Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fernando Nakagawa

    Fernando Nakagawa

    Repórter econômico desde 2000. Ex-Estadão, Folha de S.Paulo, Valor Econômico e Gazeta Mercantil. Paulistano, mas já morou em Brasília, Londres e Madri

    Azul cogita comprar a Gol, mas a jornada, se acontecer, será turbulenta

    Em um mercado com três grandes aéreas, imaginar a união de duas empresas que teriam quase dois terços do mercado não é nada trivial

    Azul cogita comprar a Gol, mas a jornada, se acontecer, será turbulenta
    Azul cogita comprar a Gol, mas a jornada, se acontecer, será turbulenta

    A Azul cogita fazer uma oferta para comprar a concorrente Gol, que está em recuperação judicial e, por isso, está “barata”. Em um mercado com três grandes aéreas, imaginar a união de duas empresas que teriam quase dois terços do mercado não é nada trivial.

    O mercado brasileiro vive uma situação de “triopólio”.

    Dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mostram que as três têm perto de um terço do mercado. Em 2023, a Latam liderou com 38,7% dos passageiros domésticos, a Gol veio em seguida com 33,3% do mercado e a Azul somou 27,5%.

    Em outras palavras, juntas, Azul e Gol teriam mais de 60% dos passageiros brasileiros.

    Apesar de tamanhos comparáveis, a presença das aéreas nos aeroportos é bem diferente. Em terminais concorridos como Congonhas e Guarulhos, ambos em São Paulo, ter slots — horário de pouso e decolagem — é ouro.

    E, nesse quesito, a Gol é bem maior que a Azul nos dois casos. Em Congonhas, a Gol tem quase três vezes mais slots que a Azul. E, em Guarulhos, a vantagem chega a quase quatro vezes.

    A Gol também tem mais operações em Brasília e no Galeão, no Rio de Janeiro.

    Por outro lado, a Azul é muito maior que a concorrente laranja em Confins, em Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre e Manaus. Sem contar, Viracopos, em Campinas, onde fica a casa da Azul e a companhia tem 96% dos pousos e decolagens.

    Em outras palavras, pode haver complementariedade entre duas nesses terminais.

    Essa não é a primeira vez que a empresa fundada por David Neeleman tenta crescer com aquisições. Em 2021, a Latam foi alvo da tentativa que não vingou. Antes, tentou comprar o que restou da Avianca, mas também não conseguiu.

    A única tentativa que realmente deu certo foi a compra da Trip em 2012. Foi, também, a única vez que a Azul se aproximou de uma empresa que não estava em recuperação judicial.

    O fato de estar em recuperação judicial deixa “baratos” os alvos dessas investidas. A Gol, por exemplo, viu o preço de mercado cair 60% nas últimas semanas em meio ao pedido de socorro à Justiça. Isso não quer dizer, contudo, que a empresa esteja à venda.

    É preciso convencer três grupos que, normalmente, têm desejos completamente diferentes: os acionistas, os credores e as autoridades de defesa da concorrência, o Cade.

    Se começar, a jornada não será nada fácil.