Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Dona do Pornhub admite que lucrou com tráfico sexual

    Empresa foi condenada a pagar multa de US$ 1,8 milhão; site hospedou vídeos com mulheres que foram coagidas a praticar atos sexuais diante das câmeras por uma produtora

    Como parte do acordo, empresa também estará sujeita a monitoramento por três anos
    Como parte do acordo, empresa também estará sujeita a monitoramento por três anos Rapeepong Puttakumwong/Getty Images

    David Goldmanda CNN

    Durante anos, o Pornhub hospedou vídeos com mulheres que foram coagidas a praticar atos sexuais diante das câmeras por uma produtora, conforme reconheceu a empresa proprietária do site em um acordo com promotores federais esta semana.

    Aylo, empresa controladora do Pornhub, pagará uma multa de US$ 1,8 milhão e compensará as vítimas de tráfico sexual como parte de um acordo de adiamento do processo.

    A companhia se declarou inocente da acusação do governo dos Estados Unidos de se envolver em transações monetárias ilegais envolvendo receitas de tráfico sexual, embora tenha reconhecido que o material ilegal foi publicado no seu site e tenha dito que lamenta esse fato.

    O governo não acusou a própria Aylo de violar quaisquer leis federais sobre tráfico sexual, mas disse que a empresa deveria saber que estava fazendo negócios com um grupo envolvido em tráfico sexual.

    Como parte do acordo, ela também estará sujeita a monitoramento por três anos, e as acusações contra a companhia serão retiradas se ela cumprir o acordo.

    Entre 2017 e 2019, uma produtora pagou a Aylo para transmitir vídeos de pornografia que a companhia sabia que incluía arquivos com mulheres que não deram o seu consentimento para que o conteúdo fosse publicado online, de acordo com a admissão de Aylo e documentos judiciais.

    Em 2016, a empresa começou a receber pedidos de remoção do conteúdo de mulheres que apareciam nos vídeos, afirmando que mentiram para elas.

    Então, em 2017, a Aylo tomou conhecimento de uma ação federal contra a produtora, mostram documentos judiciais.

    Entretanto, ela não deu seguimento a todos os pedidos de remoção, nem tentou verificar de forma independente se as mulheres consentiram que os vídeos aparecessem na Internet, ressaltaram os promotores.

    Mesmo depois que a Aylo retirou os vídeos da produtora do Pornhub em 2019, alguns dos mesmos vídeos foram republicados por outros usuários e permaneceram online, de acordo com documentos judiciais.

    Em nota, a companhia, que está sob nova gestão desde a ocorrência dos supostos incidentes, destacou “lamentar profundamente” que o Pornhub tenha hospedado o conteúdo.

    “Ficamos preocupados ao saber que uma produtora usou meios criminosos para produzir seu conteúdo e apresentou documentação de consentimento que agora sabemos que foi obtida por meio de fraude e coerção”, observou a empresa em comunicado.

    “Devemos estar vigilantes para impedir aqueles que procuram utilizar as nossas plataformas ilegalmente e para responder às ameaças e desafios em constante mudança”, adicionou.

    Breon Peace, procurador dos EUA para o Distrito Leste de Nova York, disse em um comunicado que o acordo de diferimento da acusação responsabiliza “a empresa controladora do Pornhub por seu papel na hospedagem de vídeos”.

    O FBI, a agência federal de investigações dos Estados Unidos, também ressaltou que a empresa deveria ter agido mais rapidamente para remover os vídeos.

    “Motivada pelo lucro, a Aylo Holdings enriqueceu conscientemente ao fechar os olhos às preocupações das vítimas que comunicaram à empresa que foram enganadas e coagidas a participar de atividades sexuais ilícitas”, ponderou o diretor-assistente encarregado do FBI, James Smith.

    O novo diretor de conformidade de Aylo, Solomon Friedman, disse à CNN que a empresa não reconhece qualquer responsabilidade criminal, mas afirmou que a companhia agora possui meios para garantir que um incidente semelhante nunca aconteça novamente.

    De acordo com seu site, a Aylo opera vários outros sites de conteúdo adulto, com nomes como Mofos, YouPorn e MyDirtyHobby. A companhia tem sede no Canadá e é propriedade de uma empresa de private equity, que também é baseada no Canadá, chamada Ethical Capital Partners.

    “Temos tolerância zero com material ilegal e o acordo demonstra que levamos as nossas responsabilidades muito a sério”, ressaltou Friedman em comunicado.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original