Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pedro Venceslau

    Pedro Venceslau

    Pós-graduado em política e relações internacionais, foi colunista de política do jornal Brasil Econômico, repórter de política do Estadão e comentarista da Rádio Eldorado

    Asilo em embaixadas é estratégia recorrente de ex-presidentes; relembre alguns casos

    Ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) passou duas noites na missão diplomática da Hungria no Brasil em fevereiro

    Asilo em embaixadas é estratégia recorrente de ex-presidentes; relembre alguns casos
    Asilo em embaixadas é estratégia recorrente de ex-presidentes; relembre alguns casos

    A revelação de que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) passou duas noites na embaixada da Hungria em Brasília após a deflagração de uma operação da Polícia Federal (PF) levou o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), a pedir explicações sobre o motivo da visita.

    Segundo reportagem do New York Times, fontes da embaixada perceberam que pode se tratar de um pedido de asilo.

    Relembre casos de ex-presidentes que recorreram a essa estratégia

    No dia 20 de abril de 2005, o Congresso do Equador destituiu o presidente Lucio Gutiérrez, que pediu asilo ao Brasil. O vice-presidente, Alfredo Palacio, adversário de Gutiérrez, assumiu o Poder Executivo.

    O ex-chefe de estado se refugiou na residência da embaixada brasileira em Quito enquanto esperava garantias para se locomover até o aeroporto e embarcar para Brasília.

    Ele chegou ao Brasil a bordo de um avião da FAB (Força Aérea Brasileira)

    Em 2018, o ex-presidente do Peru, Alan García, pediu asilo na embaixada do Uruguai em Lima após ter sido proibido de sair em meio a uma investigação por supostos subornos pagos pela construtora brasileira Odebrecht. O pedido, porém, foi negado.

    Em 2022, o ex-presidente do Equador, Rafael Correa, recebeu asilo na Bélgica após ser preso em seu país e condenado a oito anos de prisão por corrupção.

    Já em fevereiro deste ano, a Nicarágua garantiu asilo ao ex-presidente panamenho Ricardo Martinelli, condenado a 10 anos e seis meses de prisão por lavagem de dinheiro, além do pagamento de multa estimada em US$ 19 milhões (cerca de R$ 94 milhões).