetibilidade a doenças e mortalidade. Eles treinaram um algoritmo de aprendizado de máquina para adivinhar a idade das pessoas com base nos níveis de proteínas.

    Os cientistas verificaram a precisão do algoritmo avaliando as idades de outros 4.000 ou mais pessoas que eram um tanto representativas da população dos EUA.

    As diferenças de idade identificadas em 10 dos 11 órgãos estudados (a única exceção sendo o intestino) foram significativamente associados a riscos futuros de morte por todas as causas ao longo de 15 anos de acompanhamento.

    Pessoas com envelhecimento cardíaco acelerado, mas inicialmente sem doença ativa ou clinicamente biomarcadores anormais, apresentavam um risco 2,5 vezes maior de insuficiência cardíaca, mostrou o estudo.

    Aqueles com cérebros “mais velhos” tinham 1,8 vezes mais probabilidade de apresentar declínio cognitivo ao longo de cinco anos do que aqueles com cérebros “jovens”.

    “Com isso, poderíamos ser capazes de encontrar órgãos que estão passando por envelhecimento acelerado no corpo das pessoas e, dessa forma, capaz de tratar as pessoas antes que elas fiquem doentes”, afirmou Wyss-Coray. 

    Tópicos

    Tópicos