Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lado escuro da Lua pode ser totalmente diferente do que vemos no céu, diz estudo

    Parte mais distante do satélite está coberta de marcas e crateras

    Durante o mês de maio, também será possível observar o encontro da Lua e Marte nesta sexta-feira (15) e a conjunção de Mercúrio e Vênus, no dia 22.
    Durante o mês de maio, também será possível observar o encontro da Lua e Marte nesta sexta-feira (15) e a conjunção de Mercúrio e Vênus, no dia 22. Foto: Paula Mariane / CNN

    Katie Huntda CNN*

    Ouvir notícia

    O lado mais distante da Lua, que nunca podemos ver do nosso ponto de vista na Terra, parece surpreendentemente diferente do orbe que estamos acostumados a ver no céu noturno.

    O lado próximo com o qual estamos tão familiarizados parece mais escuro em alguns lugares — o resultado dos vastos fluxos de lava antigos, chamados mare lunar. Enquanto o lado distante está coberto de marcas e crateras, mas não mare.

    Por que os dois lados da Lua são tão diferentes há muito tempo intriga os cientistas espaciais. No entanto, um estudo publicado na semana passada na revista Science Advances apresentou uma nova explicação para esse mistério lunar.

    Pesquisadores da Brown University estudaram a maior cratera de impacto na Lua, conhecida como bacia do Polo Sul-Aitken (ou SPA). Com cerca de 2.600 quilômetros de largura e cinco milhas de profundidade, foi formado por um objeto espacial maciço que colidiu com a Lua — talvez um planeta anão rebelde — quando o sistema solar estava sendo formado.

    Os cientistas descobriram que o impacto que formou a bacia teria criado uma enorme nuvem de calor que se espalhou pelo interior da Lua, de acordo com o comunicado. Essa pluma teria carregado certos materiais para o lado mais próximo do satélite, alimentando o vulcanismo que criou as planícies vulcânicas.

    “Sabemos que grandes impactos como o que formou o SPA criariam muito calor”, disse Matt Jones, doutorando na Universidade de Brown e principal autor do estudo, em um comunicado à imprensa.

    “A questão é como esse calor afeta a dinâmica interior da Lua. O que mostramos é que sob quaisquer condições plausíveis no momento em que o SPA se formou, ele acaba concentrando esses elementos produtores de calor no lado próximo.

    “Esperamos que isso tenha contribuído para o derretimento do manto que produziu os fluxos de lava que vemos na superfície”.

    As planícies vulcânicas no lado mais próximo da Lua abrigam um grupo de elementos, incluindo potássio, elementos de terras raras, fósforo, entre outros — conhecido como terreno Procellarum KREEP (PKT), que é raro em outros lugares do satélite.

    Os pesquisadores realizaram simulações de computador de como o calor gerado por um impacto gigante alteraria os padrões de transferência de calor no interior da Lua e como isso poderia redistribuir o material KREEP no manto lunar.

    De acordo com seu modelo, o material KREEP teria surfado a onda de calor que emana da zona de impacto “como um surfista”, se o impacto foi um golpe direto ou apenas roçou a lua. À medida que a pluma de calor se espalhava sob a crosta da Lua, esse material acabou sendo entregue ao lado mais próximo.

    “Como o PKT se formou é sem dúvida a questão em aberto mais significativa na ciência lunar”, disse Jones no comunicado à imprensa.

    “E o impacto do Polo Sul-Aitken é um dos eventos mais significativos da história lunar. Este trabalho reúne essas duas coisas e acho que nossos resultados são realmente empolgantes.”

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN