Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Post tira dados de contexto para sugerir que vacinados são mais vulneráveis à Covid

    Mensagem destaca fato de oito mortes no DF, em um mesmo dia, serem de pessoas com ao menos duas doses da vacina; entenda por que informação é enganosa

    Projeto Comprova

    Do Projeto Comprova

    Ouvir notícia

    Enganoso: É enganoso um tuíte que usa dados de mortes por Covid-19 no Distrito Federal referentes a um único dia para sugerir que pessoas vacinadas são mais vulneráveis à doença. O tuíte omite informações importantes e dá destaque a um conjunto de dados muito pequeno, que não é representativo da atual fase da pandemia.

    É enganoso um post no Twitter que usa dados de mortes por Covid-19 no Distrito Federal referentes a um único dia para sugerir que pessoas vacinadas são mais vulneráveis à doença. O tuíte omite informações importantes e dá destaque a um conjunto de dados muito pequeno, que não é representativo da atual fase da pandemia.

    Os dados citados na publicação foram extraídos da “Síntese diária de óbitos notificados em 15 de fevereiro”, um documento produzido pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (Divep/SVS). Segundo o informe, foram notificadas oito mortes por covid-19 no DF em 15 de fevereiro de 2022.

    O autor do post ressalta que todas as oito vítimas haviam recebido ao menos duas doses da vacina contra a Covid-19; quatro delas também tinham recebido a dose de reforço. “NENHUM ÓBITO DE NÃO VACINADO”, destaca o tuíte, induzindo à conclusão de que pessoas vacinadas são mais vulneráveis ao coronavírus, como mostram comentários feitos no post original (1 e 2).

    A realidade do atual momento da pandemia, no entanto, é a oposta. Dados divulgados em fevereiro pelas secretarias de Saúde de estados como Amazonas, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo mostram que pessoas não vacinadas ou que não completaram o esquema vacinal, ou seja, não receberam as três doses, têm mais chances de morrer pela doença.

    No Distrito Federal, dos 93 idosos acima de 60 anos que morreram entre 1º de janeiro e 7 de fevereiro, período analisado por um estudo feito pela Secretaria de Saúde, 79 (82,3%) não haviam recebido três doses da vacina. As informações foram divulgadas em 11 de fevereiro, portanto, estavam disponíveis quando o post investigado foi publicado. Não há informações sobre quantos estavam apenas com uma, duas ou nenhuma dose da vacina. O estudo leva em consideração que a população vacinada é aquela que completou o esquema básico (duas doses) e reforço.

    Especialistas consultados pelo Comprova alertam que outras informações são relevantes ao se analisar dados de óbitos por Covid-19. O tuíte aqui verificado diz que todas as oito vítimas notificadas no boletim de 15 de fevereiro do DF tinham mais de 60 anos. No entanto, o autor não menciona outros fatores de risco que constam no boletim e podem estar relacionados aos óbitos. Por exemplo, entre as oito mortes, cinco eram de pessoas com mais de 80 anos. Cinco delas também tinham comorbidades.

    A Secretaria de Saúde do DF informou ao Comprova que está “em processo de revisão” do formato dos informes sobre covid-19, “no intuito de mitigar possíveis equívocos” e “interpretações errôneas” dos dados. Anteriormente, a secretaria já havia emitido um comunicado contextualizando as informações de um post parecido da deputada federal Bia Kicis (União Brasil-DF), que isolou dados do dia 14 de fevereiro de 2022.

    O autor do tuíte aqui verificado também foi procurado pela equipe do Comprova, mas se recusou a comentar sobre o post.

    O conteúdo foi considerado enganoso porque usa dados incompletos e omite informações importantes, induzindo a uma conclusão errada.

    Como verificamos?

    O tuíte aqui verificado apresenta um link para o informe da Divep/SVS com dados de mortes por Covid-19 no DF no dia 15 de fevereiro. Por meio de uma consulta no site oficial da Secretaria de Saúde do DF, foi possível constatar que o documento linkado era legítimo. O Comprova também entrou em contato com o órgão para verificar se os dados que constavam no boletim estavam corretos e se havia mais informações sobre os óbitos notificados naquele dia.

    Em seguida, buscamos especialistas que pudessem explicar o que os dados apresentados no post indicam sobre a eficácia das vacinas. Entrevistamos Breno Adaid, coordenador e professor de estatística no mestrado em administração do Centro Universitário IESB, e Julival Ribeiro, infectologista e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia.

