Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Iuri Pitta

    Iuri Pitta

    Jornalista, mestre em administração pública e governo e professor universitário. Atuou como repórter, editor e analista em coberturas eleitorais desde 2000

    Boulos vence entre mais jovens e ricos, e Nunes ganha entre mais velhos e pobres, diz Datafolha

    Nova pesquisa sobre disputa pela Prefeitura de São Paulo foi divulgada nesta segunda-feira (11)

    Boulos vence entre mais jovens e ricos, e Nunes ganha entre mais velhos e pobres, diz Datafolha
    Boulos vence entre mais jovens e ricos, e Nunes ganha entre mais velhos e pobres, diz Datafolha

    Os recortes da pesquisa Datafolha para a Prefeitura de São Paulo, divulgada nesta segunda-feira (11), apontam uma disputa polarizada entre o deputado federal Guilherme Boulos (PSOL) e o prefeito Ricardo Nunes (MDB), mas traçam um perfil de eleitorado com algumas diferenças em relação ao que se via dois anos atrás, na disputa entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o então mandatário Jair Bolsonaro (PL).

    Em 2022, ao vencer no maior colégio eleitoral do país tanto no primeiro quanto no segundo turno, o petista teve melhor desempenho em regiões de menor renda e escolaridade, como Piraporinha e Cidade Tiradentes.

    O inverso ocorreu com o ex-presidente, vencedor em regiões como Jardim Paulista e Tatuapé. A exceção foram zonas como Perdizes e Pinheiros, nas quais Lula ganhou, e Butantã, em que Bolsonaro venceu por menos de 2 pontos percentuais na votação final.

    Na atual corrida municipal, a intenção de voto em Boulos cresce conforme aumenta a renda, movimento oposto ao que ocorre com Nunes.

    O deputado sobe de 24% entre quem ganha até 2 salários mínimos para 43% entre quem recebe de 5 a 10 salários mínimos, enquanto o prefeito supera o adversário entre os mais pobres, com 30%, e fica atrás nesse universo de maior renda, ao registrar 31%.

    Movimento semelhante ocorre no recorte por escolaridade. Nunes ganha de Boulos entre quem estudou até o ensino fundamental por 35% a 22%, há um empate técnico no grupo que foi até o ensino médio (25% a 29%, respectivamente), mas o deputado supera o prefeito entre quem tem formação superior, com 42% a 25%.

    Também é entre os mais jovens que Boulos vai melhor, vencendo Nunes por 31% a 13% entre eleitores de 16 a 24 anos. A melhor vantagem registrada pelo prefeito em recortes de faixa etária é no universo de paulistanos entre 45 a 59 anos (33% a 26%) e entre quem tem 60 anos ou mais (34% a 29%).

    Ainda que estejam dentro da margem de erro desses segmentos, esses recortes apontam tendências que são analisadas com lupa pelas equipes de campanha dos dois pré-candidatos.

    Outro aspecto com nuances diferentes na polarização Lula-Bolsonaro comparada à Boulos-Nunes diz respeito à religião dos eleitores. O petista tem melhor desempenho entre católicos, mas é mal avaliado entre os evangélicos.

    No caso da disputa municipal, o prefeito vence numericamente nos dois casos, mas fora da margem de erro apenas entre os evangélicos (37% a 19%, ante 34% a 29% entre católicos).