Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Síndrome de Stevens-Johnson: conheça a doença que afetou mulher de Frank Aguiar

    À CNN Rádio, o dermatologista Lucas Campos explicou que condição é uma farmacodermia

    Caroline Santos ficou 10 dias em UTI
    Caroline Santos ficou 10 dias em UTI Reprodução/Instagram

    Amanda Garciada CNN

    A influenciadora Caroline Santos, esposa do cantor Frank Aguiar, revelou que ficou dez dias na UTI após ter sido diagnosticada com Síndrome de Stevens-Johnson.

    À CNN Rádio, no Correspondente Médico, o dermatologista e professor da UFMG Lucas Campos explicou que a doença é uma farmacodermia.

    Ou seja, uma reação medicamentosa, que é classificada como “ameaçadora da vida”, já que leva o paciente ao risco de morte.

    “Ela se manifesta a partir dessa reação imunológica a um medicamento, que pode ser de vários tipos.”

    Entre os remédios mais associados à doença estão anti-inflamatórios e anticonvulsionantes.

    A condição acomete grande extensão do corpo, e se inicia 6 dias, em média, depois da medicação.

    “Os sintomas começam com febre e mal-estar, parecido com gripe”, disse.

    No entanto, eles evoluem para “lesões cutâneas avermelhadas e dolorosas”, na boca, além das mucosas nasal, ocular e genital.

    “Conforme há a progressão, a pele se destaca, toda a camada superficial, chamada epiderme.”

    Nos casos mais agudos, as lesões atingem outros órgãos, o que aumenta a mortalidade.

    O médico ponderou, no entanto, que “a doença é muito rara e necessita do acúmulo de fatores de risco”.

    “O organismo tem que ser suscetível à droga por questão genética e a pessoa tem de estar com metabolismo favorável à lesão, por exemplo”, disse.

    Por esse motivo, da série de fatores que envolvem o desenvolvimento da síndrome, “não é possível predizer quem vai ter a doença”, que pode se manifestar em pessoas saudáveis.

    O tratamento é a suspensão de todas as drogas, além de o paciente ser tratado como uma vítima de grandes queimaduras.

    “Eles perderam barreiras que servem tanto para proteger do meio externo, como bactérias, quanto aquelas que impedem a perda de substâncias corporais importantes como água, eletrólito e proteínas”, completou.

    *Com produção de Bruna Sales