Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    População de pinguins-de-Humboldt diminui e gera alerta para extinção no Chile

    Principais ameaças são a poluição marinha, a falta de supervisão de animais domésticos e a perturbação dos locais de nidificação.

    Pinguins-de-Humboldt recebem este nome porque nadam na Corrente de Humboldt, no Oceano Pacífico
    Pinguins-de-Humboldt recebem este nome porque nadam na Corrente de Humboldt, no Oceano Pacífico Mark Newman/Getty Images

    Da Reuters

    Santiago

    A população de pinguins-de-Humboldt diminuiu drasticamente em áreas ao longo da costa central do Chile, tornando-os uma das espécies de pinguins mais vulneráveis entre as 18 existentes no mundo e colocando-os em risco de extinção, alertam especialistas.

    No ano passado, cientistas realizaram uma pesquisa em duas ilhas na costa central chilena e detectaram 842 pares reprodutores ou ninhos ativos. Este ano, eles encontraram apenas um par reprodutor.

    Paulina Arce, uma veterinária que se especializa em pinguins, afirma que as populações de pinguins em todas as ilhas pesquisadas diminuíram ou permaneceram as mesmas.

    “Isto pode levar a um cenário ainda mais drástico, que pode ser a extinção da espécie,” disse Arce.

    Os pinguins-de-Humboldt (Spheniscus humboldti) habitam colônias ao longo das costas do Pacífico no Chile e no Peru. Eles recebem esse nome porque se banham na fria Corrente de Humboldt. Estas aves não voadoras podem pesar até 5 kg e medir até 70 cm de altura quando adultos.

    Diego Penaloza, presidente da Safari Conservation Foundation, diz que as principais ameaças aos pinguins na natureza são a poluição marinha, a falta de supervisão de animais domésticos e a perturbação dos locais onde ficam os ninhos.

    Além disso, a gripe aviária, exacerbada pelo fenômeno climático El Niño, causou estragos nas populações de pinguins e outros animais selvagens. Como resultado, as taxas de reprodução dos pinguins-de-Humboldt despencaram para quase zero, segundo Javiera Meza, chefe de Conservação da Biodiversidade da Comporação Nacional de Floresta (Conaf) do Chile.

    “Foi a gripe aviária mais o fenômeno El Niño que deslocou toda a comida para a zona sul, e, portanto, em todo o norte do Chile, a reprodução caiu para níveis quase zero, e, além disso, muitos pinguins morreram,” disse Meza. “Foi como a tempestade perfeita.”

    Alguns animais não são vistos na natureza há décadas

    *Com reportagem da Reuters TV; texto de Natalia Ramos e Noelle Har; e edição de Sandra Maler