Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pedro Venceslau

    Pedro Venceslau

    Pós-graduado em política e relações internacionais, foi colunista de política do jornal Brasil Econômico, repórter de política do Estadão e comentarista da Rádio Eldorado

    Força-tarefa que investigou caso Marielle foi marcada por tensão entre PF e Polícia Civil, dizem fontes

    CNN apurou que superintendente da PF no Rio, Leandro Almada foi alvo de fogo amigo permanente

    Força-tarefa que investigou caso Marielle foi marcada por tensão entre PF e Polícia Civil, dizem fontes
    Força-tarefa que investigou caso Marielle foi marcada por tensão entre PF e Polícia Civil, dizem fontes

    Criada em janeiro de 2023 pelo então ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, a força-tarefa que conduziu a investigação do caso Marielle foi marcada por desconfianças e tensionamentos entre os investigadores da Polícia Civil e integrantes da Polícia Federal (PF), que estavam na linha de frente do caso.

    Segundo uma fonte ouvida pela CNN que participou deste colegiado, o superintendente regional da Polícia Federal no Rio de Janeiro, Leandro Almada, foi alvo de “fogo amigo” de integrantes do governo fluminense e teve que ser blindado por Dino.

    A estratégia de Dino foi fortalecer e assumir o comando da força-tarefa fluminense que já apurava os desdobramentos dos mandantes do crime.

    A PF passou a atuar de forma mais direta na investigação juntamente com a Polícia Civil do Rio de Janeiro.

    Antes da entrada da PF, as investigações foram marcadas por tentativas de obstrução, pistas falsas e trocas no comando do inquérito.

    Procuradas, as assessorias do governo do Rio de Janeiro e da Polícia Civil ainda não se manifestaram.