Google é multada em US$ 169 milhões na França por infração no uso de cookies

Facebook foi multada em mais de US$ 67 milhões pelo mesmo motivo, disse a CNIL.

REUTERS/Thomas Peter
REUTERS/Thomas Peter REUTERS/Thomas Peter

Por Mathieu Rosemain, da Reuters

Ouvir notícia

A agência francesa de privacidade de dados CNIL disse nesta quinta-feira (6) que multou a Google, da Alphabet, em um recorde de € 150 milhões (US$ 169 milhões) por dificultar a recusa por parte dos usuários de rastreadores online conhecidos como cookies.

A Facebook, da Meta Platforms, também foi multada em € 60 milhões (US$ 67,8 milhões) pelo mesmo motivo, disse a CNIL.

O consentimento prévio dos usuários para o uso de cookies – pequenos fragmentos de dados que ajudam a construir campanhas publicitárias digitais direcionadas – é um pilar fundamental da regulamentação de privacidade de dados da União Europeia e uma das principais prioridades da CNIL.

“Quando você aceita cookies, isso é feito com apenas um clique”, disse Karin Kiefer, chefe da CNIL para proteção de dados e sanções. “Rejeitar cookies deveria ser tão fácil quanto aceitá-los.”

Em seu comunicado, a agência disse ter descoberto que os sites facebook.com, google.fr e youtube.com — que pertence à Google — não permitiam a recusa de cookies facilmente.

A CNIL afirmou que as empresas têm três meses para cumprir as instruções ou vão enfrentar uma penalização extra de € 100 mil por dia de atraso.

Isso inclui a obrigação da Google e da Facebook de fornecer aos internautas franceses ferramentas mais simples para a recusa de cookies, a fim de garantir seu consentimento.

“As pessoas confiam em nós para respeitar seu direito à privacidade e mantê-las seguras. Entendemos nossa responsabilidade de proteger essa confiança e estamos nos comprometendo com mudanças futuras e um trabalho ativo com a CNIL à luz dessa decisão”, disse um porta-voz da Google.

A Facebook não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. A multa recorde anterior aplicada pela CNIL, em 2020, também atingiu a Google e foi de € 100 milhões.

Na época, a CNIL descobriu que os sites franceses da Google não buscavam o consentimento prévio dos visitantes antes que os cookies fossem salvos nos computadores e a empresa não forneceu informações claras à agência sobre como pretendia usá-los.

Kiefer, da CNIL, disse que os problemas foram resolvidos desde então.

Em 2020, a CNIL endureceu os direitos de consentimento sobre os rastreadores de anúncios, estipulando que os sites na França devem manter um registro da recusa aos cookies pelos usuários por pelo menos seis meses.

Além disso, os usuários devem ter a possibilidade de facilmente reconsiderar qualquer acordo inicial sobre cookies por meio de um link da web ou de um ícone que deve estar visível em todas as páginas do site.

Mais Recentes da CNN