Novo relatório apresenta roteiro para exploração do Sistema Solar no futuro

Pesquisa recomenda uma sonda para explorar gigantes de gelo

Quarto planeta no sistema solar, Marte é alvo de missões espaciais há décadas
Quarto planeta no sistema solar, Marte é alvo de missões espaciais há décadas Foto: Getty Images

Ashley Stricklandda CNN

Ouvir notícia

Mundos misteriosos e gelados em nosso sistema solar devem ser uma prioridade de exploração daqui para frente, de acordo com um novo relatório publicado nesta terça-feira (19).

A pesquisa decenal planetária recomenda o primeiro Uranus Orbiter and Probe (Sonda e órbitador de Urano, na tradução livre) dedicado como a próxima grande missão da Nasa.

A espaçonave realizaria um tour orbital do gigante de gelo durante os sobrevoos e entregaria uma sonda para explorar a atmosfera do sétimo planeta a partir do Sol. E um lançamento em 2031 ou 2032 “é viável”, segundo os autores do relatório.

Procurar evidências de vida na lua de Saturno, Enceladus, deve ser a segunda prioridade da Nasa, de acordo com o relatório.

Enceladus contém um oceano líquido sob uma crosta gelada, e o Enceladus Orbilander orbitaria a lua e pousaria na superfície, estudando plumas de água que sobem através de rachaduras na concha de gelo.

A pesquisa, produzida pelas Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina, também identifica outras prioridades científicas para a próxima década, incluindo defesa planetária contra objetos próximos da Terra, uma nova abordagem para estudar Marte e explorar e amostrar outros mundos.

Este relatório difere da pesquisa decenal Astro2020, lançada em novembro, que é mais focada em desvendar os segredos do universo e identificar mundos fora do nosso Sistema Solar.

“O relatório apresenta uma visão ambiciosa, mas praticável, para o avanço das fronteiras da ciência planetária, astrobiologia e defesa planetária na próxima década”, disse Robin Canup, vice-presidente assistente da Diretoria de Ciências Planetárias do Southwest Research Institute, e co-presidente do comitê diretor das Academias Nacionais para a pesquisa decenal, em um comunicado.

Debaixo do gelo

Os autores do relatório veem o Uranus Orbiter e Probe como uma forma de revolucionar o conhecimento que os astrônomos têm sobre os gigantes do gelo em geral. Nosso sistema solar é o lar de dois — Urano e Netuno — ambos feitos de gelo, metano e amônia com um pequeno núcleo rochoso.

Apenas uma missão voou anteriormente pelos dois planetas: a Voyager 2 da Nasa em 1989. O resto do que os cientistas sabem sobre esses planetas distantes foi coletado usando telescópios como o Hubble.

Mas nenhuma missão estudou Urano de perto e em detalhes.

É um pouco excêntrico, girando de lado. Tem 13 anéis, 27 luas e uma cor azul-esverdeada característica do metano em sua atmosfera. O planeta não tem uma superfície verdadeira, já que a maior parte de sua composição é um fluido em turbilhão.

Os cientistas estão interessados ​​em aprender sobre sua dinâmica atmosférica, campo magnético complexo e o que levou à criação de sua inclinação e anéis extremos. E algumas das luas maiores que orbitam o planeta podem ser mundos oceânicos.

O Uranus Orbiter and Probe pode conseguir mais informações sobre a origem, interior, atmosfera, luas e anéis do planeta.

Enquanto isso, os cientistas planetários esperam há anos pilotar uma espaçonave através das plumas ativas de gás e partículas que surgem do oceano interior de Encélado. O Enceladus Orbilander poderia estudar diretamente se o oceano da lua é habitável.

A missão Enceladus buscaria evidências de vida e determinaria se ela poderia existir no mundo oceânico. Se a missão fosse lançada no final desta década, provavelmente chegaria à Lua distante no início dos anos 2050.

Há também uma sugestão para uma missão separada que poderia conduzir vários sobrevôos de Encélado se o Orbilander não for viável.

Outros destinos

O relatório também recomenda que a Nasa envie missões para devolver amostras do planeta anão Ceres, bem como a superfície de um cometa. A missão Ceres pode avaliar se o planeta anão, que pode ser encontrado no cinturão principal de asteroides entre Marte e Júpiter, é habitável.

Outras missões na lista incluem um explorador de Vênus, uma sonda para voar pela atmosfera de Saturno e um orbitador em torno da lua de Saturno, Titã.

Titã é de interesse para os pesquisadores porque sua atmosfera densa abriga moléculas prebióticas, que é uma característica semelhante à forma como a atmosfera da Terra começou antes do surgimento da vida. A missão Titan investigaria se a lua poderia abrigar vida.

O relatório sugere o envio de um orbitador e um módulo de pouso para um dos Centauros, ou pequenos corpos gelados primitivos encontrados entre Júpiter e Netuno.

Quando se trata de Marte, os autores recomendam continuar com o programa atual do rover e a missão de várias etapas para devolver amostras de Marte à Terra. Mas eles também incentivam a criação do Mars Life Explorer, uma missão que procuraria a vida existente e determinaria se é possível que exista vida em Marte hoje.

Há também o desejo de garantir que o esforço científico seja maximizado à medida que os humanos retornam à Lua por meio do programa Artemis da Nasa, coletando amostras lunares e instalando instrumentos na superfície que podem revelar mais sobre sua história.

Entender mais sobre objetos próximos da Terra, como rastrear e detectar rochas espaciais que podem representar uma ameaça à Terra, é uma prioridade clara.

Os autores recomendam que a Nasa desenvolva e lance o NEO Surveyor, uma missão infravermelha que poderia fornecer uma base melhor para modelar e prever os movimentos de objetos próximos da Terra. Por sua vez, essas informações ajudariam no projeto de missões de deflexão.

Uma vez que a missão DART existente da Nasa, ou o Teste de Redirecionamento de Asteroides Duplos, e o NEO Surveyor fornecerem dados, os próximos passos seriam uma missão de reconhecimento de resposta rápida para atingir um objeto próximo da Terra entre 50 a 100 metros de diâmetro. Esses objetos têm a maior probabilidade de causar destruição em massa caso colidam com a Terra.

“Este portfólio recomendado de missões, atividades de pesquisa de alta prioridade e desenvolvimento de tecnologia produzirão avanços transformadores no conhecimento e compreensão humanos sobre a origem e evolução do Sistema Solar, e da vida e da habitabilidade de outros corpos além da Terra”, disse Canup.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN