Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Asteroide potencialmente perigoso para a Terra pode ser pedaço de cratera da Lua

    Rocha espacial, conhecida como 2016 HO3, é um raro tipo de asteroide próximo à Terra que orbita o Sol, mas fica perto do nosso planeta

    O Orbitador de Reconhecimento Lunar da Nasa capturou uma imagem da cratera Giordano Bruno no lado distante da Lua, mostrando a altura e a nitidez da borda, bem como colinas ao longo do chão da cratera
    O Orbitador de Reconhecimento Lunar da Nasa capturou uma imagem da cratera Giordano Bruno no lado distante da Lua, mostrando a altura e a nitidez da borda, bem como colinas ao longo do chão da cratera NASA/Goddard/Arizona State University

    Ashley Stricklandda CNN

    Um asteroide incomum viajando próximo à Terra pode ser um pedaço da Lua, mas exatamente como ele acabou “zanzando” pelo Sistema Solar permaneceu um mistério. Agora, os pesquisadores dizem que fizeram uma conexão-chave neste quebra-cabeça cósmico.

    A rocha espacial, conhecida como 2016 HO3, é um raro tipo de asteroide próximo à Terra que orbita o Sol, mas fica perto do nosso planeta.

    Astrônomos o descobriram pela primeira vez em 2016 usando o telescópio Pan-STARRS, ou Sistema de Resposta Rápida e Telescópio de Pesquisa Panorâmica, no Havaí. Cientistas chamam o asteroide de Kamo’oalewa, um nome derivado de um canto havaiano de criação que alude a uma prole viajando por conta própria.

    Enquanto a maioria dos asteroides próximos à Terra originam-se do cinturão de asteroides principal — entre as órbitas de Marte e Júpiter — novas pesquisas revelaram que Kamo’oalewa muito provavelmente veio da cratera Giordano Bruno no lado distante da Lua, ou o lado que está voltado para longe da Terra, de acordo com um estudo publicado em 19 de abril na revista Nature Astronomy.

    É a primeira vez que os astrônomos rastrearam um asteroide próximo à Terra potencialmente perigoso até uma cratera lunar, disse o autor principal do estudo Yifei Jiao, um estudioso visitante no Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona e um estudante de doutorado na Universidade Tsinghua em Pequim.

    “Isso foi uma surpresa, e muitos estavam céticos de que poderia vir da lua”, disse o coautor do estudo Erik Asphaug, professor do laboratório da Universidade do Arizona, em comunicado. “Por 50 anos, estivemos estudando rochas coletadas por astronautas na superfície da Lua, bem como centenas de pequenos meteoritos lunares que foram ejetados aleatoriamente por impactos de asteroides de toda a lua que acabaram na Terra. Kamo’oalewa é uma espécie de elo perdido que conecta os dois.”

    Além de ajudar a confirmar a relação potencial de Kamo’oalewa com a lua, as descobertas poderiam eventualmente levar a outras revelações — incluindo como os ingredientes para a vida chegaram à Terra.

    Era uma vez uma cratera

    Com um diâmetro entre 46 e 58 metros, Kamo’oalewa tem cerca da metade do tamanho da roda-gigante London Eye. Durante sua órbita, ela chega a aproximadamente 14,5 milhões de quilômetros da Terra, tornando-se um asteroide potencialmente perigoso que os astrônomos acompanham e estudam para saber mais caso ele chegue muito perto do nosso planeta.

    Pesquisas anteriores se concentraram na refletividade do asteroide, que, ao contrário dos típicos asteroides próximos à Terra, é semelhante aos materiais lunares, bem como na baixa velocidade orbital do asteroide em relação à Terra, uma característica que sugere que ele veio de uma região relativamente próxima.

    Para o novo estudo, os astrônomos usaram simulações para reduzir quais das milhares de crateras da lua poderiam ter sido o ponto de origem do asteroide.

    Com base na modelagem, a equipe determinou que o impactador que potencialmente criou o asteroide precisaria ter pelo menos 1 km de diâmetro para deslocar um fragmento tão massivo. Quando o objeto atingiu a Lua, provavelmente desenterrou Kamo’oalewa de sob a superfície lunar, enviando a rocha espacial voando e deixando uma cratera com mais de 10 a quase 20 quilômetros de diâmetro.

    Essas simulações também ajudaram a equipe a procurar por uma cratera relativamente jovem, considerando que o asteroide é estimado ter apenas alguns milhões de anos, enquanto se acredita que a Lua tenha 4,5 bilhões de anos.

