Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tirzepatida: Pausa no tratamento pode reverter perda de peso, sugere estudo

    Pesquisa mostrou como ocorre a retomada de peso após as pessoas interromperem o uso do remédio

    Remédio que tem nome comercial Zepbound foi aprovado pela agência regulatória dos Estados Unidos em Novembro de 2023
    Remédio que tem nome comercial Zepbound foi aprovado pela agência regulatória dos Estados Unidos em Novembro de 2023 Foto: Divulgação/Eli Lilly

    By Brenda Goodman, CNN

    Pessoas que tomam a nova medicação injetável tirzepatida – comercializada sob o nome Zepbound – para perder peso precisarão continuar usando-a se desejarem manter os resultados, confirma um novo estudo.

    Medicamentos como Ozempic, Wegovy, Mounjaro e Zepbound revolucionaram o tratamento da obesidade, ajudando as pessoas a perderem quantidades significativas de peso sem recorrer à cirurgia. Com 70% dos americanos com sobrepeso ou obesos, as pessoas estão ansiosas para tomar os remédios. A demanda crescente superou a capacidade dos fabricantes de produzi-los, remodelou a economia de um país inteiro e até deixou vendedores de comida nervosos com a possibilidade de os mercados de alimentos encolherem à medida que população come menos.

    Apesar da eficácia desses medicamentos, eles podem ser difíceis de serem tomados. São caros, custando cerca de US$ 1.000 (mais de R$ 4.800 na cotação do dia) por mês. Também podem ter efeitos colaterais significativos, como náuseas e vômitos, dor de estômago e, mais raramente, paralisia do estômago, pancreatite e obstruções intestinais. Em testes clínicos, cerca de 1 em cada 5 pacientes que começaram a usar os medicamentos ativos não chegaram ao final do estudo.

    Uma questão iminente sobre o uso desses medicamentos era se as pessoas eventualmente poderiam parar de tomá-los ou se os medicamentos deveriam ser um compromisso vitalício para quem quisesse manter a perda de peso. Um novo estudo publicado na segunda-feira no periódico médico JAMA preenche alguns detalhes, mostrando como ocorre a retomada de peso após as pessoas interromperem o uso do Zepbound.

    O estudo, patrocinado pela fabricante do Zepbound, Eli Lilly, acompanhou 670 adultos com sobrepeso e obesos após eles permanecerem com sucesso nos medicamentos por nove meses. Nesse ponto, metade do grupo foi designada para continuar usando o Zepbound, enquanto a outra metade foi transferida para uma injeção de placebo. Nem os pesquisadores nem os participantes do estudo sabiam se estavam recebendo o medicamento ativo ou uma injeção fictícia.

    Todos no estudo foram aconselhados a tentar reduzir cerca de 500 calorias de sua dieta e fazer pelo menos 150 minutos de exercício por semana.

    No ano seguinte, as pessoas que continuaram usando o Zepbound seguiram perdendo peso, reduzindo em média mais 6% do seu peso, embora eventualmente seu peso tenha se estabilizado. As pessoas que foram transferidas para o placebo recuperaram peso. Cerca de 9 em cada 10 pessoas que tomaram tirzepatida conseguiram manter pelo menos 80% do peso que perderam, enquanto 17% do grupo do placebo mantiveram pelo menos 80% da perda de peso.

    “Se você olhar para a magnitude do ganho de peso, elas recuperam cerca de metade do peso que tinham perdido originalmente ao longo de um período de um ano”, disse o autor principal do estudo, Dr. Louis Aronne, especialista em medicina da obesidade e professor de pesquisa metabólica no Weill Cornell Medicine, na cidade de Nova York.

    Assim como os medicamentos Ozempic e Wegovy, a tirzepatida imita o hormônio intestinal GLP-1, que reduz os níveis de açúcar no sangue, retarda a passagem de alimentos pelo estômago e reduz o apetite no cérebro. A tirzepatida também simula um segundo hormônio complementar chamado GIP, que intensifica seus efeitos. Em testes clínicos, pessoas que toleravam a dose máxima do medicamento – 15 miligramas por semana – perderam em média cerca de 20% do peso corporal inicial após cerca de um ano e meio de uso.

    Inicialmente aprovado como o medicamento Mounjaro para ajudar pessoas com diabetes tipo 2 a controlar o açúcar no sangue, em novembro a FDA deu sinal verde para que seu fabricante, Eli Lilly, comercializasse o medicamento para o tratamento da obesidade. Quando utilizado para perda de peso, é vendido como Zepbound.

