Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pedro Duran

    Pedro Duran

    O pai do Benjamin passou pela TV Globo, CBN e UOL. Na CNN, já atuou em SP, Rio e Brasília e conta histórias das cidades e de quem vive nelas

    Conselheiros indicados pelo governo Lula derrubam ‘plano Prates’ para dividendos da Petrobras

    Fontes da CNN afirmam que o presidente Jean Paul Prates entrou em rota de colisão com os conselheiros indicados pelo Ministério de Minas e Energia; enquanto Prates queria mais dividendos, conselheiros preferiam dinheiro em fundo

    Conselheiros indicados pelo governo Lula derrubam ‘plano Prates’ para dividendos da Petrobras
    Conselheiros indicados pelo governo Lula derrubam ‘plano Prates’ para dividendos da Petrobras

    O mercado brasileiro começou a sexta-feira (8) decepcionado com a decisão da Petrobras de distribuir uma parcela menor dos dividendos do que fizeram ao longo de 2023. As ações da Petrobras derretem mais de 10% desde o início dos negócios.

    Mas por trás disso, há um impasse: segundo fontes da CNN, o presidente Jean Paul Prates e os conselheiros da petrolífera — especialmente os indicados pelo governo federal — entraram em rota de colisão.

    A divergência tem relação com a quantidade de dividendos pagos trimestralmente e a parcela investida num fundo, cuja dinâmica ainda não está clara. A proposta da diretoria da Petrobras — Prates incluído — era distribuir metade do lucro que excedeu o previsto para os acionistas e colocar a outra metade na chamada ‘reserva de remuneração de capital’, criada no ano passado.

    Ainda não há uma definição clara de qual é o momento de abrir o cofre e fazer esse dinheiro chegar aos que têm papéis da petrolífera.

    Já a maioria do conselho da estatal, em especial os conselheiros do governo, decidiu que tudo que excedesse o previsto em Lei deveria ser depositado nessa reserva, rejeitando a divisão meio a meio.

    Na prática, a diretoria e o próprio presidente Prates entendiam que era melhor distribuir todo dinheiro agora, até por considerar que o fundo de remuneração não pode ser usado pra qualquer outra coisa, como investimentos, por exemplo. Já os conselheiros preferiram poupar e aplicar, para distribuir os recursos lá na frente, mas sem definir quando esse ‘lá na frente’ vai chegar.

    A Petrobras diz que cumpriu a regra de distribuição de dividendos mínimos de 45% do fluxo de caixa livre e o Conselho de Administração votou pela retenção de 100% dos dividendos extraordinários numa conta que só pode ser usada para remuneração de acionistas.

    O total de dividendos distribuídos referentes a 2023, por enquanto, ultrapassa R$ 72 bilhões, valor 66% menor que o ano anterior, 2022, último da gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), quando R$ 215 bilhões foram repassados aos acionistas. Àquela época, o valor foi impulsionado pela venda de ativos da empresa.

    Fontes da diretoria ouvidas pela CNN falam em ‘tentativa de sabotagem’ por parte dos conselheiros, que podem ter sugerido o congelamento da distribuição de dinheiro para ‘ofuscar’ os resultados de lucro apresentados.

    A Petrobras apresentou lucro líquido de R$ 124,6 bilhões em 2023, cerca de US$ 25 bilhões a mais que as multinacionais globais TotalEnergies, da França, e Chevron, dos Estados Unidos.