Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Família descobre fóssil raro de Tiranossauro rex durante trilha

    Ossos de dinossauro que morreu jovem está exposto em museu para estudo; peças são raras por serem menores e mais difíceis de encontrar

    Família que encontrou o fóssil (no sentido horário a partir do canto superior esquerdo: Sam Fisher, Emalynn Fisher, Danielle Fisher, Liam Fisher, Kaiden Madsen e Jessin Fisher) posando com estrutura de gesso após ser colocada em uma rede de helicóptero
    Família que encontrou o fóssil (no sentido horário a partir do canto superior esquerdo: Sam Fisher, Emalynn Fisher, Danielle Fisher, Liam Fisher, Kaiden Madsen e Jessin Fisher) posando com estrutura de gesso após ser colocada em uma rede de helicóptero Dr. Tyler R. Lyson/Divulgação

    Jacopo Priscoda CNN

    Um pai, seus dois filhos e o primo deles estavam em uma caminhada nas Badlands da Dakota do Norte, nos Estados Unidos, em 2022, quando encontraram algo que parecia a perna de um dinossauro saindo de uma rocha.

    Sam Fisher, seus filhos, Jessin e Liam, então com 10 e 7 anos, e o primo deles, Kaiden Madsen, 9, eram caçadores amadores de fósseis há anos e sabiam que a área — a Formação Hell Creek — era rica em fósseis, já que foram encontrados lá alguns dos esqueletos de Tyrannosaurus rex mais famosos do mundo. Eles não sabiam, no entanto, que estavam fazendo uma descoberta científica significativa.

    “Meu pai chamou Jessin e Kaiden para verem, e eles vieram correndo”, disse Liam durante uma conversa com jornalistas, realizada nesta semana, em Denver. “Papai perguntou: ‘O que é isso?’ E Jessin disse: ‘Isso é um dinossauro!’”

    Eles posaram para uma foto com os ossos e Fisher enviou a imagem para o paleontólogo e curador do Denver Museum of Nature & Science, Dr. Tyler Lyson, que havia sido seu colega de escola. O museu revelou o “Teen Rex”, um raro esqueleto juvenil de T. rex, um dos poucos existentes. O público poderá vê-lo ser extraído da rocha em uma exposição que será inaugurada em 21 de junho.

    Fósseis no Denver Museum of Nature & Science
    Fósseis no Denver Museum of Nature & Science / Rick Wicker/Divulgação

    “Pensamento positivo”

    Quando ele recebeu pela primeira vez a foto do osso da perna, Lyson pensou que estava olhando para um dinossauro bico de pato. “Eu não sabia que era um T. rex, porque tudo o que eu tinha eram fotos e a articulação do joelho parecia um bico de pato”, disse ele. “Mais tarde, comecei a olhar as fotos com mais atenção. E a maneira como o osso estava se fragmentando em camadas indicava que poderia ser um dinossauro carnívoro.”

    Ele então enviou mensagens para seus amigos paleontólogos, verificando se alguém achava que poderia ser um T. rex. “Eles disseram: ‘Não, parece um bico de pato.’ E eu pensei, ok, provavelmente é só pensamento positivo.”

    Lyson organizou uma escavação em julho de 2023, levando junto a família dos descobridores. “As crianças estiveram conosco em cada passo do caminho, o que foi ótimo”, disse ele. “Percebemos que era um T. rex no primeiro dia. Estávamos com as câmeras rodando enquanto isso acontecia.”

    Ele esperava encontrar um osso do pescoço, o que ajudaria a distinguir entre um dinossauro bico de pato ou um T. rex, pois eles são diferentes nas duas espécies. Em vez disso, ele encontrou algo muito melhor: “Desenterramos uma mandíbula inferior com um monte de dentes saindo”, o que ele acredita ser uma prova inconfundível de que o fóssil era o que ele desejava.

    “Eu fiquei completamente sem palavras”, disse Jessin Fisher sobre o momento em que percebeu que o fóssil era de fato um T. rex. Eles então removeram a rocha sobreposta e, ao longo de 11 dias, desenterraram cuidadosamente a camada de arenito de 66 milhões de anos contendo o fóssil, coletada em uma jaqueta de gesso de 2,7 metros de comprimento por 1,5 metros de largura, pesando mais de 2.700 mil quilos.

