Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Moléculas de água são detectadas na superfície de asteroides pela primeira vez

    Dados foram coletados a partir de um instrumento em telescópio aéreo agora já aposentado

    Dados do Observatório Estratosférico de Astronomia em Infravermelho da Nasa revelaram moléculas de água na superfície de dois asteroides diferentes
    Dados do Observatório Estratosférico de Astronomia em Infravermelho da Nasa revelaram moléculas de água na superfície de dois asteroides diferentes NASA/Carla Thomas/SwRI

    Ashley Stricklandda CNN

    Moléculas de água foram detectadas na superfície de asteroides pela primeira vez, provando que esses remanescentes da formação de nosso sistema solar não são apenas rochas espaciais secas.

    Astrônomos acreditam que o impacto de asteroides colidindo com nosso planeta pode ter ajudado a entregar água e outros elementos à Terra primitiva, então encontrar evidências de água em asteroides poderia apoiar essa teoria, de acordo com um novo estudo.

    Os dados foram coletados a partir de um instrumento no telescópio aéreo Stratospheric Observatory for Infrared Astronomy, agora aposentado. Chamado de SOFIA, o telescópio infravermelho voou a bordo de um avião Boeing 747SP modificado para voar através da estratosfera acima de 99% da atmosfera da Terra, que bloqueia a luz infravermelha.

    O instrumento Faint Object infraRed CAmera for the SOFIA Telescope, ou instrumento FORCAST, permitiu que os astrônomos detectassem moléculas de água em Iris e Massalia, dois asteroides no cinturão principal de asteroides entre as órbitas de Marte e Júpiter. Ambos estão a mais de 223,1 milhões de milhas do sol.

    As descobertas foram publicadas na segunda-feira no The Planetary Science Journal.

    Os astrônomos foram inspirados a usar o SOFIA para estudar asteroides depois que o telescópio detectou evidências de água na lua, disse a autora principal do estudo, Dra. Anicia Arredondo, cientista pesquisadora do Southwest Research Institute em San Antonio.

    Evidências de hidratação já haviam sido encontradas nos dois asteroides anteriormente pela coautora do estudo, Dra. Maggie McAdam, cientista pesquisadora no Centro de Pesquisa Ames da Nasa em Mountain View, Califórnia, enquanto usava um telescópio diferente. Mas os pesquisadores não tinham certeza se a água ou outro composto molecular, como o hidroxila, causou a hidratação, disse Arredondo.

    “Nossas novas observações com SOFIA disseram definitivamente que o que eles viram era de fato água”, disse Arredondo. “Mas esses objetos fazem parte da classe S de asteroides, o que significa que são principalmente feitos de silicatos, e até os resultados da Dra. McAdam, eles eram considerados completamente secos.”

    Conheça os planetas do Sistema Solar

    A quantidade de água que a equipe detectou era aproximadamente equivalente à de uma garrafa de água de 12 onças presa dentro de um metro cúbico de solo, disse Arredondo, o que é comparável à descoberta da lua pelo SOFIA. O telescópio detectou a assinatura de moléculas de água em uma das maiores crateras no hemisfério sul da lua em 2020.

    Assim como a água encontrada na superfície lunar, “em asteroides, a água também pode estar ligada a minerais, bem como adsorvida a silicatos e presa ou dissolvida em vidro de impacto de silicato”, disse Arredondo.

    Os asteroides são os restos da formação dos planetas em nosso sistema solar. Estudar suas composições pode dizer aos astrônomos de onde os asteroides se originaram em nosso bairro cósmico.

    “Quando o sistema solar estava se formando, diferentes materiais se formaram com base em sua distância ao Sol porque o material (mais distante) do Sol esfriou mais rápido (do que) o material mais próximo ao Sol”, disse Arredondo por e-mail. “É por isso que os planetas internos como Terra e Marte são feitos de rocha e os planetas externos como Netuno e Urano são feitos de gelo e gás.”

    Detectar água em Iris e Massalia pode ajudar os astrônomos a rastrear a história desses asteroides específicos, sugerindo que sua formação ocorreu longe o suficiente do sol para evitar que sua água fosse evaporada pelo calor.

    Busca por água em todo o sistema solar
    Os pesquisadores tentaram procurar água em dois outros asteroides usando SOFIA, mas a detecção foi muito fraca. Agora, a equipe está usando o Telescópio Espacial James Webb para se concentrar em diferentes asteroides e procurar por assinaturas de água.

    Embora as observações de Webb estejam em andamento, Arredondo disse que os resultados preliminares encorajaram a equipe a solicitar tempo para observar mais 30 asteroides usando o poderoso telescópio infravermelho.

    “O telescópio JWST é muito maior que o telescópio SOFIA, então ele pode coletar dados com maior qualidade, e pode coletar dados para mais asteroides em um período de tempo mais curto”, disse Arredondo. “Espero poder observar muitos asteroides diferentes com o JWST para procurar esta assinatura de água, e espero poder fazer um inventário da água no cinturão de asteroides.”

    Webb poderia ajudar os astrônomos a entender melhor a distribuição de água em todo o sistema solar, bem como a composição de diferentes tipos de asteroides.

    “Realmente não estávamos esperando encontrar água nesses asteroides ricos em silicatos”, disse Arredondo. “Principalmente quando falamos sobre hidratação em asteroides, estamos falando de asteroides mais ricos em carbono, como o asteroide Bennu para o qual a missão OSIRIS-REx da Nasa foi. Então agora eu quero procurar tendências entre a quantidade de hidratação e a composição. Eu quero saber se os asteroides ricos em carbono têm significativamente mais água do que os asteroides ricos em silicatos, ou se têm quantidades semelhantes.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original