Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Débora Bergamasco

    Débora Bergamasco

    Débora Bergamasco é jornalista, com passagem pelas redações de Estadão, Folha, O Globo, Época, Istoé e SBT

    Crise com demissão de primo de Lira surpreende Lula, dizem fontes

    Ministro Paulo Teixeira negociou com o presidente da Câmara a negociação

    Crise com demissão de primo de Lira surpreende Lula, dizem fontes
    Crise com demissão de primo de Lira surpreende Lula, dizem fontes

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi surpreendido com uma nova crise entre o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e um ministro do governo. Desta vez, Paulo Teixeira, do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar.

    Nesta semana, foi publicada a exoneração de Wilson Lira, primo do presidente da Câmara, do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Alagoas. O profissional estava no cargo desde 2017, no governo do ex-presidente Michel Temer (MDB).

    Diante de pressão de produtores locais, o ministro Paulo Teixeira negociou com Lira essa substituição. Entretanto, o timing teria sido desrespeitado.

    Segundo aliados de Lira, era preciso esperar que o presidente da Câmara escolhesse um substituto. Ele ainda estava consultando lideranças locais para apresentar um nome. Mas Teixeira não teria respeitado essa parte do acordo.

    Diante da confusão, Lira procurou o ministro da Casa Civil, Rui Costa. A insatisfação foi levada pelo ministro diretamente a Lula.

    O presidente, segundo apurou a CNN, se mostrou surpreso. Desabafou que havia sido informado que a exoneração estava combinada previamente com Lira e que não haveria nenhuma consequência.

    A resposta, no entanto, veio rápida. No dia seguinte, Lira colocou em pauta um projeto de lei que, se aprovado, com impactos para o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

    O PL de autoria do deputado Luciano Zucco (PL-RS) prevê que “invasores de terra” não poderão ser beneficiados por programas sociais, como Bolsa Família, não podem ocupar cargos públicos e nem ser contemplados por reforma agrária.

    Na segunda (15), Paulo Teixeira havia lançado o programa Terra da Gente, importante medida para que terras sejam disponibilizadas a pequenos produtores da agricultura familiar. Uma demanda do MST.