    A equipe ainda fez uma busca por informações oficiais divulgadas recentemente para entender o contexto da atual fase da pandemia de covid-19. Procuramos dados de estados brasileiros que informaram a situação vacinal das vítimas do coronavírus.

    Por fim, o Comprova entrou em contato com o autor do tuíte.

    O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 3 de março de 2022.

    Verificação

    Dados descontextualizados

    No post, o autor cita um boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal no dia 15 de fevereiro de 2022. O informe traz uma síntese dos óbitos por Covid-19 notificados naquele dia. Uma tabela mostra a situação vacinal das vítimas. Foram oito mortes: quatro pessoas haviam tomado duas doses da vacina contra a covid-19, e outras quatro haviam recebido também uma dose de reforço.

    O boletim aponta ainda que todas as vítimas tinham mais de 60 anos de idade; cinco tinham mais de 80. Cinco delas também tinham comorbidades. O relatório traz tabelas separadas de acordo com as características gerais dos casos, como gênero, faixa etária, região administrativa, tipos de comorbidade e situação vacinal. Porém, não detalha o perfil individual de cada paciente, de forma que não há como saber se as pessoas que estavam vacinadas com a dose de reforço eram as mesmas que tinham comorbidades ou outros fatores de risco, por exemplo.

    Breno Adaid, pesquisador de dados de Covid-19, afirma que informações divulgadas dessa forma podem contribuir para o surgimento de comparações que geram desinformação, como no post investigado. “Cientificamente falando, o correto é comparar grupos mais homogêneos possíveis. No caso, taxa de mortalidade antes e depois da vacina”, explica. “Quando você pega casos isolados, corre o risco de, sem querer ou intencionalmente, pegar dados com particularidades”, completa.

    Adaid ressaltou que a melhor forma de tratar os dados seria colocá-los dentro de um contexto maior. Por exemplo, junto às comorbidades, faixa etária e outros fatores que podem ter contribuído para o agravamento dos casos.

    Ao Comprova, a SES-DF informou que está em processo de revisão do método de divulgação dos dados sobre a situação vacinal dos óbitos. A mudança ocorre justamente para evitar interpretações equivocadas. Recentemente, o órgão desmentiu uma publicação da deputada federal Bia Kicis, que também usava dados do boletim epidemiológico para questionar a eficácia das vacinas.

    Vacinados x Não vacinados

    Além de apresentar os dados fora de contexto, a publicação também confunde ao afirmar que houve “100% de óbitos de vacinados”, colocando pessoas que haviam recebido duas e três doses do imunizante em um grupo só. Indivíduos que receberam uma, duas ou três doses da vacina têm diferentes níveis de proteção, que variam com o tempo após a imunização, como explica Julival Ribeiro, infectologista e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia: “Somente após quinze dias da [aplicação da] segunda dose a gente começa a ter imunoproteção. Hoje, já sabemos que depois de quatro meses [da segunda dose], nós devemos tomar o reforço. Justamente porque ao longo do tempo cai essa proteção.”

    O médico também esclarece que a vacinação diminui, mas não exclui totalmente o risco de morte pela covid-19. Fatores como idade e comorbidades podem contribuir para um agravamento do quadro. “Essas pessoas têm mais chance de virem a complicar e resultar em óbito. Isso é esperado. Agora, o que não se pode fazer é uma análise mostrando que não vacinados são mais protegidos. Isso não existe”, afirma.

    Ribeiro ressalta que, apesar disso, a vacinação teve um impacto positivo também sobre essa população mais vulnerável. No Distrito Federal, os dados de 2022 mostram que a taxa de mortalidade por covid-19 de idosos com ciclo vacinal incompleto (que não receberam três doses) foi 33 vezes maior. Em 25 de janeiro, a Secretaria de Saúde do DF informou que 90% das pessoas hospitalizadas naquele momento não haviam completado o esquema vacinal.

    Contexto nacional

    Até o momento, não há um levantamento nacional para avaliar o impacto da vacinação nos óbitos e hospitalizações. Porém, dados oficiais divulgados por diferentes estados brasileiros mostram um cenário semelhante àquele registrado no DF. Um estudo da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE/SC), da Secretaria de Saúde de Santa Catarina, divulgado no início de fevereiro, mostrou que a taxa de óbitos de idosos não vacinados ou com vacinação incompleta foi 47 vezes maior do que daqueles que receberam a dose de reforço. Entre adultos (de 18 a 59 anos), a taxa foi 39 vezes superior no grupo de não vacinados e sem dose de reforço. O levantamento foi feito com dados de novembro de 2021 a janeiro de 2022.

    A taxa de hospitalização de indivíduos não vacinados ou com vacinação incompleta também se manteve superior em Santa Catarina. No mesmo período, o índice de internações foi 31 vezes maior entre idosos que não completaram o esquema vacinal. Já entre adultos, a taxa foi 20 vezes maior do que entre aqueles que não receberam a dose de reforço.

    No Rio Grande do Sul, dados do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) apontam que a dose de reforço reduziu em 95% a incidência de óbito em idosos no período de agosto a novembro de 2021. Entre as pessoas com mais de 20 anos com esquema vacinal completo, o risco de morte foi reduzido em 87%.

    Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs). Dados mostram o impacto da vacinação em hospitalizações e óbitos por covid-19 no Rio Grande do Sul / projeto Comprova

    Outro estado que apresenta taxas de hospitalização e óbito superiores entre não vacinados é o Amazonas. No último boletim sobre a situação epidemiológica da covid-19, pacientes sem nenhuma dose da vacina apresentaram um risco 4,3 vezes maior de hospitalização do que indivíduos com esquema vacinal completo. Em relação aos óbitos, o risco foi 2,5 vezes maior. O boletim compila dados de 1º de janeiro a 8 de fevereiro.

    Um levantamento feito pelo G1, com índices do Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, além dos estados já citados na verificação, mostra um cenário semelhante: de que os não vacinados são os que mais morrem. Os dados reforçam o que especialistas e organizações nacionais e internacionais defendem: as vacinas contra a Covid-19 são eficazes e a dose de reforço é fundamental para reduzir o risco de internação e óbito.

    O autor

    O post do Twitter foi feito pelo jornalista e advogado Paulo Cesar Rodrigues de Faria. Na rede social, ele tem publicado diversos conteúdos contrários à vacinação, entre eles, teses que o Comprova já desmentiu, como a de que as vacinas são “experimentais”.

    Faria foi um dos responsáveis pela defesa do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), que em fevereiro de 2021 teve prisão determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, após publicar vídeo ofendendo juízes do tribunal, defendendo a sua destituição, e elogiando o Ato Institucional nº5, instrumento legal de repressão da ditadura militar brasileira (1964-1985).

    O Comprova entrou em contato com o advogado, que respondeu em tom agressivo, crítico do trabalho de agências de verificação de fatos. Afirmou que projetos como o Comprova “adotaram a mentira, deturpação dos fatos, violações de honras e intimidades de quem pensa dissonante da ideologia progressista, como máxima de suas atuações”.

    Em seguida, fez uma série de questionamentos sobre a verificação e disse que “medidas judiciais” seriam tomadas contra os jornalistas envolvidos na checagem e os veículos para os quais trabalham, caso fossem feitas publicações de caráter “não-jornalístico” e “viés político-ideológico” que atingissem sua “honra e dignidade”.

    A equipe do Comprova então respondeu algumas das perguntas levantadas por Faria, informando quais especialistas foram consultados na verificação. Também deixamos links para matérias dos sites Metrópoles e G1, que trazem dados oficiais sobre a situação vacinal de vítimas da Covid-19. Em resposta, o advogado voltou a fazer ataques à imprensa e ameaçou tomar medidas judiciais contra “todos os envolvidos”, em caso de violação à sua honra.

    Por que investigamos?

    O Comprova tem como escopo a investigação de conteúdos suspeitos que viralizam nas redes sociais e estão relacionados a pandemia, eleições e políticas públicas do governo federal. Até o dia 2 de março de 2022, a publicação aqui verificada teve mais de 2.000 interações no Twitter.

    Conteúdos que trazem desinformação sobre as vacinas contra a Covid-19 podem provocar dúvidas e desestimular a população a aderir a campanha de vacinação em curso no Brasil. A eficácia e segurança das vacinas são temas constantes nas verificações do Comprova.

    Já mostramos que um post que relacionava a morte de uma criança à CoronaVac era enganoso; que vacinas não criaram novas cepas ou mais casos de covid em Israel; e que o leite materno não substitui vacinação de crianças contra a covid-19, como sugeriu o ex-senador Magno Malta.

    Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; ou ainda o conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

    Investigado por Metrópoles e Nexo. Verificado por Estadão, Jornal do Comércio, CNN Brasil, SBT News, SBT, O Dia e O Popular

    Mais Recentes da CNN