    Veja imagens so Sistema Solar

    Esses parâmetros ajudaram os pesquisadores a se concentrarem em Giordano Bruno, uma cratera com 22 quilômetros e idade estimada em 4 milhões de anos, como o local provável onde Kamo’oalewa começou sua jornada.

    A anatomia de um impacto

    As simulações do estudo mostraram que Kamo’oalewa foi escavada da superfície lunar a vários quilômetros por segundo.

    “Você pensaria que o evento de impacto pulverizaria e distribuiria o (material lunar) para longe e largo”, disse Asphaug. “Mas lá está ele. Então, viramos o problema e nos perguntamos: ‘Como podemos fazer isso acontecer?’”

    Com base em seus modelos, a equipe acredita que o evento de impacto enviou dezenas ou centenas de fragmentos de 10 metros voando para o espaço. No entanto, Kamo’oalewa sobreviveu como um fragmento maciço e singular.

    “Enquanto a maioria desses destroços teria impactado a Terra como meteoritos lunares ao longo de menos de um milhão de anos, alguns objetos sortudos podem sobreviver em órbitas (centradas no Sol) como asteroides próximos à Terra, ainda a serem descobertos ou identificados,” disse Jiao.

    Compreender como um pedaço tão gigantesco da Lua poderia permanecer intacto o suficiente para se tornar um asteroide poderia ajudar os cientistas que estudam a panspermia, ou a ideia de que os ingredientes para a vida podem ter sido entregues à Terra como “caronas orgânicas” em rochas espaciais como asteroides, cometas ou outros planetas.

    “Embora Kamo’oalewa venha de um planeta sem vida, ele demonstra como rochas ejetadas de Marte poderiam carregar vida — pelo menos em princípio,” disse Asphaug.

    Estudar impactos de crateras na Lua também pode ajudar os cientistas a entender melhor as consequências de impactos de asteroides caso um asteroide represente uma ameaça à Terra no futuro.

    “Testar o novo modelo de origem de Kamo’oalewa de uma cratera lunar específica e jovem abre caminho para obter conhecimento da verdade de terra dos danos que impactos de asteroides podem causar a corpos planetários,” disse a coautora do estudo, Renu Malhotra, professora de ciências planetárias na Universidade do Arizona, em um comunicado.

    A missão Tianwen-2 da China, lançada em 2025, visitará Kamo’oalewa com o objetivo de coletar amostras do asteroide e eventualmente trazê-las de volta à Terra.

    “Será diferente de maneiras importantes de qualquer um dos espécimes que temos até agora — uma daquelas peças de conexão que ajudam você a resolver o quebra-cabeça,” disse Asphaug.

    Estudar uma amostra escavada do lado distante da Lua poderia revelar insights sobre uma parte do satélite que tem sido menos estudada e lançar luz sobre a composição de sua subsuperfície. Dado que o impacto provavelmente ocorreu há alguns milhões de anos — relativamente jovem em escalas astronômicas de tempo — as amostras também poderiam ajudar os cientistas a estudar como a radiação espacial causa intemperismo e erosão em asteroides ao longo do tempo.

    “A coisa emocionante é que quando uma missão espacial visita um asteroide e retorna algumas amostras, temos surpresas e resultados inesperados, que geralmente vão além do que estávamos antecipando,” disse o coautor do estudo Dr. Patrick Michel, astrofísico e diretor de pesquisa no Centro Nacional de Pesquisa Científica da França. “Então, qualquer que seja o retorno do Tianwen-2, será uma fonte extraordinária de informações novas, como todas as missões de asteroides até agora.”

    Por muito tempo, os astrônomos pensavam que era impossível que os meteoritos viessem da lua até que meteoritos lunares foram encontrados na Terra, disse Noah Petro, cientista do projeto da Nasa tanto para a Lunar Reconnaissance Orbiter quanto para a Artemis III. Petro não estava envolvido no estudo.

    A esperança é que amostras futuras possam confirmar a origem lunar de Kamo’oalewa.

    “Ir até lá e descobrir é absolutamente uma maneira de fazer isso agora,” disse Petro. “É um ótimo lembrete de que vivemos em um Sistema Solar muito emocionante e vivemos em um canto muito emocionante com nossa Lua. Não há outro lugar, nenhum outro planeta em nosso sistema solar com uma lua como a nossa Lua. E coisas como essa são ótimos lembretes de quão especial é o sistema Terra-Lua.”

    Lua pode ter “virado do avesso” durante formação, diz novo estudo

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original