    Os adultos eram elegíveis para o estudo se o índice de massa corporal (IMC) fosse 30 ou superior, ou se tivessem um IMC de pelo menos 27 com pelo menos uma complicação de saúde relacionada ao peso, como pressão alta. Pessoas com diabetes foram excluídas.

    Do início do estudo até o final, o grupo que continuou usando o Zepbound pesava em média 27 kg a menos e havia perdido 23 centímetros de circunferência da cintura em comparação com o início do estudo. As pessoas que foram transferidas para o placebo estavam cerca de 10 kg mais leves do que o peso inicial e ainda tinham reduzido mais de 7,5 centímetros na circunferência da cintura.

    Aronne diz que, com base em sua experiência, é provável que as pessoas no grupo do placebo continuem recuperando o peso que perderam.

    “Quanto tempo levaria? Honestamente, eu não sei”, disse ele.

    Embora isso possa parecer desanimador para pessoas que esperavam um dia deixar as injeções, há alguns aspectos positivos nos dados.

    Algumas pessoas que param de tomar a medicação não parecem ganhar o peso de volta, pelo menos não imediatamente.

    “Não é como se cada pessoa recuperasse peso. Uma em cada seis, isso diria, consegue manter a perda de peso sem medicação”, disse Aronne.

    Aronne diz que não têm informações sobre o que ajudou essas pessoas a manter o peso mesmo após interromperem a medicação, então isso é algo que a pesquisa futura precisará abordar.

    Além disso, quando os pesquisadores analisaram as melhorias na saúde em outras áreas, a pressão arterial, o açúcar no sangue, o colesterol e as melhorias metabólicas todos pareciam retornar ao que eram no início do estudo. Mas não ultrapassaram os valores iniciais.

    “Então não houve, você sabe, o que algumas pessoas chamariam de dano. Eles não estavam piores do que eram antes”, disse Aronne. “E em alguns casos, estavam significativamente melhores do que quando começaram. Então houve algum tipo de benefício mantido em certos casos.”

    Medicamentos para perda de peso se tornam menos eficazes com o tempo?

    Houve algumas descobertas intrigantes do outro lado também.

    Aproximadamente 1 em cada 10 pessoas que continuaram com o medicamento não conseguiram manter pelo menos 80% da perda de peso em um ano, então também começaram a recuperar peso, mesmo usando o medicamento.

    Aronne diz que há algumas evidências de que o corpo pode compensar os efeitos dos medicamentos ao longo do tempo. O hormônio leptina, que suprime a fome, diminui. A grelina, um hormônio que diz ao corpo que é hora de comer, aumenta.

    “Então há muitas coisas acontecendo que, no final, param você porque pensam que você está morrendo de fome”, disse ele.

    Nesse ponto, pode ser necessário adicionar outro medicamento.

    “Seu corpo desenvolve esse tipo de compensação, e quando você atinge isso em dois lugares diferentes, obtém um resultado melhor”, disse Aronne.

    A Dra. Melanie Jay, que dirige o Programa Abrangente sobre Obesidade da NYU Langone, diz que, de muitas maneiras, os resultados do estudo não são surpreendentes.

    “A obesidade é uma doença crônica e os medicamentos não são uma cura”, disse Jay, que não esteve envolvida no estudo. “Como uma analogia, na maioria dos casos, quando coloco alguém em um medicamento para pressão alta e ele baixa a pressão arterial, espero que, quando o retirar do medicamento, a pressão arterial aumente.”

    Jay diz que a maioria de seus pacientes não gosta da ideia de permanecer nos medicamentos indefinidamente.

    Ela diz que não está ciente de estudos que investiguem outras estratégias para manter o peso perdido com esses medicamentos, mas eles são necessários.

    “Eu sei que pacientes e clínicos estão experimentando com estratégias de dosagem menos frequentes para ver se ainda conseguem manter o peso, mas não necessariamente em estudos formais”, disse ela.

    Do lado positivo, Jay diz que muitos pacientes que usam esses medicamentos melhoram tanto sua saúde que conseguem abandonar outros medicamentos para diabetes e hipertensão.

    “Assim, mesmo que tenham que permanecer nos medicamentos anti-obesidade a longo prazo, o número líquido de remédios pode ser menor do que se nunca tivessem começado”, disse Jay.

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original