Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pessoas que tiveram Covid têm mais risco de desenvolver diabetes, diz pesquisa

    Pesquisadores estudaram os registros médicos de mais de 23 mil adultos que tiveram a doença pelo menos uma vez

    Foto: Maskot/Getty Images

    Brenda Goodmanda CNN

    Pessoas que tiveram Covid-19 têm um risco maior de desenvolver diabetes, e esse vínculo parece ter persistido na era Ômicron, segundo um novo estudo.

    Evidências crescentes sugerem que as infecções por Covid-19 estão ligadas a um novo diagnóstico de diabetes, embora não esteja claro se essa relação é uma coincidência ou causa e efeito.

    Para o estudo, publicado na semana passada no JAMA Network Open, pesquisadores do Cedars Sinai Medical Center, em Los Angeles, estudaram os registros médicos de mais de 23 mil adultos que tiveram Covid-19 pelo menos uma vez.

    Eles analisaram a probabilidade de essas pessoas receberem um novo diagnóstico de diabetes, pressão alta ou colesterol alto nos três meses após a infecção por Covid-19 em comparação com os três meses anteriores.

    Como as visitas aos serviços de saúde foram frequentemente interrompidas durante a pandemia, muitas pessoas estão apenas fazendo exames de rotina e exames que podem ter deixado para trás.

    Os pesquisadores perceberam que isso poderia torná-los mais propensos a obter um novo diagnóstico de uma condição, como diabetes, que eles podem estar desenvolvendo de qualquer maneira. Para controlar isso, eles também analisaram o risco de algo que chamaram de diagnóstico de referência – um novo diagnóstico de refluxo ácido ou infecção do trato urinário – como uma forma de lidar com esse viés.

    Os dados brutos mostraram que as pessoas que tiveram Covid-19 tiveram maiores riscos de serem diagnosticadas com diabetes, colesterol alto e pressão alta após suas infecções.

    Mas quando os pesquisadores ajustaram esses números para contabilizar o diagnóstico de referência, apenas o risco de diabetes permaneceu significativamente elevado. A Covid-19 aumentou as chances de um novo diagnóstico de diabetes em cerca de 58%.

    Luke Wander, professor assistente de medicina na Universidade de Washington em Seattle, disse que as descobertas ecoam aquelas de vários outros estudos.

    O novo estudo é notável porque acrescenta dados recentes, disse Wander, que não participou da pesquisa. Foram também usadas estratégias para tentar abordar as mudanças nos cuidados de saúde durante a pandemia.

    Outro ponto forte do estudo foi o fato de incluir pessoas diagnosticadas entre março de 2020 e junho de 2022, portanto, foi capaz de estimar o risco mesmo depois que a variante Ômicron varreu os Estados Unidos.

    Vários estudos sugeriram que o Ômicron causa infecções por Covid-19 menos graves do que as variantes que o precederam.

    Pessoas usam máscara para se proteger contra a Covid-19, na região central de Campinas, interior de São Paulo, em 16/11/2022 / Luciano Claudino/Código19/Estadão Conteúdo

    “Pode-se esperar que, com uma infecção viral menos grave, talvez você tenha menos efeitos fora do alvo em seu sistema cardiometabólico”, disse o principal autor do estudo, Dr. Alan Kwan, cardiologista do Cedars Sinai.

    “Nós realmente não vimos isso”, disse ele. “Vimos, essencialmente, o padrão mantido por toda parte”.

    O estudo também analisou o papel da vacinação e descobriu que ela pode ajudar a proteger contra o diabetes.

    Quando os pesquisadores analisaram seus dados para distinguir entre aqueles que foram vacinados contra o coronavírus e aqueles que não foram, eles descobriram que os vacinados quase não tinham risco aumentado de diabetes após a Covid-19, mas os não vacinados tinham quase 80% mais risco de um novo diagnóstico de diabetes. Esta diferença não foi estatisticamente significativa, no entanto. Kwan diz que se os pesquisadores tivessem um pouco mais de dados, a conexão poderia ser mais clara.

    Os cientistas não têm certeza de como a Covid-19 pode aumentar o risco de diabetes. Pode haver várias razões, disse Wander.

    “É plausível que o vírus possa agir diretamente para alterar a capacidade do corpo de produzir ou usar insulina”, escreveu ela em um e-mail.

    Ou, disse ela, é possível que as mudanças no estilo de vida feitas durante a pandemia – talvez menos exercícios e mais junk food – possam estar contribuindo.

    “Por fim, não podemos excluir a possibilidade de que esse padrão seja um artefato do aumento de testes laboratoriais entre indivíduos com infecção recente por SARS-CoV-2”, disse Wander.

    Para realmente entender se o diabetes é uma doença diferente após a pandemia, disse Wander, seriam necessários estudos que acompanhassem as pessoas para coletar informações sobre fatores sociais relacionados à pandemia e mudanças na capacidade do corpo de produzir e usar insulina.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original