Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Múmias de ratos são encontradas em ambiente hostil no topo das montanhas dos Andes

    Condições nos locais são extremas, com temperaturas congelantes de até 40 graus Celsius negativos

    Uma espécie de rato com orelhas de folha, chamado Phyllotis vaccarum, surpreendeu os cientistas ao fazer dos cumes das montanhas dos Andes o seu lar. O rato detém o recorde de mamífero vivo em local mais alto
    Uma espécie de rato com orelhas de folha, chamado Phyllotis vaccarum, surpreendeu os cientistas ao fazer dos cumes das montanhas dos Andes o seu lar. O rato detém o recorde de mamífero vivo em local mais alto Marcial Quiroga-Carmona

    Taylor Niciolida CNN

    Com temperaturas congelantes de até 40 graus Celsius negativos e vegetação centenas e às vezes milhares de metros abaixo do topo das montanhas, os cumes das montanhas dos Andes mantêm um ambiente extremamente hostil.

    Então, como uma espécie de rato com orelhas de folha fez desta terra árida seu lar?

    Essa é a pergunta que uma equipe de cientistas da Argentina, Chile, Bolívia e Estados Unidos está tentando responder depois de descobrir 13 ratos mumificados em altitudes acima de 6 mil metros no planalto do Atacama, no Chile e na Argentina. 

    A descoberta prova ainda mais que a espécie é o mamífero que vive mais alto no mundo, de acordo com o estudo publicado recentemente na Current Biology.

    Os ratos, chamados Phyllotis vaccarum, são comumente encontrados vivendo nas montanhas dos Andes, em altitudes mais baixas, até o  nível do mar.

    Em 2020, um rato vivo foi registrado no cume do Llullaillaco, um vulcão com 6.739 metros de altitude na fronteira com o Chile. Atualmente detém o recorde mundial de mamífero vivo em local mais alto, disse Jay Storz, co-autor do estudo novo e de 2020.

    A descoberta do rato vivo estimulou Storz a realizar expedições em 21 vulcões diferentes. Os 13 ratos mumificados foram encontrados nos vulcões Salín, Púlar e Copiapό.

    “Cada vez que encontramos algo nessas altitudes extremas, ficamos completamente impressionados”, disse Storz, professor de biologia na Universidade de Nebraska-Lincoln. “É realmente difícil exagerar o quão inóspitos são esses ambientes.”

    No cume destes vulcões, cada lufada de ar contém apenas cerca de 40% do oxigénio disponível ao nível do mar, disse Storz. As temperaturas também raramente sobem acima de zero e as forças do vento são extremamente fortes, uma vez registadas a mais de 116 milhas por hora a partir de uma estação meteorológica da National Geographic a 6.505 metros.

    Além disso, o ambiente foi descrito como semelhante ao de Marte. Em 2021, investigadores da Nasa estudaram o ambiente em um esforço para “compreender como os blocos de construção da vida podem responder às condições marcianas ao longo do tempo”, de acordo com o seu site.

    Múmias de ratos liofilizados

    Embora as condições não sejam ideais para criaturas vivas, elas criam condições perfeitas para preservação, já que os ratos são essencialmente liofilizados, disse Storz. Em circunstâncias normais, é difícil encontrar ratos mumificados, uma vez que a maioria das mortes é causada por predadores. Mas no alto das montanhas os ratos não têm predadores.

    Os pesquisadores realizaram datação por radiocarbono  — um método que usa a quantidade de carbono do material do organismo para estimar sua idade — que indicou que as múmias mais antigas não tinham mais de 350 anos, enquanto algumas poderiam ter morrido recentemente, de acordo com o estudo.

    Storz apontou para relatos anteriores sobre o roedor, onde os arqueólogos pensavam que os ratos seriam usados ​​como parte de rituais incas. Como as amostras não são tão antigas quanto a civilização Inca (mais de 500 anos), essa teoria foi descartada.

    “Ainda é um mistério a razão pela qual eles estão lá — por que ascenderiam a essas elevações extremas — mas também está claro que eles chegaram lá por conta própria”, disse Storz, que também observou que a equipe encontrou evidências de tocas ativas nas altas altitudes.

    A equipe de pesquisadores está atualmente conduzindo pesquisas em 31 camundongos presos em armadilhas vivas, incluindo o camundongo recordista, para tentar entender como a espécie pode sobreviver em condições extremas, disse Storz. A pesquisa também incluirá análises do conteúdo intestinal para descobrir o que os ratos têm comido.

    Uma teoria é que os ratos comem líquenes, uma combinação entre um fungo e uma alga, disse Storz, que também é uma parte comum da dieta de alguns mamíferos do Ártico, outro exemplo de um ambiente árido e estéril.

    Os líquenes, assim como outros musgos e pequenos artrópodes, desenvolvem-se a partir da saída de vapor de água e gases quentes da crosta do solo do vulcão,  disse o ecologista Emmanuel Fabián Ruperto, do Instituto Argentino de Pesquisa em Terras Secas em Mendoza, Argentina, à CNN por e-mail.

    Uma segunda teoria é que fragmentos de plantas, pequenos insetos e outros recursos alimentares são transportados pelo vento para o topo das montanhas, disse Fabián-Ruperto.

    “Acreditava-se que a vida em altitudes tão elevadas era impossível para os mamíferos”, disse Fabián-Ruperto, que não esteve envolvido no estudo. “Estas observações ultrapassam os registros anteriores no Himalaia e em outras cadeias de montanhas, desafiando o que pensávamos saber sobre as capacidades de sobrevivência das espécies.”

    A vida em ambientes extremos

    O rato com orelhas de folha pesa em média 55 gramas. Com mais pesquisas, os cientistas esperam aprender como o pequeno rato consegue manter uma temperatura corporal estável em altitudes tão elevadas, quando a taxa de perda de calor poderia levar o camundongo à hipotermia e à morte em poucos minutos, disse Fabián-Ruperto.

    Uma das principais razões para o sucesso da espécie pode ser a sua adaptabilidade em altitudes mais elevadas, onde se observou que os ratos são ativos durante o dia, em vez de noturnos como os seus homólogos de baixa altitude, disse Storz.

    “A vida parece sempre encontrar um caminho, não importa quão hostil o ambiente possa ser”, disse Storz. Ele espera que esta descoberta ilumine como a evolução pode equipar os animais para viverem em ambientes originalmente considerados inabitáveis.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original