    Era pesado demais para um helicóptero comum levantar, então um Black Hawk mais avançado foi chamado. Menos de um ano depois, a peça está prestes a se tornar uma exposição ao vivo no museu, durante a qual os visitantes poderão assistir os cientistas limparem o fóssil e separarem os ossos individuais — um processo que pode levar até um ano, disse Lyson.

    Um documentário de 40 minutos intitulado “T-REX” será exibido na exposição; ele inclui imagens dos bastidores da escavação do fóssil.

    Reconstrução da antiga paisagem de 67 milhões de anos da Dakota do Norte com um Tyrannosaurus rex juvenil
    Reconstrução da antiga paisagem de 67 milhões de anos da Dakota do Norte com um Tyrannosaurus rex juvenil / Andrey Atuchin (artist) and Denver Museum of Nature & Science

    Descobertas de T. Rex Juvenil: um tema quente

    Com base em estimativas iniciais, Lyson acredita que o fóssil seja de um jovem T. rex que morreu de causa desconhecida quando tinha entre 13 e 15 anos. Ele tinha cerca de 7,6 metros de comprimento e pesava em torno de 1.600 quilos. Um T. rex adulto tinha, em média, 12 metros de comprimento e pesava pelo menos 3.600 quilos, segundo Lyson. O esqueleto está cerca de 30% completo, mas Lyson disse que os ossos estão em boas condições.

    “Sabemos que temos uma perna articulada com os ossos do quadril, algumas vértebras da cauda e acho que uma parte decente do crânio. Esperamos que haja muito mais do esqueleto dentro da rocha, mas é estranho que não tenhamos nenhuma das costelas, os braços e as vértebras — pode ser que haja mais da onde isso veio”, disse ele, acrescentando que está fazendo planos para voltar à Formação Hell Creek e escavar mais.

    Fósseis de dinossauros juvenis são raros por serem menores e, portanto, mais difíceis de encontrar e mais propensos a terem sido consumidos após a morte devido aos seus ossos mais macios, disse Lyson. Uma vez que os pesquisadores isolem um osso, poderão analisá-lo cuidadosamente e obter mais informações sobre o fóssil, e talvez confirmar se é um T. rex juvenil ou outra coisa.

    Essa distinção é um tema quente na paleontologia no momento e um artigo publicado este ano argumentou que alguns dos poucos esqueletos de T. rex juvenis encontrados podem pertencer a uma espécie separada chamada Nanotyrannus.

    “Esse tem sido um debate ferozmente disputado, o Nanotyrannus versus Tyrannosaurus Rex”, disse Lyson. “Ainda acho que o nosso é um juvenil, porque é grande demais para ser um Nanotyrannus. Há outras coisas que sugerem que seja jovem em termos de maturidade esquelética. Sem dúvida, este espécime terá um peso significativo nesse debate. Será mais um ponto de dados para que as pessoas façam seus argumentos e isso é importante.”

    Uma vez concluídos os exames dos ossos, Lyson trabalhará em um estudo científico detalhando a descoberta, que ele pretende publicar nos próximos dois anos.

    Nick Longrich, paleontólogo e biólogo evolucionista da Universidade de Bath, no Reino Unido, e um dos autores do artigo sobre o Nanotyrannus, disse que confirmar a descoberta de um T. rex juvenil seria extraordinário. “Tyrannosaurus não é comum e dinossauros juvenis são incrivelmente raros, então jovens T. rex são os mais raros dos raros”, disse ele.

    “Por essa razão, sou cético. Até agora, quase todos os ‘T. rex juvenis’ são na verdade adultos de seu primo menor, Nanotyrannus. Não sabendo mais nada sobre isso, eu tenderia a adivinhar que é isso que eles têm”, acrescentou Longrich. “Mas se eles finalmente têm um bom esqueleto de um pequeno T. rex, isso seria bastante notável e ótimo de ver — é uma espécie de Santo Graal dos fósseis de dinossauros da Hell Creek. Estou ansioso para ver o artigo.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original