Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pescoço da girafa não evoluiu para pegar folhas, mas para disputa por fêmeas, diz estudo

    Quando as girafas machos competem pelo "namoro", elas usam o pescoço para ferir o oponente

    Esta ilustração compara a cabeçada de uma girafa extinta chamada Discokeryx xiezhi (primeiro plano) com o estilo de luta de pescoço das girafas modernas (fundo).
    Esta ilustração compara a cabeçada de uma girafa extinta chamada Discokeryx xiezhi (primeiro plano) com o estilo de luta de pescoço das girafas modernas (fundo). WANG Yu and GUO Xiaocong

    Ashley Stricklandda CNN

    Um estranho parente primitivo da girafa, que viveu há 17 milhões de anos, evoluiu perfeitamente para ter uma proteção tão forte na cabeça, que se assemelha a um capacete, de acordo com uma nova pesquisa.

    A girafa excêntrica não tinha o pescoço longo da girafa de hoje. Em vez disso, o animal antigo, adaptado para lutas ferozes, usava proteção semelhante a capacetes e tinha as articulações cabeça-pescoço mais complexas já vistas em um mamífero.

    A equipe de pesquisa apelidou essa criatura de Discokeryx xiezhi. Nas lendas chinesas, xiezhi é uma criatura mítica de um chifre que se assemelha a uma cabra.

    O fóssil foi encontrado pela primeira vez na bacia de Junggar, no noroeste da China, em 1996, e agora, pesquisadores o estudam no Instituto de Paleontologia e Paleoantropologia de Vertebrados da Academia Chinesa de Ciências em Pequim desde então. Desde que esse foi descobertos, mais fósseis foram recuperados.

    No início, os cientistas não tinham certeza do que estavam vendo enquanto estudavam o crânio incomum e quatro vértebras cervicais. Foi apenas nos últimos três anos que pesquisadores perceberam que esse estranho fóssil pertencia a um girafídeo – e que isso pode ajudá-los a descobrir como as girafas evoluíram.

    Evolução

    Desde a época de Charles Darwin, cientistas tentam entender por que a girafa, o mamífero terrestre mais alto, desenvolveu um pescoço tão longo. Muitos pesquisadores acreditavam que era para que o animal pudesse alcançar folhagens altas. Ao estudarem o comportamento das girafas, perceberam que o longo pescoço serve para outro propósito. Quando as girafas machos competem pelo namoro com as fêmeas, elas o usam para lutar umas com as outras.

    Os pescoços musculosos, que podem ter cerca de dois a três metros de comprimento, podem ser usados ​​para esmagar seus crânios pesados, armados com estruturas ósseas cobertas de pele chamadas ossicones, contra as partes mais fracas do pescoço de um rival. Em suma, quanto mais longo o pescoço, maior a chance de causar danos graves.

    À medida que os pesquisadores estudavam o Discokeryx xiezhi, eles começaram a preencher as peças que faltavam na evolução das girafas, incluindo a evolução de um pescoço longo, comportamentos de luta e pressão ambiental para alcançar a vegetação.

    A girafa macho com o pescoço mais longo está no topo da hierarquia social, e sua necessidade de competir pelas fêmeas é a principal razão pela seu pescoço evoluiu para se tornar longo.

    Um estudo detalhando as descobertas publicado na quinta-feira (2) na revista Science.

    “Tanto as girafas vivas quanto o Discokeryx xiezhi pertencem à superfamília Giraffidae. Embora suas morfologias de crânio e pescoço sejam muito diferentes, ambas estão associadas a lutas de corte masculinas e ambas evoluíram em uma direção extrema”, disse o autor do estudo, Shiqi Wang, professor associado no Instituto de Paleontologia e Paleoantropologia de Vertebrados da Academia Chinesa de Ciências.

    Moldado para bater cabeça

    Discokeryx xiezhi tinha um crânio fortemente adaptado, ou os ossos grossos que cercam o cérebro. O teto de seu crânio tinha mais de 2,5 centímetros de espessura, o que era incrivelmente forte para um animal do tamanho de uma ovelha, disse o coautor do estudo Jin Meng, curador responsável por mamíferos fósseis no Museu Americano de História Natural.

    A parte de cima do crânio também tinha uma superfície grande e plana onde crescia um único chifre grande em forma de disco para dar cabeçadas.

    E o animal tinha uma base de crânio grossa e ossos do pescoço que eram especializados para absorver impactos extremos, perceberam os pesquisadores.

    As complexas articulações entre o crânio e os ossos do pescoço impediram a quebra do pescoço. Essa estrutura sugere que o Discokeryx xiezhi evoluiu para dar fortes cabeçadas do que qualquer animal vivo, incluindo bois almiscarados, que regularmente sofrem impactos na cabeça.

    A equipe comparou a estrutura do chifre em girafas e girafídeos com gado, veados, dentes de chifre e ovelhas, e determinou que as girafas têm uma maior diversidade de formas de chifre. Esta descoberta sugere que a competição por parceiros é mais intensa do que em outros mamíferos com chifres.

    Pressão ambiental

    Para determinar o ambiente do Discokeryx xiezhi, os cientistas estudaram o esmalte dos dentes. Eles descobriram que o girafídeo vivia em pastagens abertas com árvores e arbustos irregulares e pode ter migrado com base nas estações do ano. Durante o período Mioceno, há 17 milhões de anos, a Terra era quente e coberta de florestas.

    A região de Xinjiang, que abrigava o girafídeo, era mais árida devido à ascensão do planalto tibetano no sul, que bloqueava o movimento do vapor d’água. O clima mais seco criou um habitat mais estéril, o que pode ter criado pressões ambientais sobre a capacidade de sobrevivência do Discokeryx xiezhi — daí a intensa luta pelas fêmeas.

    Quando as primeiras girafas começaram a aparecer há cerca de sete milhões de anos, elas experimentaram um ambiente semelhante quando o Planalto da África Oriental mudou de floresta para pastagens abertas.

    Esta ilustração mostra a diversidade de animais que viviam na bacia de Junggar, na China, há 17 milhões de anos. / GUO Xiaocong

    Esses ancestrais das girafas tiveram que se adaptar e podem ter desenvolvido seu estilo de luta de pescoço, chamado “necking”, como resultado direto para competir pelo namoro. Como resultado, o pescoço da girafa cresceu e evoluiu rapidamente durante um período de dois milhões de anos, levando ao mamífero alto e de pescoço comprido que conhecemos hoje.

    Um benefício colateral do pescoço longo também significava que a girafa podia alcançar folhagens altas que outros animais não conseguiam.

    Anteriormente, os cientistas pensavam que deveria haver um ancestral da girafa com um pescoço de comprimento intermediário. Em vez disso, essa evolução ocorreu mais diretamente, e não em etapas, disse Wang.

    Existem poucos fósseis, e apenas de uma área específica, para que os pesquisadores saibam quanto tempo Discokeryx xiezhi viveu ou quando foi extinto. Seus predadores provavelmente incluíam hienas, gatos com dentes de sabre e um cão-urso gigante chamado Amphicyon ulungurensis, disse Wang.

    Para os próximos passos de pesquisa, os cientistas esperam encontrar um fóssil mais completo para que possam aprender mais sobre essa “besta estranha” e compará-la com outros mamíferos, e até dinossauros, para desvendar a história longo pescoço, disse Meng.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original