Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rede lança aplicativo para achar doadores de medula óssea

    Novo aplicativo do Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea permite atualizar dados e baixar carteirinha de identificação

    Paciente ouve piano durante cirurgia na medula; instrumento foi tocados por membros da equipe médica
    Paciente ouve piano durante cirurgia na medula; instrumento foi tocados por membros da equipe médica Foto: Reprodução/CNN (18.nov.2020)

    Marcio Dolzan, do Estadão Conteúdo

    O Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) lança oficialmente neste sábado (18) seu aplicativo para celulares para facilitar o cadastro de interessados e aumentar a base de doadores.

    A fase experimental do programa começou em janeiro e 489 pessoas fizeram o pré-cadastro, manifestando interesse em ser doadoras. Dessas, 129 foram a um hemocentro.

    Atualmente, o Redome tem cadastradas 5,41 milhões de pessoas que manifestaram interesse em ser doadoras de medula. A maior parte está nas regiões Sudeste (2,39 milhões) e Sul (1,13 milhão).

    Um dos problemas é que boa parte dos cadastrados está com seus dados, como endereço e telefone, desatualizados. Isso dificulta a localização quando o sistema aponta algum deles como compatível para doação.

    Com o novo aplicativo, é possível atualizar os dados com poucos toques e baixar a carteirinha de identificação, que funciona como uma declaração de doador. Até então, só era possível conseguir o documento físico. Ele também permite que quem ainda não se apresentou como voluntário faça um pré-cadastro. Essa ação precisa ser completada depois com a coleta de sangue em hemocentro.

    “Esse é um dos maiores desafios para qualquer registro: manter atualizados os dados dos voluntários”, diz a médica Danielli Oliveira, coordenadora técnica do Redome. Ela destaca que sucessivas campanhas que pedem a atualização dos dados têm apresentado resultados práticos, e por isso elogia o lançamento do aplicativo.

    “Em 2015, o prazo (para localizar um doador) era de sete dias; hoje são três”, conta. “Neste ano, até agosto, foram mais de 90 mil cadastros atualizados, mais do que em todo o ano passado. Esperamos que os números melhorem ainda mais.”

    O lançamento oficial do aplicativo é uma forma de celebrar o Dia Mundial do Doador de Medula Óssea. A data é lembrada sempre no terceiro sábado de setembro, com eventos promovidos no mundo todo pela Associação Mundial de Doadores de Medula Óssea (WMDA, na sigla em inglês).

    A entidade representa mais de 38 milhões de doadores voluntários e está presente em 55 países. O aplicativo está disponível para celulares com sistema operacional Android e iOS, e está disponível em Play Store e Apple Store.

    As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.