Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Caio Junqueira
    Blog

    Caio Junqueira

    Formado em Direito e Jornalismo, cobre política há 20 anos, 10 deles em Brasília cobrindo os 3 Poderes. Passou por Folha, Valor, Estadão e Crusoé

    Trocas na Petrobras sinalizam esforço por novas fronteiras de petróleo, dizem fontes do setor

    Presidente Magda Chambriard indicou três nomes para diretoria da estatal

    Logo da Petrobras
    Logo da Petrobras REUTERS/Paulo Whitaker/Arquivo

    Fontes do setor petroquímico avaliaram como positivos os novos diretores escolhidos por pela presidente da Petrobras, Magda Chambriard.

    O nome mais comemorado foi o de Sylvia dos Anjos, nova diretora de Exploração e Produção. Ela já vinha atuando na estatal como assessora do ex-presidente Jean paul Prates.

    Ela é uma geóloga da Petrobras e alguém que o setor considera com grande conhecimento técnico. Também é considerada “muito defensora da exploração na Margem Equatorial e da necessidade de buscar outras áreas para prospectar novas reservas no Brasil, inclusive em terra (onshore)”, relatou à CNN uma fonte.

    Outro empresário da área disse que Silvia é uma “técnica muito competente” e que “conhece o setor e sabe da importância de sua cadeia produtiva”.

    Afirmou ainda que “as nomeações mostram evidente e positivo direcionamento na direção da diversidade”.

    Quanto a nova diretora-executiva de Engenharia, Tecnologia e Inovação, Renata Baruzzi, a avaliação foi a de que “é uma profissional da área de logística e de execução de projetos, com grande experiência internacional”.

    Outra fonte relatou que ela é “da casa” e “respeitada” no setor.

    O nome considerado “de fora” da estatal é o de Fernando Melgarejo, escolhido para a diretoria executiva Financeira e de Relacionamento com Investidores.

    Ele é diretor de Participações da Previ, o fundo de previdência dos funcionários do banco e integra conselho de empresas do setor, como Neoenergia e Litel.

    Como mostrou a CNN, uma ideia que está na mesa é convocar o Conselho nacional de Política Energética para que o assunto seja debatido dentro de uma espécie de “conselho de minsitros”.