Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pesquisa mostra que o Ártico está aquecendo 4 vezes mais rápido que o resto do planeta

    Estudo analisou as tendências de temperatura no Círculo Polar Ártico entre 1979 e 2021

    Blocos de gelo no Estreito de Fram, entre a Groenlândia e Svalbard, a principal porta pela qual o gelo marinho deixa o Oceano Ártico. O gelo marinho no Ártico está diminuindo drasticamente à medida que a região esquenta.
    Blocos de gelo no Estreito de Fram, entre a Groenlândia e Svalbard, a principal porta pela qual o gelo marinho deixa o Oceano Ártico. O gelo marinho no Ártico está diminuindo drasticamente à medida que a região esquenta. Foto: Brice Laine/CNN

    Rachel Ramirezda CNN

    À medida que o gelo do mar desaparece, a Groenlândia derrete e os incêndios florestais queimam as àrvores mais ao norte do planeta, novas pesquisas confirmam o que os cientistas estão alertando: o Ártico aqueceu muito mais rápido do que o resto do mundo nas últimas décadas.

    O fenômeno, chamado de amplificação do Ártico, é causado pelas emissões de retenção de calor da queima de combustíveis fósseis.

    O ritmo do aumento da temperatura em torno do Polo Norte nas últimas décadas foi quatro vezes maior do que no resto do planeta, descobriram pesquisadores do Instituto Meteorológico Finlandês em um estudo publicado na quinta-feira (11).

    Outro problema: os modelos climáticos, que os cientistas usaram para prever mudanças de longo prazo, não estão capturando essa alta taxa de aquecimento, disse o principal autor e pesquisador Mika Rantanen à CNN, que foi parte da motivação deste estudo.

    Isso é preocupante porque, se os modelos não puderem recriar o que está acontecendo agora, os cientistas não poderão confiar em suas previsões de longo prazo.

    “Por causa dessa discrepância, decidimos que isso precisa ser corrigido”, disse Rantenen. “Isso precisa ser atualizado.”

    O estudo, publicado na revista Communications Earth and Environment, analisou as tendências de temperatura no Círculo Polar Ártico entre 1979 e 2021 — a era moderna dos dados de satélite.

    Eles descobriram que a taxa de aquecimento é particularmente alta na região eurasiana do Ártico, especialmente no Mar de Barents, que aqueceu sete vezes mais rápido que a média global.

    Dados recentes revelaram que a temperatura média anual na região de Barents subiu até 2,7ºC a cada década nos últimos 20 a 40 anos, tornando o Mar de Barents e suas ilhas o local de aquecimento mais rápido do planeta.

    A mudança climática desencadeou uma rápida perda de gelo marinho na região do Ártico, que por sua vez amplificou o aquecimento global. O gelo marinho branco brilhante reflete a energia solar de volta ao espaço, mas quando derrete, o oceano escuro absorve esse calor.

    John Walsh, cientista-chefe do Centro Internacional de Pesquisa do Ártico da Universidade do Alasca Fairbanks, disse que o prazo do estudo realmente se concentrou no fenômeno de amplificação do Ártico, que tem sido mais significativo nas últimas décadas do que no início e meados do século 20.

    “A amplificação do Ártico é inconfundível”, disse Walsh, que não está envolvido no estudo, à CNN. “É mais do que um fator de um; é um fator de vários — sejam dois, três ou quatro — e acho que isso não muda o fato de que o Ártico está aquecendo mais rápido que o resto do mundo”.

    Um fiorde no sudeste da Groenlândia é mostrado cheio de águas abertas em abril de 2016. / Kristin Laidre/Universidade de Washington

    O boletim anual do Ártico do ano passado, publicado pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, descobriu que a região do Ártico está se aquecendo mais rápido do que o resto da Terra e está perdendo rapidamente a cobertura de gelo, transformando a paisagem tipicamente congelada em uma paisagem mais verde e marrom do que era apenas cerca de uma década atrás.

    Todas essas descobertas também refletem o mais recente relatório da ONU sobre a crise climática, que descobriu que o Ártico continuará aquecendo mais rápido do que o resto do planeta, enquanto os humanos continuarem a queimar combustíveis fósseis e liberar gases de efeito estufa. na atmosfera.

    “O Ártico é realmente mais sensível ao aquecimento global do que se pensava anteriormente”, disse Rantanen. “Só o tempo dirá. Vamos ver como isso vai evoluir no futuro.”

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original